Pular navegação

Por que contratar um seguro de vida?

Seguro de vida também pode ser usado em vida, e não é só para casos de morte do titular ou para quem tem idade mais avançada.

Por que contratar um seguro de vida? Imagem mostra uma calculadora pequena na cor roxa. Ao fundo, diferentes formas geométricas em complemento nas cores roxa, verde escuro e verde claro.

Seja para arcar com as despesas do dia a dia ou para realizar um sonho antigo, ter um planejamento financeiro é importante para não ser pego de surpresa na hora de fechar o orçamento – e contratar um seguro de vida pode entrar nesse planejamento.

Um seguro de vida que protege de verdade oferece benefícios e coberturas que possam ser usados ainda em vida, em momentos que podem exigir internação e custos médicos, como em  problemas de saúde mais graves, por exemplo.

Além disso, o mais popular objetivo de um seguro de vida é dar suporte financeiro para os familiares e para as pessoas que você gosta após o seu falecimento.

Abaixo, conheça seis motivos para contratar um seguro de vida.

E, no vídeo, confira três dicas para você seguir antes de contratar. 

https://www.youtube.com/shorts/4Fytq2MFtNA

1 - Proteção financeira dos dependentes e familiares do titular

Caso você passe por um momento difícil (chamado de sinistro), como um acidente de carro por exemplo, é possível acionar o seguro de vida para os dependentes e familiares conseguirem focar no que realmente importa nesta situação: a sua recuperação. 

Para isso, é preciso enviar a documentação que comprove o fato e pedir a indenização. Quem contrata um seguro de vida deve escolher quem serão as pessoas que vão receber essa quantia em caso de morte do titular. Essas pessoas são, chamadas de beneficiárias. Ou seja, as pessoas que você gosta não ficarão desamparadas financeiramente se algo acontecer.

Seguro de vida e vida financeira: o que eles têm a ver?

2 - Usar o seguro de vida em vida

O seguro de vida, muitas vezes, acaba sendo associado somente ao momento da morte. Mas também é possível usá-lo em vida, conforme a seguradora e o produto contratado. 

O segurado pode acionar seu plano em situações como invalidez, incapacidade temporária, doenças graves, assistência médica, resgate da apólice e assistência para casa e carro.

Conheça o Nubank Vida, o seguro de vida do Nubank 

3 - Personalização de coberturas

No mercado, ainda existe o mito de que que contratar um seguro de vida é caro e não compensa. A verdade é que hoje o produto é acessível no mercado e pode ser customizado com base no seu orçamento e necessidades. 

O preço de um seguro de vida depende da cobertura que você deseja, além de fatores relacionados ao seu estilo de vida e ao risco que ele representa. Algumas instituições financeiras e seguradoras também permitem alterar ou adquirir coberturas adicionais  a qualquer momento ou na renovação da apólice.

Importante: fique sempre atento aos custos que podem estar atrelados a qualquer mudança de contrato.   

O que é uma apólice de seguro? Para quê serve?

4 -  Não tem público específico

É mito que um seguro de vida é ideal apenas para quem tem idade avançada ou tem algum problema de saúde. O seguro de vida pode ser contratado por pessoas a partir dos 18 anos de idade. Ele é um produto recomendado para quem está preocupado com a sua própria qualidade de vida e com o futuro de seus pais e dependentes.  Em outras palavras, o seguro de vida vale a pena em qualquer momento da vida de qualquer pessoa. 

5 - Custo-benefício

Não existe um preço fixo, mas há opções de seguro de vida que possuem um valor médio inicial de R$ 4 por mês. Ao levar em conta os benefícios que um seguro de vida proporciona, o valor desembolsado por mês pode ser considerado um investimento.

Nubank Vida: tudo sobre o seguro de vida do Nubank 

6 - Isenção de Imposto de Renda e ITCMD

Quando os beneficiários do seguro de vida recebem a indenização, esse valor não tem cobrança de Imposto de Renda. Isso não quer dizer que o valor não deva ser declarado. Ele deve, sim, constar na declaração anual do IR, mas não haverá desconto. 

O mesmo acontece quando o segurado falece. O seguro não entra na partilha de bens e, por isso, não se aplica o ITCMD (Imposto de Transmissão Causa Mortis e Doação). 

Ou seja, o seguro não entra em inventário. Ele é destinado exclusivamente para os beneficiários que foram indicados no contrato. 

Leia mais sobre seguro de vida: 

Como declarar seguro de vida no Imposto de Renda?

6 mitos sobre seguro de vida

Seguro de vida: É possível usar estando vivo? 

Este conteúdo faz parte da missão do Nubank de devolver às pessoas o controle sobre a sua vida financeira. Saiba mais sobre nossos produtos e a nossa história.