Pular navegação

Como funciona o seguro de carros: da franquia à cobertura

Entenda os termos e os diferentes tipos de seguros oferecidos no mercado.

Seguro de carro: uma mão pegando um carro de cima sobre uma pista roxa

Você está dirigindo para o trabalho quando, em um momento de distração, acaba se envolvendo em um acidente. E agora? Como funciona o reparo? Quem paga o que? Nessas horas, como funciona o seguro de carros?

Para responder a essas perguntas é importante entender que existem diferentes tipos de cobertura e franquias – e que essas diferenças impactam o valor da mensalidade/anuidade e também o quanto o cliente terá que desembolsar (ou não) em caso de problemas.

Para começar: o que é o seguro de carros?

O seguro de carros é um contrato entre segurado e seguradora – no caso, o dono do veículo e a empresa que oferece uma cobertura em caso de acidentes ou problemas com. 

Quem contrata um seguro de carros paga um valor pré-determinado por mês ou ano a uma empresa seguradora e, em caso de necessidades, recebe uma cobertura parcial ou total para cobrir danos ao carro  ou até mesmo a terceiros envolvidos em problemas com o automóvel segurado. 

Vale a pena ter um seguro de carro?

Quem possui um automóvel próprio deve contar o gasto com seguro no orçamento mensal, pois as despesas em caso de acidente costumam ser altas. 

Segundo  estudo do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), a gravidade do acidente influencia na quantidade de dinheiro gasto. Por exemplo, gastos hospitalares de um acidente com vítimas feridas levemente custaria cerca de R$ 8.500, enquanto um acidente com vítimas gravemente feridas custaria cerca de R$ 125.100, contando com componentes pré hospitalares, hospitalares, pós hospitalares, perda de produtividade e remoção.

O relatório também apontou que uma motocicleta envolvida em um acidente com vítimas pode custar quase R$ 2.750, já um automóvel, nas mesmas condições, pode chegar a custar mais de R$ 12 mil. Portanto o risco financeiro de não se ter um seguro é muito grande.

Mas antes de escolher um seguro de carro, é preciso checar as cláusulas do contrato e entender em quais situações você estará coberto. 

Como funciona o seguro de carros?

O seguro precisa ser contratado com um corretor ou diretamente com a seguradora. 

Ele envolve um contrato que estipula, entre outras coisas:

  • Pagamento de uma mensalidade ou anuidade;
  • Os direitos do motorista e o que está incluso;
  • O valor da franquia (até quanto o motorista cobre antes de ser reembolsado).

Perfil do motorista

Antes de escolher o tipo de seguro a seguradora irá identificar o seu perfil. É a partir de informações pessoais e do uso do carro que ela vai tentar encontrar opções que se adequem às suas necessidades e que cubram os principais riscos. Essa análise de perfil também determina o preço final do seguro. 

Os critérios envolvidos na formulação incluem:

  • a idade do motorista;
  • o valor do carro;
  • seu tempo como motorista habilitado;
  • a quilometragem que costuma rodar;
  • quantas pessoas vão utilizar o veículo;
  • as principais finalidades que o carro têm;
  • e o lugar onde o veículo costuma ficar estacionado.

Além disso, a abrangência do seguro também influencia na hora da contratação. Quanto mais abrangente for o contrato, maior será o valor cobrado no final.

O que são as franquias de seguro de carro?

A franquia é uma das regras para contratação de um seguro automotivo. Ela corresponde ao valor em dinheiro que o contratante (cliente) terá que pagar caso se envolva em algum acidente no qual tenha responsabilidade. 

Segundo as companhias, contar com a franquia faz com que os motoristas não entrem em riscos desnecessários, pois também se responsabilizam com pelo menos parte dos custos. 

Se a sua franquia for de R$1.500 isso significa que você cobrirá os gastos até esse valor e a seguradora cobrirá os demais custos até o limite do seu contrato.  

Por exemplo: você bateu o carro e a funilaria e a mecânica ficaram em R$5.000. Se a franquia do seguro for de R$1.500, então você pagará esse valor e a seguradora irá se responsabilizar pelos R$3.500 restantes.

Cada seguradora possui um valor de franquia e critérios para avaliar seu valor. 

Não há cobrança da franquia em casos como:

  • Necessidade de utilização de guincho;
  • Uso de um carro reserva.

Tipos de coberturas do seguro de carro

Danos ao carro

Os danos ao carro são as ocorrências mais básicas que um seguro vai cobrar. Esse tipo de cobertura inclui diversas situações, até mesmo as fora do controle do motorista, como incêndios, prejuízos por enchentes, tempestades, raios e granizo.

Também são considerados danos ao carro as ocorrências de roubo e furto, além dos acidentes e colisões envolvendo o veículo segurado.

Danos ao motorista e passageiros

Os danos causados ao motorista e aos passageiros do carro têm seu próprio tipo de cobertura. 

Isso envolve os prejuízos causados a vítimas de acidentes dentro do carro segurado, como em colisões e capotamentos. A cobertura, nesse caso, se estende até a casos de invalidez e morte dos ocupantes do carro.

Danos a terceiros

Por fim, uma parte de como funciona o seguro de carros diz respeito aos danos causados a terceiros. 

Esse tipo de cobertura específica trata do pagamento de despesas a pessoas que sofreram danos por meio do carro segurado. É o caso de vítimas de acidentes e colisões que seu veículo pode ter causado.

Tipos de seguro

A instituição seguradora pode oferecer alguns tipos diferentes de seguro para carros que incluem diferentes coberturas. Eles costumam ser chamados de:

  • seguro compreensivo;
  • seguro contra roubo e furto;
  • seguro de terceiros;
  • e seguro de acidentes de passageiros.

Esses quatro tipos de seguros possuem coberturas específicas e oferecem opções e preços de acordo com o tipo de sinistro segurado. 

Seguro compreensivo

O seguro compreensivo é o mais completo entre as modalidades disponíveis. Esse tipo de seguro cobra mais ocorrências e, consequentemente, é mais caro. 

Mesmo assim, é importante ressaltar que nem todo motorista, de acordo com seu perfil e uso do carro, vai estar sujeito a todas as ocorrências que o seguro compreensivo cobre. 

Nesse caso, os proprietários de veículos que mais se beneficiam desse modelo são os que dirigem bastante, que usam o veículo para viagens e trabalho. 

Quem não faz uso tão intenso do seu veículo pode continuar pesquisando como funciona o seguro de carros de outro tipo, que cubra a maior parte dos riscos, mas que não seja tão completo como o compreensivo.

Seguro contra roubo e furto

Um tipo de seguro menos completo, mas ainda muito popular é o seguro contra roubo e furto. 

Cobrindo menos do que o compreensivo, esse tipo de seguro pode atender aos condutores que querem segurança, mas pagando menos. Uma característica importante dessa modalidade é que o segurado recebe a indenização apenas quando o seu veículo roubado ou furtado não é encontrado. 

Além disso, se não forem consideradas coberturas adicionais, danos inferiores a 75% do valor do veículo ficam por conta do contratante.

Seguro para terceiros

A terceira modalidade de seguro para automóveis é o seguro de terceiros, também conhecido como RCF-V (Responsabilidade Civil Facultativa de Veículos). Esse tipo de cobertura garante ao segurado a indenização contra prejuízos causados a outros motoristas. 

É esse seguro que garante as despesas pagas a outros motoristas, pedestres e ciclistas envolvidos em acidentes causados pelo veículo do segurado. Os danos cobertos ainda podem ser tanto materiais e físicos quanto morais e pessoais.

Cobertura APP

Por fim, existe ainda o tipo de seguro voltado para danos aos passageiros do veículo. 

Também chamado de cobertura APP – Acidentes Pessoais de Passageiros.  Esse seguro não visa cobrir os danos sofridos pelo motorista, mas sim pelos passageiros do carro. É nessa modalidade que, geralmente, estão cobertas as indenizações em caso de morte acidental e invalidez dos passageiros. 

A cobertura APP se trata de um seguro mais usado por profissionais que usam o carro para trabalhar e transportar pessoas, como taxistas e motoristas do Uber, por exemplo. 

É a partir dessas coberturas que as seguradoras garantem a segurança em caso das mais variadas ocorrências. Cada um deles, é claro, atendendo a situações específicas, para cada tipo de motorista, de carro e de orçamento.

E por fim, toda atenção é pouco na hora de assinar o contrato. Leia cada cláusula atentamente para não sair no prejuízo

Conheça o Nubank Auto

O Nubank Auto, o seguro de carros do Nu, é simples de usar e pode ser contratado e controlado pelo app. Para contratar, basta fazer o seguinte:

  1. Ao abrir o app do Nubank, toque no cifrão ($) na parte de baixo da tela;
  2. Clique em "Seguro de Carro";
  3. Leia as condições do produto;
  4. Insira a placa do veículo;
  5. Selecione o modelo do veículo;
  6. Informe se você gostaria de incluir no seguro outros motoristas menores de 26 anos de idade;
  7. Informe o CEP em que seu carro passa a noite e o tipo de garagem;
  8. Informe a sua classe de bônus (caso se aplique);
  9. Escolha as coberturas que mais fazem sentido para você;
  10. Escolha a forma de pagamento – conta ou cartão de crédito Nubank;
  11. E pronto! A seguradora irá analisar e, caso seja o primeiro seguro de carro, o cliente precisará seguir as instruções e realizar uma vistoria digital pelo app do Nubank.

Saiba mais detalhes em: Nubank Auto: conheça o seguro de carro do Nubank

Este conteúdo faz parte da missão do Nubank de devolver às pessoas o controle sobre a sua vida financeira. Ainda não conhece o Nubank? Saiba mais sobre nossos produtos e a nossa história aqui.

Navegue