Pedir Conta e
Cartão de Crédito

em menos de 1 minuto
e grátis

Precisamos seu nome completo. Precisamos seu nome completo.
Precisamos do seu CPF Precisamos de um CPF válido
Precisamos do seu e-mail. Aqui precisamos de um email válido.
Ops. Está diferente do campo acima.
Para prosseguir, você deve concordar com as políticas de privacidade.

Início Investimentos CDB ou poupança: como es...

CDB ou poupança: como escolher na hora de investir?

Muitos brasileiros estão deixando a poupança para trás ao descobrir aplicações financeiras mais rentáveis. Antes de optar por um ou pelo outro, é preciso entender bem como funcionam os rendimentos do CDB e da poupança.



Quem não quer fazer o suado dinheiro, tão difícil de  ganhar, render mais? Para isso, é preciso fazer escolhas, definindo o investimento que mais se encaixa nos seus objetivos e perfil de investidor. Uma das dúvidas mais comuns para quem vai fazer uma aplicação é decidir entre CDB ou poupança

A primeira coisa para chegar a resposta é entender que poupar é diferente de investir. Poupar significa economizar. E investir significa fazer as suas economias renderem. 

Ganhe controle sobre suas finanças: assine nossa newsletter para receber conteúdo exclusivo.

Guardar dinheiro na poupança foi uma alternativa quando o acesso a serviços financeiros (como os investimentos) era mais complicado. Hoje, o que existe é uma enorme variedade de produtos que podem ser  mais rentáveis que a poupança e tão seguros quanto ela. Uma dessas opções são os CDBs (Certificados de Depósito Bancário).

Abaixo, você encontra todas as informações necessárias para escolher entre CDB ou poupança.

O que é poupança?

Velha conhecida (sim, ela existe desde 1861), a poupança é um tipo de conta bancária que costuma ser a porta de entrada dos brasileiros para as aplicações financeiras. 

A poupança é um investimento seguro, com total liquidez e risco quase zero, que permite que os saques sejam realizados a qualquer momento. É usada para guardar e poupar dinheiro. 

Todos os bancos brasileiros são obrigados, por lei, a não cobrar nenhuma taxa para que a conta poupança seja aberta ou mantida, e sua rentabilidade é a mesma em todas as instituições financeiras que a oferecem. Mesmo que seu rendimento deixe muito a desejar, mais de 70% das pessoas ainda utilizam a poupança no Brasil. 

Um dos motivos que explica a popularidade da poupança é a segurança que ela oferece. Apesar de segura, está longe de ser a melhor opção no que diz respeito a retorno. Continue a leitura para entender o porquê.

Quanto rende a poupança?

O rendimento da poupança está atrelado a duas taxas do mercado brasileiro: a Taxa Selic e a Taxa Referencial (TR). 

Em maio de 2012, novas regras de rentabilidade da poupança foram estabelecidas:

1 – Depósitos feitos até 03 de maio de 2012 são chamados de “poupança antiga”.

2 – Depósitos feitos a partir de 4 de maio de 2012 são chamados de “poupança nova” e obedecem aos seguintes critérios para pessoa física:

  • Quando a Selic for superior a 8,5% ao ano, a poupança renderá 0,5% ao mês + TR. 
  • Quando a Selic for igual ou inferior a 8,5% ao ano, a poupança renderá 70% da Selic + TR. 

A chamada “poupança antiga” rende 0,5% ao mês + TR em qualquer cenário. 

Data de aniversário

Na poupança, o rendimento é recebido a cada 30 dias para pessoa física (ela leva o mês inteiro para render), quando os depósitos fazem “mêsversário”. Se alguma quantia for retirada antes da data de aniversário, você recebe o rendimento do menor saldo do período.

Por exemplo: se você fez um depósito na poupança em 25/10, o pagamento de juros acontecerá em 25/11, 25/12 etc. Ou seja, se você sacar a sua aplicação no dia 24/10, não vai receber juros nenhum. Se depositar quantias em datas diferentes, essas aplicações renderão separadamente, e os juros serão pagos em datas distintas.

Caso o depósito aconteça em dias que não se repetem todos os meses, como os dias 29, 30 e 31, a data considerada será o primeiro dia do mês seguinte. 

O que é CDB?

O CDB é um tipo de investimento de renda fixa, modalidade considerada o “porto seguro” de investidores de primeira viagem.

Ao investir em CDB, quem empresta dinheiro para o banco em troca de juros é você. Quando o banco precisa captar dinheiro para financiar suas próprias atividades, ele lança títulos (os CDBs) com valores, vencimentos e taxas estipuladas antecipadamente. Na prática, ele te devolve esse empréstimo lá na frente, na data de vencimento do título, e o seu dinheiro é acrescido de juros, ou seja, lucro.  

Alguns CDBs podem ser resgatados a qualquer momento, como os CDBs com liquidez diária, e outros possuem um prazo determinado. Neste caso, você só pode resgatar seu dinheiro após esse período.

Fica a dica: o ideal é não resgatar o CDB antes de 30 dias para não pagar IOF e levar o investimento até a data de vencimento.

Diferente da poupança, que é isenta de Imposto de Renda (IR), a tributação do CDB segue a tabela regressiva de IR, que varia de 22,5% a 15%. Isso significa que quanto mais tempo você ficar com o investimento, menor será a taxa.

É muito importante entender que o Imposto de Renda incide apenas sobre os lucros. Por exemplo, se você investiu R$ 1 mil e resgatou R$ 1.500, o IR incidirá sobre os R$ 500.

Quanto rende o CDB?

Por ser um investimento de renda fixa, o CDB já dá uma previsibilidade de retorno antes mesmo da aplicação.

Ao investir em CDB, existem condições importantes para ficar de olho: o prazo e a taxa de juros que esse título vai pagar. Os juros, por sua vez, são calculados de acordo com o tipo da rentabilidade escolhida. São 3 tipos:

Prefixada: remuneração previamente fixada. Faça chuva ou faça sol, você vai ganhar a rentabilidade combinada levando o título até o vencimento. É indicada para cenários em que a expectativa é de queda da taxa de juros.

Pós-fixada: você só saberá quanto vai ganhar lá no fim do investimento, na hora do resgate. É atrelada a um indexador de referência, como por exemplo o CDI – que rende algo próximo à taxa Selic. Existem no mercado CDBs que rendem 90% do CDI, 100% do CDI, 105% do CDI e por aí vai. Não se sabe quanto vai ganhar, mas se sabe o que vai ganhar. É indicada para cenários em que a expectativa é de subida da taxa de juros.

Híbrida (mista): é uma mistura que combina características da prefixada e da pós-fixada. Exemplo: CDB que rende 3% ao ano (prefixada) + IPCA (pós-fixada). Te protege dos dois cenários.

Conclusão: um CDB com rentabilidade de 100% do CDI, por exemplo, pode ser considerado um investimento mais interessante do que a poupança que paga apenas 70% da Selic. Confira os detalhes abaixo.

CDB ou poupança, qual rende mais?

Antes de mais nada, você precisa saber que existem vários CDBs com diferentes percentuais do CDI (rentabilidade pós-fixada), com taxas fixas ao ano (rentabilidade prefixada) e atrelados à inflação (rentabilidade híbrida). Cada banco determina a rentabilidade do título. Por isso, não dá para cravar a rentabilidade de um CDB. Já a conta poupança rende igual em todos os bancos. 

Exemplo de simulação: investindo R$ 500 (quinhentos reais) em um CDB com prazo de 2 anos e que rende 100% do CDI, por exemplo, no fim do período o retorno de valor líquido estimado será de R$ 589. Ou seja, os R$ 500 investidos no começo mais o rendimento de R$ 89, já com IR descontado. 

Importante lembrar que todo CDB tem cobrança de Imposto de Renda direto na fonte no momento do resgate ou vencimento da aplicação. A poupança é isenta de IR.

Na poupança, considerando o mesmo prazo e o mesmo valor inicial investido de R$ 500, no fim do período o retorno estimado será de R$ 563. Ou seja, os R$ 500 investidos no começo mais o rendimento de R$ 63.

Atenção: os valores apresentados no exemplo de simulação acima são aproximados e suscetíveis a variações de mercado. Consideramos as taxas vigentes no dia da criação deste texto. Isso significa que as contas podem não ter mais os mesmos resultados daqui a um tempo, devido às mudanças das taxas Selic e CDI. No mundo dos investimentos, rentabilidade passada não representa garantia de rentabilidade futura.

Segundo o analista de investimentos da NuInvest, Eduardo Perez, a forma atual de rentabilidade da poupança, mesmo com isenção do imposto de renda sobre o lucro, foi feita para que a sua correção, isto é, o cálculo do rendimento no período, seja menor do as próprias taxas Selic e CDI. “Sendo assim, o investidor consegue melhores retornos em um CDB que remunere pelo menos 100% do CDI, já que o nível de risco de crédito, conhecido também como risco de calote, é o mesmo entre os dois produtos de uma mesma instituição”, explica. 

Vale lembrar que o principal risco do CDB ou poupança está relacionado ao banco emissor. Ou seja, quanto mais sólido for o banco que emitiu o CDB, menor o risco do produto. É importante destacar que tanto a poupança quanto o CDB são garantidos pelo Fundo Garantidor de Créditos (FGC). Saiba mais sobre o FGC logo abaixo.

Simulador de Investimentos

O simulador da NuInvest é uma ferramenta que ajuda a comparar a rentabilidade de alguns investimentos em renda fixa, como Tesouro Direto, CDB, LC (Letra de Câmbio), LCI (Letra de Crédito Imobiliário) e LCA (Letra de Crédito do Agronegócio) em relação à poupança. 

Os investimentos em CDB, LC, LCI e LCA contam com a garantia do FGC – Fundo Garantidor de Créditos. Já o Tesouro Direto é 100% garantido pelo Tesouro Nacional.

Para investir, é muito importante saber qual é o seu perfil de investidor e os seus objetivos. Isso fará toda a diferença na sua jornada.

Segurança do FGC: uma vantagem em comum

Não importa se você vai investir em CDB ou poupança. Em ambos os casos terá garantia do Fundo Garantidor de Créditos (FGC). Ele é uma espécie de “seguro” do investidor e entra em ação em caso de falência do banco emissor do CDB, por exemplo.

O valor total coberto pelo FGC é de até R$ 250 mil por CPF e por instituição financeira, com um limite de R$ 1 milhão por CPF renovado a cada período de quatro anos.

Veja quais são os investimentos garantidos pelo FGC

Resumo: CDB ou poupança

Na tabela abaixo, você pode observar de forma resumida as principais características dos dois produtos:

CDBPoupança
Rende todos os dias Rende após um mês
Garantia do FGCGarantia do FGC
Não é padronizado, existem vários tiposÉ igual em qualquer banco
Tem cobrança de IR sobre os rendimentosNão tem cobrança de IR
Retorno maior que o da poupança Retorno de até 70% da Selic
Liquidez diária ou no vencimentoLiquidez imediata

Poupança x Inflação

A inflação indica o aumento generalizado ou contínuo dos preços de uma série de categorias de bens e serviços importantes no dia a dia das pessoas. Um dos meios utilizados pelo governo para combater a inflação é aumentar os juros. Porém, o impacto do aumento da Selic na remuneração da poupança é bem baixo.

Desde 2019, a poupança vem perdendo para a inflação. Em outras palavras, a poupança vem rendendo menos que o valor da inflação. Portanto, se você descontar a inflação do rendimento da poupança, terá um retorno real negativo.

O principal indicador oficial de inflação no Brasil é o IPCA (Índice de Preços para o Consumidor Amplo). Ele indica quanto seu dinheiro se desvalorizou de um mês para outro. Ou seja, a inflação tem um efeito corrosivo: o que você comprava antes com determinada quantia, não consegue comprar mais hoje. 

Para fugir disso, você precisa optar, no mínimo, por alguma aplicação que supere as perdas provocadas pela inflação.

Leia também:

4 motivos para tirar seu dinheiro da poupança

CDB no Nubank: como funciona?

Reserva de emergência: por que ela é importante e como criar a sua

Este conteúdo faz parte da missão do Nubank de devolver às pessoas o controle sobre a sua vida financeira. Ainda não conhece o Nubank? Saiba mais sobre nossos produtos e a nossa história.

3.88

Esse artigo foi útil? Avalie

Obrigado pela avaliação

Você já votou neste post