Pedir Conta e
Cartão de Crédito

em menos de 1 minuto
e grátis

Precisamos seu nome completo. Precisamos seu nome completo.
Precisamos do seu CPF Precisamos de um CPF válido
Precisamos do seu e-mail. Aqui precisamos de um email válido.
Ops. Está diferente do campo acima.
Para prosseguir, você deve concordar com as políticas de privacidade.

Início Seu Dinheiro Endividamento e superend...

Endividamento e superendividamento: o que significa cada um?

Sabia que parcelar uma compra é, na prática, contrair uma dívida? Entenda a diferença entre esse cenário e o superendividamento e veja cinco dicas do Banco Central para sair de uma situação em que as dívidas viraram uma bola de neve.

Em junho de 2020, o número de famílias endividadas no Brasil bateu recorde histórico: 67,1% delas declararam ter dívidas no primeiro semestre do ano, aponta a Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor, realizada pela Confederação Nacional do Comércio (CNC). 

Ao mesmo tempo, uma pesquisa de 2016 da CNDL (Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas) mostra que 79% dos brasileiros têm um entendimento errado do que é estar endividado – é um dado mais antigo, mas tão alarmante quanto.

Mas, afinal: o que é ter dívidas ou estar em endividamento? E superendividamento? 

Dívidas e endividamento

A pesquisa de 2016 apontou que, no entendimento de 46% dos brasileiros, ter uma dívida é “ter uma conta em atraso ou que estão sem pagar”. Na verdade, as dívidas são aquelas parcelas, contas ou pagamentos com a qual o consumidor se comprometeu a pagar – por exemplo: comprou no cartão de crédito e parcelou a compra? Essa é uma dívida que você adquire.

O próprio cartão de crédito é como uma dívida, já que, quando você usa, você se compromete a fazer o pagamento da fatura no mês seguinte. Crediário, empréstimo pessoal, prestações, financiamentos, cheque especial e carnê são outras modalidades de dívida.

Na prática, portanto, o endividamento é o processo de se comprometer com parcelas e pagamentos que deverão ser feitos no futuro e ainda não estão vencidos. Quando esses pagamentos vencem e ficam em aberto, eles se tornam inadimplências.

Isso não significa que todos esses meios de pagamento e soluções financeiras são “vilões” e fazem os consumidores ficarem inadimplentes. Eles podem ser bons aliados de sua vida financeira, mas, como qualquer outra forma de pagamento, é necessário ter planejamento e organização para garantir que será possível arcar com todos os pagamentos e parcelas que virão no futuro – e evitar o chamado superendividamento.

Superendividamento

Se endividamento é comprometer-se com contas futuras, o superendividamento é a situação que os consumidores se encontram quando não conseguem mais pagar suas dívidas – por exemplo, quando alguém se compromete com mais dívidas do que pode arcar num determinado período de tempo..

Segundo o Banco Central, o superendividamento é “quando uma pessoa se vê impossibilitada de pagar suas dívidas atuais ou futuras com sua atual renda e seu patrimônio”. 

Um situação que leva ao superendividamento é o que chamamos de “efeito bola de neve”: adquirir diferentes dívidas pequenas que se tornam grandes até, eventualmente, perder o controle delas. E não só isso – situações de gastos inesperados ou de perda de um emprego, por exemplo, também podem levar ao superendividamento. 

O que fazer para fugir do superendividamento?

O Banco Central preparou uma cartilha com as principais dicas para evitar o superendividamento, sendo a principal a de não gastar mais do que ganha. Imprevistos acontecem, e costumam ser os principais responsáveis pela “bola de neve” de dívidas. Por isso, ter um planejamento financeiro e uma reserva financeira são outras medidas que ajudam neste sentido.

Abaixo, veja as 5 dicas do BC para evitar o superendividamento:

1. Eliminar todo o desperdício. Em situações de superendividamento, é importante cortar todas as despesas não essenciais. 

2. Aproveite o 13º salário para quitar dívidas: ou o FGTS emergencial, ou qualquer renda extra que tiver. A prioridade deve ser quitar seus débitos.

 3. Troque suas dívidas por outras mais vantajosas, ou seja, com juros menores. É possível , por exemplo, renegociar os pagamentos. Em geral, as dívidas do cheque especial e do rotativo do cartão de crédito têm juros mais elevados, e vale a pena recorrer a algum empréstimo de juros mais baixos para quitá-las. 

4. Passe a comprar à vista. Se estiver em uma situação de superendividamento, guarde o talão de cheques e o cartão de crédito em casa, para não usá-los.
5. Se tiver um carro, e ele não for instrumento de trabalho ou essencial para a família, não hesite em vendê-lo. Utilize o dinheiro para pagar suas dívidas. Além de quitar dívidas, ao vender o carro, você ainda estará reduzindo suas despesas mensais.

Veja todas as dicas do Banco Central.

Este conteúdo faz parte da missão do Nubank de devolver às pessoas o controle sobre a sua vida financeira. Ainda não conhece o Nubank? Saiba mais sobre nossos produtos e a nossa história.

5

Esse artigo foi útil? Avalie

Obrigado pela avaliação

Você já votou neste post