Complete abaixo para pedir sua NuConta e seu cartão de crédito

Precisamos seu nome completo. Precisamos seu nome completo.
Precisamos do seu CPF Precisamos de um CPF válido
Precisamos do seu e-mail. Aqui precisamos de um email válido.
Ops. Está diferente do campo acima.
Para prosseguir, você deve concordar com as políticas de privacidade.

Consumo consciente: o que é e por que você deve se importar?

Seriam necessárias 4,3 terras para sustentar o estilo de vida da população mundial em 2050. Entenda como consumir de forma consciente pode ajudar a reverter esse cenário.

Comprar é bom. As pessoas se sentem mais felizes e mais confiantes, como mostra essa pesquisa do Havas Group. Comprar sem pensar nas consequências, entretanto, pode ser perigoso, por isso é necessário falar sobre consumo consciente – algo que vai muito além de consumir com planejamento.

Mas o que é consumo consciente?

Se, ao ouvir falar sobre consumo consciente, você imagina uma pessoa com extremo autocontrole, que se planeja e compra apenas o necessário, saiba que essa é uma visão comum – mas não totalmente correta. 

Segundo a pesquisa Consumo Consciente, realizada em 2018 pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), 41% dos entrevistados associam esse comportamento com atitudes que evitam principalmente o desperdício e as compras desnecessárias.

É importante entender, entretanto, que consumo consciente vai muito além disso, impactando tanto as finanças pessoais quanto questões ambientais e sociais.

Como assim? 

De acordo com o SPC Brasil e a CNDL, consumo consciente é “o ato de considerar, durante o processo de compra de um produto [ou serviço], o equilíbrio entre a satisfação pessoal, as possibilidades ambientais, os impactos de longo prazo e os efeitos sociais e financeiros da decisão”. 

Isso significa, do ponto de vista de consumo consciente, que comprar vai muito além de pagar por algo e ganhar sua propriedade – passa por entender toda a cadeia de consumo e produção que existe por trás de uma aquisição:

  • A escolha e extração da matéria-prima pelo fabricante;
  • A instalação de uma indústria ou de um centro de compras e seus impactos;
  • O regime de trabalho imposto pela empresa e as condições de produção;
  • Os desdobramentos ambientais, econômicos e sociais provocados pelo uso final do item comprado….

São diversos fatores que podem contribuir para tornar uma compra mais (ou menos) consciente.

Entendi. E quais comportamentos são considerados conscientes?

O estudo Panorama do Consumo Consciente no Brasil: desafios, barreiras e motivações, realizado em 2018 pelo Instituto Akatu, elencou 13 comportamentos conscientes:

  1. Evitar deixar lâmpadas acesas em ambientes desocupados;
  2. Fechar a torneira enquanto escova os dentes;
  3. Desligar aparelho eletrônico quando não está usando;
  4. Esperar os alimentos esfriarem antes de guardar na geladeira;
  5. Planejar as compras de alimentos;
  6. Planejar as compras de roupas;
  7. Pedir nota fiscal quando vai às compras, mesmo que o fornecedor não ofereça espontaneamente;
  8. Ler atentamente os rótulos antes de comprar um produto;
  9. Usar também o verso das folhas de papel, quando possível;
  10. Separar o lixo de casa para reciclagem, mesmo que não haja coleta seletiva;
  11. Passar ao maior número possível de pessoas as informações que aprende sobre empresas e produtos;
  12. Comprar produtos feitos com material reciclado;
  13. Comprar produtos orgânicos.

Podem parecer atitudes pequenas, mas elas indicam como uma pessoa se relaciona com o consumo e como ela vê os impactos de suas ações na sociedade.

A partir desses comportamentos, por exemplo, o estudo classificou os entrevistados em quatro níveis de consciência.

Nível de consciência? O que isso significa? Em qual estágio eu estou?

Com base na quantidade de comportamentos que o entrevistado declarou “adotar sempre” ou “ter realizado nos últimos seis meses”, eles foram classificados em:

  • Indiferente (0 a 4 comportamentos): aquela pessoa para quem a questão financeira ainda é o principal fator para adotar atitudes conscientes (ela apaga as lâmpadas para economizar, por exemplo, não porque isso impacta o ambiente);
  • Iniciante (5 a 7): além das atitudes em casa, essa pessoa também planeja suas compras como uma forma de economizar;
  • Engajado (8 a 10): para ela, as práticas sustentáveis incluem o planejamento de compras de roupas e de alimentos, incluindo saber mais sobre os produtos e como destinar o próprio lixo;
  • Consciente (11 a 13): a pessoa que não só tem atitudes conscientes, mas também defende e compartilha ações que beneficiam questões sociais e ambientais (como recomendar marcas socialmente responsáveis).

Para saber seu nível de consciência, basta ver quantos comportamentos são parte do seu dia a dia e comparar com a classificação acima.

Por que é importante falar sobre consumo consciente?

Não é natural pensar sobre as consequências do consumo, mas é importante parar para refletir sobre isso. Afinal, os impactos vão muito além daqueles que é possível, literalmente, ver – como a água indo embora pelo ralo ou a conta de energia no final do mês.

No livro Hidden Impact (Impacto oculto, em tradução livre), a designer e pesquisadora holandesa Babette Porcelijn mostra que o maior impacto ambiental não é causado pelos carros ou pelo ar-condicionado das casas, por exemplo, mas por produtos que as pessoas consomem – como roupas, eletrônicos e alimentos.

Segundo Babette, em países como Holanda e Estados Unidos, apenas pouco mais  de um quarto da “pegada ecológica” (ou seja, as consequências ambientais de uma ação) de cada pessoa é perceptível no dia a dia.

Todo o resto está embutido no ciclo de vida de produtos e serviços, passando pela extração de matérias-primas, produção, transporte dos produtos, até o descarte.

Por exemplo, é mais fácil pensar sobre a energia gasta para carregar um celular, mas ainda é algo distante refletir sobre tudo o que está por trás da existência deste pequeno aparelho – como as consequências da mineração dos metais necessários para produzi-lo ou a enorme quantidade de água utilizada nesse processo. 

Ainda de acordo com Babette, seriam necessárias 4,3 terras para sustentar o estilo de vida da população mundial em 2050. 

Por conta de todos esses fatores, é essencial falar sobre os impactos do consumo no planeta e como reduzir os danos causados. Consumir de forma consciente é uma das formas. 

Consumo consciente é para todo mundo? 

Quando se fala em consumo consciente, uma dúvida que pode surgir é se este é um movimento para todo mundo. Afinal, só é possível escolher como consumir quando se tem liberdade para tal.

Uma forma de entender essa questão é olhar para alguns números que mostram a realidade brasileira:

  • Em 2018, a renda domiciliar per capita (por pessoa) do Brasil ficou em R$1.373, segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) – sendo que, em alguns estados, este valor cai para menos da metade;
  • A diferença de preço entre produtos orgânicos e convencionais pode superar 270%, de acordo com uma pesquisa de 2015 da Korin;
  • 43% das pessoas terminaram o mês zerados, segundo um estudo do SPC Brasil – e outros 33% não tiveram recursos suficientes para pagar todas as contas.

Ou seja, chega a ser injusto exigir que pessoas que mal têm dinheiro para pagar as próprias contas gastem mais para comprar produtos sustentáveis. A conta simplesmente não fecha.

Em contrapartida, mesmo quem não tem margem de manobra no orçamento pode adotar pequenas mudanças, como planejar as próprias compras e reutilizar produtos e embalagens.

Só é importante considerar que, em um cenário de desigualdade, não dá para esperar que todos os cidadãos adotem todas as práticas de consumo consciente.

Qual a realidade do consumo consciente no Brasil?

Consumo consciente é um assunto cada vez mais falado no Brasil, mas não necessariamente entendido. 

De acordo com o SPC e a CNDL, ainda predomina uma visão mais voltada para a questão financeira: quatro em cada dez pessoas ouvidas (41,4%) entendem consumo consciente como atitudes que evitam principalmente o desperdício e as compras desnecessárias.

É importante lembrar, entretanto, que isso é apenas parte da questão. 

Já 32,1% entende corretamente que se trata de refletir sobre as consequências de uma compra antes de realizá-la, sabendo que o consumo produz impactos sociais, ambientais e econômicos para todo mundo. 

Por último, 13,6% dos entrevistados pensam em consumo consciente como atitudes que têm como foco economizar dinheiro e 10,8% falam em economizar pensando no meio-ambiente.

Apesar de ser um primeiro passo, é preciso ir além.

Mas os brasileiros têm um consumo consciente?

No estudo do SPC e da CNDL, os consumidores tiveram de escolher uma nota de 1 a 10 em relação ao seu comportamento  – sendo 1 “nada consciente” e 10 “muito consciente”. A nota média foi 7,7.

Entretanto, a pesquisa sugere que, sob diversos aspectos, essa auto imagem não corresponde totalmente à realidade: 97,3% dos entrevistados admitem ter dificuldades para a adoção de práticas de consumo consciente.

Por que essa diferença entre expectativa e realidade?

Como a maioria das pessoas relaciona consumir de forma consciente com comprar apenas o necessário, elas se julgam conscientes.

Quando outros fatores são adicionados nesse cálculo, contudo, a realidade é outra.

Segundo o estudo Panorama do Consumo Consciente no Brasil, do Instituto Akatu, 76% dos entrevistados foram classificados como menos conscientes em relação ao consumo.

Ou seja, pensam mais em questões financeiras do que no impacto das ações no mundo – que podem ser muitos.

Quais são as barreiras para o consumo consciente?

Apesar da pesquisa do Instituto Akatu mostrar que os brasileiros desejam seguir um caminho sustentável, existem algumas barreiras para isso.

A principal delas é a necessidade de esforço, sendo apontada por 60% dos entrevistados.

Neste sentido, os principais obstáculos são:

  • Preço alto de produtos sustentáveis; 
  • Necessidade de mais informação sobre impactos ambientais e sociais do consumo;
  • Mudança nos hábitos da família e nos próprios;
  • Dificuldade para encontrar produtos sustentáveis;
  • Ter mais trabalho para levar uma vida consciente.

A segunda barreira principal é a falta de confiança. Segundo os consumidores, não adianta mudar o comportamento se empresas, governo e outras pessoas não fazem sua parte.

Além disso, eles entendem que seria preciso abrir mão de pequenos prazeres para adotar esse estilo de vida – e não estariam necessariamente dispostos a isso.

Como ter um consumo mais consciente?

Para quem quer ter um consumo mais consciente, é preciso estar disposto a refletir mais sobre os próprios hábitos e compras. Além disso, o Instituto Akatu sugere alguns comportamentos:

  1. Planejar as próprias compras;
  2. Avaliar os impactos ambientais e sociais do próprio consumo;
  3. Consumir apenas o necessário;
  4. Reutilizar produtos e embalagens;
  5. Separar o próprio lixo;
  6. Usar crédito de forma consciente para não se endividar;
  7. Conhecer e valorizar práticas de responsabilidade social das empresas;
  8. Não comprar produtos piratas ou contrabandeados;
  9. Divulgar o consumo consciente;
  10. Refletir sobre os próprios valores.

Você tem um consumo consciente?

Os membros da NuCommunity, a comunidade do Nubank, estão comentando por lá como eles lidam com consumo consciente.

O usuário Edvan_Cds, por exemplo, diz que pesquisa bastante antes de fazer uma compra.

Já Marina_Marta_Almeida faz a busca completa: entende o máximo de informações possível sobre os produtos, procedência e fornecedores antes de comprar.

E você, como lida com consumo consciente?

Este conteúdo faz parte da missão do Nubank de devolver às pessoas o controle sobre a sua vida financeira. Ainda não conhece o Nubank? Saiba mais sobre nossos produtos e a nossa história aqui.