Fala, Nubank

Muito além do cartão de crédito

Como saber qual é o valor do IOF?

Entenda de vez o que é o imposto que pode aparecer na sua fatura do cartão e como ele afeta as suas compras nacionais e internacionais

Você já deve ter visto no seu aplicativo do banco ou na fatura do cartão de crédito a sigla IOF. Ela aparece quando fazemos saques, compras no exterior, estouramos o limite… Mas, afinal, qual é o valor do IOF?

A sigla IOF significa “Imposto Sobre Operações Financeiras” e, muitas vezes, ela é confundida com uma taxa de juros.

Veja a seguir como descobrir o valor do IOF que pode aparecer na sua fatura e entenda como é calculado esse imposto.

O que é IOF?

O Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) é um imposto federal pago por pessoas físicas e jurídicas ao efetuarem operações de crédito, câmbio, seguro ou operações de títulos e valores mobiliários.

Ou seja: fazer um empréstimo, comprar dólares para viajar, fazer saques com o cartão de crédito… O valor do IOF varia de acordo conforme o tipo de operação financeira.

Esse imposto é uma grande fonte de arrecadação do Governo. Ele também é usado como uma forma de controlar a economia do país. Através dos dados coletados com as movimentações financeiras, é possível criar índices que funcionam com um “termômetro” da economia: quanto mais IOF arrecadado, mais operações financeiras ocorreram.

Nem sempre, no entanto, um maior índice de IOF significa economia em crescimento, pois ele inclui também movimentações como empréstimos.

Por que apareceu “cobrança de IOF” na fatura do cartão de crédito?

É muito importante ressaltar que não existe cobrança de IOF nas compras do cartão de crédito – sejam elas parceladas ou não.

O IOF só aparece na sua fatura quando você realiza algum tipo de ação que é classificada como uma “operação financeira”.

No caso do cartão de crédito, dependendo do contrato, o IOF vai aparecer sempre que ocorrerem as seguintes situações:

É importante lembrar que o IOF não é uma taxa de juros, mas sim um imposto por operação financeira. Como ele incide em diversos tipos de dívidas (empréstimos, por exemplo), muitas pessoas confundem o IOF com as taxas de juros cobradas pelas instituições financeiras. Mas lembre-se: o IOF e os juros são duas coisas separadas.

Por exemplo: se você entrou no rotativo do cartão, além dos juros cobrados pelo banco ou operadora, precisará pagar o IOF ao governo.

O valor do IOF aparece no extrato da sua fatura e não há  como evitar nem negociar esse número. Pagar as contas em dia e controlar os gastos mensais é o melhor caminho para evitar o acúmulo de juros e a cobrança do IOF sobre as dívidas.

Qual o valor do IOF?

O valor do IOF, ou a alíquota deste imposto, varia para cada tipo de operação financeira:

Lembrando que todos os valores acima podem ser alterados de acordo com decisões do Governo. Em 2014, por exemplo, a taxa de IOF sobre cartões de crédito era 0,38%, já em 2018 esse valor subiu drasticamente para 6,38%.

Outro ponto importante é entender que a forma como o imposto é cobrado também varia de operação para operação.

Se você utiliza seu cartão no exterior (para compras ou saques), você irá pagar IOF por causa da taxa de conversão cambial.

Nas movimentações envolvendo empréstimos e financiamentos, sejam linhas de crédito pessoal ou para compras de bens, é cobrado o IOF base, calculado no momento da contratação do serviço.

Já no cheque especial o cliente retira um valor a crédito. Nesta linha, uma das mais caras, a taxa de juros sobre a dívida é atualizada todos os dias e o IOF mínimo também é aplicado todos os dias sobre o montante devido.

Os investimentos devem ser considerados caso a caso. Letras de crédito são isentas de IOF, mas CDBs podem ser taxados, dependendo do caso. Em geral, se há movimentação do dinheiro investido antes de 30 dias de aplicação, há incidência de IOF. Essa é uma maneira de o Governo desencorajar a retirada de dinheiro em períodos curtos de tempo, o que prejudica o sistema financeiro. Sobre os Seguros de acidentes pessoais ou de vida incidem também taxas de IOF básico sobre o prêmio contratado.

Como calcular o valor do IOF?

O Cálculo do IOF varia conforme cada operação – mas vamos tomar como exemplo os dois tipos mais corriqueiros: cheque especial e compras no exterior.

Cheque especial

Imagine que você tinha R$3.000,00 em sua conta no banco e gastou R$3.100,00. Esse valor de R$100,00, o chamado saldo devedor, entra no cheque especial.

A taxa de IOF será de 0,38% sobre esses R$100,00 da dívida.

Vale lembrar que o IOF é um  imposto do Governo Federal, mas pode haver outras taxas do banco cobradas sobre o montante da dívida. Consulte o Custo Efetivo Total (CET) do seu cartão para saber exatamente quais encargos e taxas estão incidindo sobre ele. Em geral, essa informação está disponível no contrato do cartão de crédito.

Compras no exterior

Quem usa o cartão de crédito para compras internacionais – inclusive as feitas online – paga um IOF de 6,38% sobre o valor dessas compras.

Já quem decide fazer aquisição de moeda em espécie – o chamado “dinheiro vivo” – paga um IOF menor: 0,38%.

Mas isso não significa que é melhor comprar o dinheiro em espécie na hora de viajar – afinal, o principal problema de carregar dinheiro é o risco de perdas.

No caso de compras internacionais com o cartão, para fazer o cálculo do valor do IOF, o primeiro passo é saber qual a movimentação que você deseja fazer. Por exemplo, suponha que você fez uma compra de R$ 1.000 no exterior com seu cartão de crédito. A alíquota de 6,38% irá incidir sobre o montante total da sua compra. Assim, o IOF a ser pago é de R$ 63,80. Na sua fatura, deverá aparecer o valor de R$ 1063,80.

Para calcular o IOF sobre cada movimentação, consulte sempre o Custo Efetivo Total do cartão e as tabelas atualizadas pelo Banco Central (BACEN).

De qualquer forma, vale lembrar que, além do IOF, quem for gastar fora do país precisa checar também as taxas cambiais na hora de decidir fazer suas compras.

A taxa de conversão cambial é usada para calcular o valor da moeda estrangeira. No caso do dinheiro vivo, é preciso saber qual é a taxa do dia na hora de comprar dólares, por exemplo.

Este texto foi publicado para que mais consumidores consigam entender os gastos que têm nas suas faturas. Transparência é um dos valores do Nubank, uma empresa que nasceu para devolver às pessoas o controle sobre a sua vida financeira.  

Tags

Comentários

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *