Complete abaixo para pedir sua NuConta e seu cartão de crédito

Precisamos seu nome completo. Precisamos seu nome completo.
Precisamos do seu CPF Precisamos de um CPF válido
Precisamos do seu e-mail. Aqui precisamos de um email válido.
Ops. Está diferente do campo acima.
Para prosseguir, você deve concordar com as políticas de privacidade.

Início Seu Dinheiro Tipos de empréstimo: qu...

Tipos de empréstimo: quais existem e como escolher o melhor?

Consignado, pessoal, com garantia… Cada opção tem características próprias. Veja do que se trata cada um e no que é preciso prestar atenção antes de contratar.

Contratar um empréstimo pode ser uma boa solução quando se precisa lidar com alguma emergência financeira ou de alguma ajuda para ficar mais perto de realizar um sonho grande, como comprar um imóvel, um carro ou até mesmo reformar a casa.

Mas é importante saber escolher o empréstimo mais adequado levando em conta o prazo de pagamento, as taxas de juros, qual instituição o oferece e também qual o tipo do empréstimo.

De forma geral, todo empréstimo envolve pedir um valor em dinheiro para uma instituição e fazer o pagamento depois, com alguma taxa de juros. No entanto, existem diversas opções e disponíveis no mercado. 

Abaixo, explicamos quais são os tipos de empréstimo mais comuns e como cada um deles funciona.

Empréstimo Consignado

O empréstimo consignado funciona da seguinte maneira: ao invés de pagar proativamente as parcelas todo o mês, ela é descontada da folha de pagamento ou do benefício de previdência (aposentadoria do INSS) de quem o contratou. 

Ele é um empréstimo de baixo risco, já que a instituição financeira não depende que o contratante faça o pagamento mês após mês das parcelas – e, por isso, o risco de calote é menor e os juros cobrados podem ser mais baixos do que em outros tipos de empréstimo. 

Contratar um empréstimo consignado depende da sua empresa empregadora e das instituições que têm parceria com ela. Existem algumas regras para o empréstimo consignado: 

  • Por mês, o pagamento da parcela deve ser de até no máximo 30% do salário de quem o contrata; 
  • O desconto em folha também deve ser autorizado no momento de contratar o empréstimo;
  • Podem contratar empréstimo consignado funcionários públicos, funcionários registrados na CLT e beneficiários do INSS.

O que levar em conta antes de pegar um empréstimo consignado:

  • Faça as contas e tenha certeza de que as parcelas cabem no seu salário (lembre-se: elas serão descontadas automaticamente todos os meses)
  • Fique atento às taxas de juros e às condições – como possibilidade de antecipar parcelas. 

Empréstimo Pessoal

O empréstimo pessoal ou crédito pessoal é uma das modalidades mais simples: o contrato de empréstimo é feito diretamente entre a instituição financeira que oferece o empréstimo e a pessoa que o contrata.

A instituição financeira é livre para estabelecer alguns critérios, como os prazos para pagamento, taxas de juros mensais e o valor do empréstimo.

Normalmente, a contratação funciona da seguinte maneira: uma pessoa realiza uma simulação de empréstimo com determinado valor e confere  o prazo de pagamento e juros conforme; depois, fornece alguns dados, como CPF, RG, salário mensal, entre outros, e uma análise de perfil é realizada. A partir dessa análise, a instituição pode ou não conceder o empréstimo.

Isso é diferente quando a pessoa já possui um limite pré-aprovado de crédito em uma instituição em que já é cliente. Neste caso, a partir das simulações de taxa de juros e prazo de pagamento, o cliente escolhe uma das opções, aceita o contrato e o empréstimo é concedido.

As taxas de juros são, em média, maiores que as do empréstimo consignado. 

Essa é a modalidade do Empréstimo Nubank. Aqui você sabe mais sobre como contratar, quais são as taxas de juros e as vantagens.

O que levar em conta antes de pedir um empréstimo pessoal:

  • Os juros não são a única coisa para ficar atento. Além deles, taxas de abertura de conta, de manutenção ou até mesmo seguros podem ser cobradas pelas instituições. Fique atento ao CET, Custo Efetivo Total, do empréstimo. Esse valor deve aparecer no contrato e engloba (como o nome diz) todos os custos que o cliente terá. 

Empréstimo pessoal com garantia

Eles funcionam como um empréstimo pessoal, mas com um diferencial: a instituição utiliza algum bem de quem contrata o empréstimo, como imóvel ou automóvel, como garantia do pagamento. Isso significa que caso o pagamento das parcelas do empréstimo não seja feito, o imóvel ou automóvel pode ser tomado. 

Justamente por contar com essa garantia, esse tipo de empréstimo costuma ter taxas mais baixas.

O que levar em conta antes de contratar?

  • Além da atenção aos juros, condições e CET (custo efetivo total), vale pesar o que você está dando de garantia – a casa da família ou um carro que não é essencial no dia a dia, por exemplo? Entender as consequências da inadimplência é fundamental para tomar uma decisão mais consciente. 

Cheque especial

O conhecido cheque especial é também uma modalidade de empréstimo – embora muita gente não saiba disso. Ele funciona como um limite já pré-aprovado para quando o o cliente gasta mais do que têm de saldo na conta . Nesses casos, o saldo fica negativado – e é justamente esse valor que entra no cheque especial. 

Quanto mais tempo o usuário passa usando o cheque especial, mais juros paga – o mesmo vale para o valor: quanto maior o saldo negativo, mais juros serão cobrados.

Quando vale a pena entrar no cheque especial?

Os juros do cheque especial são os maiores do mercado e, dependendo do banco, podem chegar a mais de 14% ao mês ou 400% ao ano. Por isso, essa modalidade é indicada somente para emergências; em outros casos, é mais vantajoso contratar outra linha de empréstimo com juros mais baixos.

Financiamento – como funciona?

Basicamente, o financiamento é um tipo de empréstimo que limita o que o cliente pode fazer com o dinheiro. O empréstimo é um contrato entre um cliente e uma instituição financeira: o cliente recebe uma quantia em dinheiro e precisa devolvê-la para a instituição em um determinado prazo, pagando juros. Ao receber o empréstimo o cliente pode gastá-lo como quiser – e, depois, precisa pagá-lo de volta à instituição.

No caso do financiamento, existe uma condição clara: o cliente precisa usar a quantia que pegou emprestada em algo específico e já combinado com a instituição. Na hora de pedir o financiamento, é preciso especificar o motivo e destino do dinheiro. Por exemplo: fazer um financiamento para a aquisição de um imóvel. 

Exatamente por isso que no caso do financiamento existe a garantia de algum bem, normalmente aquele que se compra com o financiamento – imóvel ou automóvel, na maioria das vezes.

Qual tipo de empréstimo escolher?

A resposta é: depende – do seu objetivo com o empréstimo, do valor que irá contratar, do tempo que pretende pagar por ele, de sua situação financeira… São muitas variáveis. O ideal é, depois de avaliar sua situação financeira, ver qual se encaixa mais com o seu caso, além de qual é o mais vantajoso.

Vale lembrar que quando um empréstimo não é quitado, a pessoa contrai uma dívida e fica inadimplente. Uma pesquisa do SPC com a CNDL de 2018 aponta que de todas as pessoas que contrataram algum empréstimo em 2018, um terço ficou com o nome sujo por ter atrasado as prestações. 

Para não entrar nessa estatística, é importante ter um controle claro e um bom planejamento financeiro. 

Está pensando em pedir um empréstimo? Confira aqui dicas que podem te ajudar:

Este conteúdo faz parte da missão do Nubank de devolver às pessoas o controle sobre a sua vida financeira. Ainda não conhece o Nubank? Saiba mais sobre nossos produtos e a nossa história aqui.

Digite seu nome

Quero receber a newsletter