Pedir Conta e
Cartão de Crédito

em menos de 1 minuto
e grátis

Precisamos seu nome completo. Precisamos seu nome completo.
Precisamos do seu CPF Precisamos de um CPF válido
Precisamos do seu e-mail. Aqui precisamos de um email válido.
Ops. Está diferente do campo acima.
Para prosseguir, você deve concordar com as políticas de privacidade.

Complete os campos ao lado para pedir sua Conta e Cartão de crédito

Agora complete abaixo para pedir sua conta e cartão de crédito

Precisamos de um CPF válido
Precisamos seu nome completo. Precisamos seu nome completo.
Precisamos do seu e-mail. Precisamos de um email válido.
Ops. Está diferente do campo acima.
Para prosseguir, você deve concordar com as políticas de privacidade.

Início Investimentos Rendimento de ações: com...

Rendimento de ações: como funciona?

Uma das formas de ganhar dinheiro investindo em ações é com sua valorização no mercado. Mas como saber se uma ação está indo bem?



Investir em ações significa ver o valor delas subir e descer com frequência. Existem muitas causas para as oscilações no mercado financeiro: as notícias políticas e econômicas no Brasil e no mundo, índices da economia, resultados das empresas e outras situações impactam diretamente a Bolsa de Valores e o rendimento das ações.

É comum que investidores tenham dúvidas antes de escolher um investimento. Por isso, estudar o mercado é um dos primeiros passos para entender como funciona o rendimento de ações, as possibilidades de ganhos e os riscos.

Por serem investimentos de renda variável (quando não é possível saber quanto o dinheiro irá render), investir em ações costuma ter mais riscos, e também maior chance de rentabilidade. E entender essa rentabilidade é essencial para compreender seu rendimento. 

Como uma ação se valoriza? 

Para entender isso, é necessário saber como o preço de uma ação é formado. Além de depender da situação do mercado, da empresa e índices da economia, essa definição segue muito a lógica da oferta e demanda: quanto mais pessoas interessadas em comprar uma ação, mais ela tende a se valorizar (e, por consequência, subir de preço).

O processo contrário também ocorre – quando há menos gente interessada em comprar a ação de uma determinada empresa, seu preço tende a cair. 

O preço de uma ação é definido em dois momentos principais:

  • Quando uma empresa faz IPO (Oferta Pública Inicial) na Bolsa de Valores, ou seja, quando estreia na Bolsa e oferece ações ao público pela primeira vez; 
  • E no dia a dia do mercado, quando as ações são negociadas diretamente entre investidores – neste caso, o preço oscila de acordo com diversos fatores do mercado.

Essa oscilação no preço das ações, chamada de volatilidade, acontece de forma constante. O sobe e desce é influenciado por uma série de questões, que vão desde o desempenho financeiro da empresa até acontecimentos na política nacional e internacional – e que, por sua vez, acabam afetando a demanda dos investidores por essas ações. 

“Então se uma ação vem se valorizando é porque ela vale a pena?”

Não necessariamente. Retornos passados não garantem lucros no futuro. Se uma ação foi bem até agora, não significa que seu resultado no futuro será o mesmo. E o mesmo pode acontecer com uma ação que está em baixa – ela pode continuar com performance ruim, ou pode subir, dependendo de uma série de fatores.

Como calcular a rentabilidade das ações?

A rentabilidade de um investimento é a porcentagem do valor que retorna ao investidor em cima da quantia que ele investiu. Ou seja, o valor que o investidor irá ganhar (ou perder). E, para ações, é a mesma coisa. 

Por exemplo, se você investiu determinado valor em uma ação e a vendeu tempos depois por um valor maior que o inicial, isso significa que teve rentabilidade positiva acima do valor aplicado no início. 

Caso escolha não vender a ação e deixe o investimento aplicado rendendo na carteira, a rentabilidade será com base no longo prazo daquela aplicação. 

Para estimar qual vai ser a rentabilidade de ativos de renda variável, é necessário considerar fatores de riscos como: inflação, índice Ibovespa (o principal índice de desempenho das ações), tipo da ação e principalmente a volatilidade.

A rentabilidade de uma ação vai ser calculada conforme a variação do preço, ou seja, a valorização ou desvalorização dela no período. Então, é preciso ir acompanhando o preço da ação na Bolsa para poder calcular a rentabilidade dela, em comparação com o preço em que ela foi comprada. 

E, como as ações são um investimento de alto risco, é possível que a rentabilidade seja negativa, ou seja, o preço da ação hoje é menor do que o preço em que ela foi comprada.

Tipos de rentabilidade de ações

Para calcular a rentabilidade de uma ação, é necessário levar em consideração a variação do preço, ou seja, a valorização ou desvalorização dela no período.

Existem algumas classificações de rentabilidade:

  • Real: é descontada a inflação do período na porcentagem de retorno ao investidor;
  • Nominal: é o valor bruto da aplicação sem descontar a inflação;
  • Anual e mensal: é a porcentagem da ação que rendeu no ano. Normalmente, a rentabilidade em investimentos de longo prazo costuma ser menos volátil. Na rentabilidade de ações com rendimentos mensais e de curto prazo, é importante considerar os riscos e as oscilações do mercado no período.

Além disso, a rentabilidade também pode ser classificada como bruta ou líquida. No primeiro caso, não são considerados impostos ou taxas em cima do cálculo. Já a líquida é o valor direto com as taxas descontadas – em outras palavras, o valor real que será recebido.

Existem também tipos de ações que pagam uma parcela dos seus lucros para quem as compra. Além de ser recompensado pela valorização desses ativos, é possível receber parte dos lucros da empresa – no formato de bonificações e de pagamento de dividendos

O que é rentabilidade e como calculá-la 

Investir em ações envolve riscos

Importante: ações são consideradas um investimento de alto risco. Uma das recomendações é fazer esse investimento depois da construção de uma reserva de emergência – que pode ficar em aplicações consideradas mais seguras e com alta liquidez.

Além disso, quem pretende investir em ações também precisa entender o seu perfil de investidor. As corretoras de valores aplicam um teste para identificar esse perfil, e sempre indicam se um investimento é adequado ou não para seu perfil.

Finalmente: para quem ainda não sabe nadar, é melhor ficar no raso. Na hora de começar a investir em ações, começar com quantias pequenas pode ser um bom caminho. Com isso, dá para ir aprendendo e entendendo melhor os riscos sem arriscar sua saúde financeira.

Este conteúdo faz parte da missão do Nubank de devolver às pessoas o controle sobre a sua vida financeira. Ainda não conhece o Nubank? Saiba mais sobre nossos produtos e a nossa história aqui.

4.14

Esse artigo foi útil? Avalie

Obrigado pela avaliação

Você já votou neste post