Complete abaixo para pedir sua NuConta e seu cartão de crédito

Precisamos seu nome completo. Precisamos seu nome completo.
Precisamos do seu CPF Precisamos de um CPF válido
Precisamos do seu e-mail. Aqui precisamos de um email válido.
Ops. Está diferente do campo acima.
Para prosseguir, você deve concordar com as políticas de privacidade.

Início Seu Dinheiro Como se planejar para pa...

Como se planejar para pagar um empréstimo pessoal

5 dicas simples para controlar as finanças e não deixar a dívida virar uma bola de neve.

Para que serve o empréstimo pessoal? Essa é a pergunta que todo mundo deve se fazer antes de pegar dinheiro emprestado em qualquer instituição.

Entender a necessidade do dinheiro é o primeiro passo para conseguir planejar o pagamento.

Hoje, o pagamento de dívidas é o principal motivo que leva os brasileiros a pedir um empréstimo pessoal ou consignado. Os dados são de uma pesquisa do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e mostram que o dinheiro geralmente vai para faturas atrasadas do cartão de crédito, prestações de lojas e empréstimos anteriores.

Seja para quitar pendências ou realizar sonhos, o dinheiro do empréstimo tem um custo – e ele aparece, principalmente, na forma dos juros.

Todos empréstimo é, portanto, uma dívida em si – e, para evitar que ela saia do controle, é fundamental se planejar com cuidado para fazer o pagamento.

1. Faça uma lista detalhada de todos os seus gastos atuais

O ideal é fazer isso antes de pedir um empréstimo – mas se você já recebeu o dinheiro, nunca é tarde para começar. Detalhe todos os seus gastos:

  • Custos fixos, como aluguel, impostos, contas, transporte, alimentação, mensalidades de escolas, cursos e academias…
  • Gastos que podem variar, como lazer.
  • Não se esqueça de incluir o pagamento de dívidas já contraídas, como parcelas e financiamentos.

Compare a sua renda mensal com a soma de todos os custos acima para entender como andam as suas finanças. Sobra dinheiro no fim do mês? Quanto?

2. Tente renegociar dívidas

O consumidor que está devendo para o banco, operadora do cartão ou para qualquer outro estabelecimento pode (e deve) procurar a instituição e tentar negociar os valores.

É  do interesse de todos os envolvidos chegar a um acordo para o pagamento. Em alguns casos, com novos prazos e taxas, é possível quitar a dívida sem recorrer a um empréstimo com outra instituição.

Por outro lado, pode ser que as taxas de juros cobradas na dívida inicial sejam muito mais altas do que as pagas no empréstimo – ou as condições de pagamento não se encaixem no bolso do consumidor.

Nesses casos, é preciso fazer as contas do que compensa mais: manter as dívidas atuais ou quitar elas com um novo empréstimo  – o que nos leva ao próximo item.

3. Calcule o valor das parcelas e custo total do empréstimo

Quem busca um empréstimo pessoal costuma comparar apenas as taxas de juros na hora de decidir qual é o melhor – mas esse é um erro que pode custar caro.

O valor total que o cliente terá que pagar no final vai além dos juros: ele pode incluir uma série de taxas e tarifas – como seguros.

Para saber quanto você realmente vai pagar é preciso consultar o Custo Efetivo Total (CET) do empréstimo – que inclui todos os encargos e despesas envolvidos.

Além disso, é muito importante entender as condições de pagamento – como, por exemplo, o número de parcelas, os valores de multa em caso de atraso e se é possível antecipar.

4.- Entenda, exatamente, para onde vai o dinheiro do empréstimo.

Muitas vezes, o planejamento financeiro já revela áreas do dia a dia em que é possível cortar ou reduzir os gastos. O dinheiro economizado nessas mudanças já não seria suficiente? É preciso recorrer a uma fonte externa?

Se sim, programe seus pagamentos para usar o valor emprestado exatamente para aquela finalidade – assim, há menos riscos de desviar o recurso para outras áreas e acabar se perdendo.

Por exemplo: o dinheiro vai ser usado para pagar uma viagem, ou quitar uma fatura em atraso do cartão? Então não misture esse valor com os pagamentos do dia a dia.

5. Priorize os pagamentos

O ideal é que todos os seus custos caibam no orçamento do mês – e isso inclui as parcelas do empréstimo. No entanto, imprevistos acontecem e, nesses casos, é importante conseguir priorizar os pagamentos para minimizar as multas e juros de atraso.

Para isso, é fundamental conhecer os custos de cada uma das dívidas – e, sempre que possível, lembre-se do item 2: negocie o que puder com as instituições.

E lembre-se: leia com atenção todos os contratos e tire todas as suas dúvidas antes de pegar um empréstimo. Com alguns cuidados, é possível encontrar uma solução que funcione para o seu bolso.

Este conteúdo faz parte da missão do Nubank de devolver às pessoas o controle sobre a sua vida financeira. Ainda não conhece o Nubank? Saiba mais sobre nossos produtos e a nossa história aqui.

Digite seu nome

Quero receber a newsletter