Pular navegação

Tipos de investimentos: quais são os principais e como escolher o melhor para você?

O mundo dos investimentos já oferece dezenas de ativos financeiros para diferentes perfis, objetivos e renda. Conheça os principais e saiba qual tem mais a ver com seu perfil.

Foto com fundo roxo e azul mostra um porquinho de cerâmica rosa ao centro.

Quem está começando a investir costuma ficar confuso na hora de escolher um produto financeiro para aplicar. Afinal, já existem dezenas de tipos de investimentos à disposição das pessoas, e cada um funciona de um jeito diferente. Mas quais são esses produtos? Quais os melhores? Como escolher um? 

Neste texto, você vai entender: 

  • O que é um investimento?
  • Quais são os tipos de investimentos financeiros?
  • Os tipos de investimentos de renda fixa
  • Os tipos de investimentos de renda variável
  • Qual o melhor tipo de investimento?
  • Quais são os tipos de investimentos mais seguros? 
  • Como escolher um tipo de investimento?

O que é um investimento?

Investimento é um produto que tem a função de fazer o dinheiro render – isso nem sempre acontece, mas é o esperado por qualquer pessoa que compra esse produto. 

Um investimento precisa representar alguma coisa. Ou seja, ele precisa ter lastro. Isso significa que sempre há algo por trás de um investimento.

Por exemplo: investir em ações é como comprar pedacinhos de uma empresa; em títulos públicos é como comprar uma fatia da dívida do Tesouro Nacional. Na prática, sempre que você investe, está comprando alguma coisa: seja uma parte de algo físico ou um direito. Por isso é importante entender o que está por trás de cada tipo de investimento.  

Quais são os tipos de investimentos financeiros? 

É possível dividir os investimentos de diversas maneiras. Há quem divida por prazo (investimento de curto, médio ou longo prazo), mas o mais comum é separar por modalidade de risco. 

Basicamente, existem dois grandes tipos de investimentos: os de renda fixa e os de renda variável. 

Renda fixa: os investimentos de renda fixa têm uma remuneração ou retorno financeiro conhecido no momento da aplicação. Nessa modalidade, o investidor pode saber exatamente quanto vai receber depois do prazo de vencimento ou conhecer qual é o índice que essa aplicação acompanha e, assim, é possível prever mais ou menos como ficará seus ganhos. 

O que é renda fixa? Quando vale a pena investir?| Direto ao Ponto

Renda variável: já nessa modalidade, o investidor não consegue prever seus ganhos, pois a rentabilidade desse tipo de investimento depende de diversos fatores, como a saúde da empresa por trás da aplicação, o momento do mercado, o cenário externo e outros indicadores. 

O que é renda variável? Tem a ver com investir em ações? | Direto ao Ponto

Quais os tipos de investimentos da renda fixa?

Os investimentos em renda fixa podem ser prefixados (quando é possível saber o retorno exato da aplicação antes de investir) ou pós-fixados (quando o rendimento está atrelado a índices da economia). Existe também o tipo híbrido, que funciona como uma mistura do prefixado e do pós-fixado.

Por conseguir mostrar alguma previsibilidade de rendimento, a renda fixa é conhecida como uma porta de entrada para os investidores iniciantes. Abaixo, confira os principais tipos de investimentos de renda fixa. 

Poupança

A poupança é um dos investimentos mais populares do país. Até dezembro de 2022, existiam mais de 240 milhões de contas com quase R$ 1 trilhão aplicados. Esse produto é isento de Imposto de Renda e não exige um valor mínimo para começar, mas seu rendimento é limitado e muda de acordo com a taxa básica de juros da economia, a Selic.

Conheça aqui como funciona o rendimento da poupança 

Tesouro Direto

O Tesouro Direto é um programa criado pelo Tesouro Nacional para garantir que pessoas físicas possam ter acesso aos títulos públicos. Ao comprar um título público, é como se o investidor emprestasse dinheiro ao Governo para financiar a dívida pública. Ou seja, a pessoa se torna credora e, depois de um prazo, recebe juros por isso. 

Existem diferentes títulos públicos, com diferentes prazos e rendimentos, que podem ser prefixados ou acompanhar indicadores importantes da economia, como a inflação (IPCA) e os juros (Selic). Entenda aqui quais são eles.

CDB

Outro tipo de investimento muito popular da renda fixa, o CDB (Certificado de Depósito Bancário) também é um título de dívida, mas quem compra esse produto vira credor de bancos – que são as únicas instituições que emitem esse tipo de título.

O rendimento do CDB também pode ser conhecido no momento da aplicação ou seguir algum indicador da economia. Conheça os tipos de CDBs aqui.

LCI e LCA

Esses tipos de investimentos caminham lado a lado porque funcionam de forma parecida. A LCI (Letra de Crédito Imobiliário) e a LCA (Letra de Crédito do Agronegócio) também são emitidas apenas por instituições financeiras, mas têm destinos específicos. 

Ao comprar esses títulos, o investidor também está emprestando dinheiro à instituição bancária, mas esses recursos só podem ser usados para financiar os setores imobiliários, no caso da LCI, e do agronegócio, no caso da LCA. 

Entenda tudo sobre a LCI e a LCA aqui

CRI e CRA

Os CRIs (Certificados de Recebíveis Imobiliários) e os CRAs (Certificados de Recebíveis do Agronegócio) são tipos de investimentos parecidos com as LCIs e LCAs. Ou seja, o dinheiro desses títulos só pode ser usado para financiar os setores imobiliário e do agronegócio. 

Mas quem emite os CRIs e CRAs não são instituições financeiras, e sim companhias securitizadoras. Além disso, diferentemente das letras de crédito, os certificados têm isenção de Imposto de Renda. 

Entenda em detalhes como funcionam os CRIs e CRAs

LC

As LCs (Letras de Câmbio) são tipos de investimento da renda fixa emitidos por financeiras. Ao comprar esses títulos, o investidor empresta dinheiro a essas financeiras e elas só podem usar esses recursos para fazer empréstimos a outras pessoas e empresas. A remuneração desse tipo de investimento também pode ser prefixada ou pós-fixada

Diferentemente dos CDBs, LCAs e LCIs, o investimento inicial das Letras de Câmbio costumam ser mais altos (acima de R$ 1 mil, R$ 5 mil ou até mesmo R$ 10 mil), e o resgate só pode ser feito no prazo de vencimento, que costuma ser longo e pode variar de um a cinco anos, por exemplo.

Debêntures

Debêntures são títulos de dívidas, de médio e longo prazos, emitidos por empresas para financiar projetos, aumentar capital, reestruturar dívidas, entre outras finalidades. Para elas, é mais vantajoso emitir esse título do que, por exemplo, contratar empréstimos com instituições financeiras – é uma captação mais rápida e, às vezes, mais barata.  

Existem as debêntures "normais", que podem ser emitidas por qualquer empresa, e as "incentivadas", que são emitidas por companhias que investem em obras públicas, como dos setores de eletricidade e rodovias, por exemplo. A diferença entre as duas é que as debêntures incentivadas têm isenção de Imposto de Renda.

Saiba detalhes sobre esse tipo de investimento

LF

Letras Financeiras são emitidas por instituições financeiras que buscam recursos de longo prazo. Esse tipo de investimento é voltado para quem tem maior renda, pois o investimento mínimo é acima de R$ 50 mil e não é possível resgatar antes do prazo de vencimento, que é de, no mínimo, dois anos.

Quais são os tipos de investimentos da renda variável?

Diferentemente da renda fixa, na renda variável os tipos de investimentos oscilam mais e, por isso, têm risco maior – no mundo dos investimentos, mais risco pode significar também mais rentabilidade. Contudo, não é possível garantir esses rendimentos. Além disso, os produtos da renda variável têm dinâmicas e regras muito diferentes entre si. 

Abaixo, confira os principais tipos de investimentos de renda variável.

Ações

Se uma empresa fosse um bolo, as ações das empresas de capital aberto seriam fatias que podem ser compradas por qualquer pessoa interessada em ter um pedaço do doce. Ou seja, comprar uma ação significa virar dono daquele pedacinho da empresa. Ao se tornar sócio, o investidor tem alguns direitos – como receber parte do lucro, quando ele ocorre (dividendos), por exemplo.

Só é possível comprar ações na Bolsa de Valores, por meio de alguma corretora de valores. É possível ganhar dinheiro com ações de várias formas – a mais comum é comprar os papéis por um preço e vender por um valor mais alto. Assim como qualquer tipo de investimento de renda variável, não é possível prever a valorização das ações e nem se de fato ela pode ocorrer. 

Entenda aqui tudo sobre ações antes de investir

BDRs

BDR é a sigla para Brazilian Depositary Receipt, um certificado de depósito emitido e negociado no Brasil que representa ações de empresas listadas em Bolsas de outros países – como na NASDAQ e na NYSE, dos Estados Unidos. Em outras palavras, esses ativos financeiros são recibos de ações de empresas estrangeiras negociados na Bolsa brasileira.

Ou seja, eles funcionam como ações comuns, mas têm algumas diferenças importantes. Saiba aqui detalhes sobre essas diferenças e como os BDRs funcionam.

Fundos de investimentos

Os fundos de investimentos são uma modalidade de aplicação financeira coletiva – isto é, diversas pessoas podem investir em um mesmo fundo. Todos os valores aplicados são administrados por uma gestora e investidos em outros produtos, que variam conforme o tipo do fundo e sua proposta.

Esse fundo é composto por diversos ativos e é gerido por um especialista. E esse profissional toma conta de todo o patrimônio. Esse patrimônio pode estar na forma de ações, imóveis, títulos públicos, entre outros. Existem diversos tipos de fundos: de renda fixa, de ações, cambial, multimercado e ouro, para ficar em alguns exemplos. 

Conheça aqui tudo sobre os fundos de investimentos

Fundos imobiliários 

Os fundos imobiliários ou FIIs, sigla usada no mercado, são fundos populares e são conhecidos como o primeiro investimento de renda variável de um investidor iniciante. Eles funcionam como outros fundos de investimento: reúnem pessoas interessadas em investir e têm gestores responsáveis por controlar e gerenciar onde o dinheiro será aplicado. 

A diferença aqui é que esses gestores investem apenas em ativos do setor imobiliário, sejam os empreendimentos imobiliários em si ou aplicações financeiras ligadas a esse mercado. Existem vários tipos de fundos imobiliários. Aqui, você entende quais são eles e como funcionam.

ETFs 

ETF é a sigla em inglês para Exchange Traded Fund, que pode ser traduzida para fundo negociado em bolsa. Basicamente, ETF é um fundo que tem como referência algum índice da bolsa de valores – como o Ibovespa, por exemplo. 

Portanto, os ETFs nada mais são do que cestas cheias de ações, mas estas cestas copiam o desempenho de um índice. Existem tanto ETFs que seguem índices de ações bem como ETFs de renda fixa.

Aqui, você entende tudo sobre ETFs

Quais são os tipos de investimentos mais seguros? 

No mundo dos investimentos, a segurança pode ser um termo relativo, individual e que depende do perfil do investidor. Contudo, em linhas gerais, os investimentos de renda fixa são considerados mais seguros do que os de renda variável. Isso porque eles oscilam menos e conseguem dar uma previsibilidade de rendimento.  

E, dentro da renda fixa, há tipos de investimentos que são considerados mais seguros do que outros, como é o caso dos títulos do Tesouro Direto, que têm rentabilidade garantida pelo Tesouro Nacional. 

Qual o melhor tipo de investimento?

Não existe uma resposta certa para essa pergunta. É que ela depende do perfil do investidor (ou seja, o apetite dele ao risco), dos objetivos que ele tem e o valor disponível para o investimento. Em outras palavras, o melhor investimento para uma pessoa pode ser bem diferente de outra. 

Confira aqui 6 dicas para começar a investir

Como escolher um tipo de investimento? 

Escolher um produto financeiro entre tantos pode ser uma tarefa difícil, mas se o investidor conhecer bem o seu próprio perfil e os seus objetivos, ele consegue reduzir as opções em que pode aplicar. Abaixo, confira o passo a passo para escolher um tipo de investimento: 

Entenda o seu apetite ao risco

Ou seja, o quanto você suporta perder dinheiro ao longo do processo. Basicamente, existem três tipos de perfil de investidor – o conservador, moderado e arrojado. Entenda aqui cada um deles

Defina objetivos

Depois de saber o seu perfil, desenhe suas metas. O que você quer fazer com a possível rentabilidade desse ativo? Isso faz muita diferença na hora de escolher um tipo de investimento. Por exemplo: se a ideia é comprar sua casa daqui a cinco anos, não faz sentido aplicar num produto que tem muito risco de perda, ou em um ativo cujo resgate só pode ser feito em dez anos, por exemplo. Conheça aqui um método para definir metas.

Entenda quanto você tem para investir

Há tipos de investimentos em que é possível aplicar a partir de R$ 1 (um real) e aqueles cuja aplicação inicial é de R$ 50 mil. Entender quanto você pode investir também ajuda a escolher o produto correto para começar.

Conheça o que está por trás de cada investimento

Depois de fazer uma grande peneira com base no seu perfil, objetivos e valores disponíveis para começar, é hora de entender o que está por trás dos ativos que ainda estão diante de você. Quais são as empresas e os papéis que fazem parte desse investimento? Como eles funcionam? Qual a saúde financeira dessas companhias? Você gosta dos produtos que essa empresa vende? Você concorda com a missão dela e conhece os impactos que ela provoca no planeta e na sociedade?

Esses passos são essenciais para qualquer pessoa começar a investir e mesmo para aqueles que já investem, e que precisam revisitar sua carteira de investimentos. 

Leia também 

Como investir em 2023? 6 dicas para se planejar e começar

Onde investir em 2023? Há opções para todos os perfis e bolsos

Aplicações financeiras: quais são as melhores para investir?

Este conteúdo faz parte da missão do Nubank de devolver às pessoas o controle sobre a sua vida financeira. Ainda não conhece o Nubank? Saiba mais sobre nossos produtos e a nossa história.

Navegue