MALHA FINA

7 erros comuns na hora de declarar o IR que te fazem cair nela.

10 de fevereiro de 2021

Conforme março se aproxima, vai chegando o início da declaração do Imposto de Renda – e, com ela, o medo clássico: "e se eu cair na malha fina?"

Cair na malha fina nada mais é que ter sua declaração retida por causa de inconsistências  – de erros de digitação à omissão de rendimentos.

Veja os erros mais comuns e evite-os para não ter problemas com a Receita.

1

Erros de digitação

Informar valores errados é um clássico – pode ser um zero a mais ou a menos, ou números inseridos em campos trocados, por exemplo.

Outro erro comum é usar ponto para separar reais de centavos. O programa da declaração considera somente a vírgula como separador de centavos. Ou seja: se você quiser inserir o valor de R$200 e digitar 200.00, o programa entenderá como R$20 mil.

2

Declarar um dependente duas vezes

Uma pessoas pode ser dependente em apenas uma declaração do IR. Um filho de pais separados, por exemplo, pode ser declarado dependente por só um deles.

Esconder rendimentos de qualquer tipo da Receita coloca as pessoas na malha fina. O mesmo vale para rendimentos de dependentes.

3

Não informar rendimentos

4

Confundir VGBL com PGBL

Esses são os dois tipos de aposentadoria privada e cada um deve ser declarado de uma forma. Verifique direitinho qual é a sua para não se confundir.

5

Despesas médicas sem comprovante

Despesas de saúde podem ser deduzidas integralmente do cálculo do Imposto de Renda, mas o recibo ou comprovante é essencial.

6

Informar o valor errado de bens

Carros, imóveis e outros bens seus e de seus dependentes devem ser declarados com o valor de aquisição (ou seja, quanto você pagou por eles), não com o valor de mercado. Esse erro pode aumentar ou diminuir o seu patrimônio.

7

Declarar 13º com outros rendimentos

O 13º salário não deve ser somado aos demais rendimentos tributáveis, porque ele é de tributação exclusiva na fonte e não dá direito à restituição – a tributação sobre os salários dos outros meses ainda pode ser restituída, se for excessiva.