Complete abaixo para pedir sua NuConta e seu cartão de crédito

Precisamos seu nome completo. Precisamos seu nome completo.
Precisamos do seu CPF Precisamos de um CPF válido
Precisamos do seu e-mail. Aqui precisamos de um email válido.
Ops. Está diferente do campo acima.
Para prosseguir, você deve concordar com as políticas de privacidade.

Início Seu Dinheiro Organizar as Finanças O consumismo está atrap...

O consumismo está atrapalhando a sua vida?

O ato de comprar de maneira compulsiva coisas que não são necessárias: entenda o que é consumismo e se você está sujeito a ele.

Imagine a cena: você vai ao shopping resolver uma tarefa rápida, mas, antes de sair, vê uma loja com um 50% bem grandão na vitrine. A tentação é alta demais e você acaba entrando. Compra um produto no impulso porque o preço estava bom. Isso é consumismo?

Talvez. Mas não é tão simples assim.

Afinal, o que é consumismo?

Chama-se de consumismo o ato de consumir em excesso ou sem necessidade – uma definição um pouco vaga, já que “em excesso” e “sem necessidade” podem variar de pessoa para pessoa.

Por isso, o consumismo não pode ser entendido a partir de um monte de regras aplicadas a qualquer situação.

O que leva as pessoas ao consumismo?

O consumismo leva uma pessoa a comprar de forma excessiva aquilo que não precisa. Isso pode significar desde produtos de alto valor, como carros e bens de luxo, até itens do cotidiano, como alimentos.

A explicação mais simples? Comprar deixa as pessoas felizes.

pesquisas que associam o ato de comprar à melhora de humor. De acordo com o SPC Brasil, essa é uma grande motivação do consumidor brasileiro: em 2016, 36% dos entrevistados admitiram fazer compras como forma de aliviar o stress e 47,7% afirmaram que a atividade os fazia se sentir bem.

Em uma pesquisa do Havas Group de 2017, mais de 12 mil pessoas de 32 países responderam à pergunta “por que você gosta de comprar coisas”? As principais respostas foram:

  • “Me deixa feliz” (~56%);
  • “Eu mereço” (~34%);
  • “Melhora a minha confiança” (~26,5%).

Agora, a explicação mais complexa? A maneira como nos relacionamos com consumo – e com o próprio ato de comprar – envolve uma gama de influências políticas, sociais e psicológicas.

O consumo como status

Em seu livro Consumidores e Cidadãos, o pesquisador argentino Néstor García Canclini busca entender o que significa consumir. Uma das linhas de estudo citadas defende que o consumo exerce um lugar de “diferenciação e distinção entre as classes e os grupos”. 

Ou seja, há uma construção social de status que estimula a compra de um produto pelo significado atribuído a ele, não pela necessidade. Nas palavras de García Canclini:

“Consumir é participar de um cenário de disputas por aquilo que a sociedade produz e pelos modos de usá-lo.”

É claro que, na maior parte das vezes, aquilo que nos impulsiona a comprar não é tão claro. Compramos porque queremos – mesmo que nem sempre a gente saiba por que quer algo.

Qual o problema do consumismo?

Já falamos no blog sobre a culpa de gastar e como ela prejudica a nossa relação com o dinheiro. Mas a outra ponta desse espectro, o consumismo, é tão (ou mais) problemática.

Segundo a Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic), 64,7% da população brasileira está hoje endividada. Em paralelo, um relatório da SPC Brasil e da CNDL apontou que, em março de 2019, 61% dos entrevistados cederam às compras por impulso.

Olhando para esses dados, não é difícil estabelecer uma relação entre as duas coisas.

Há muitos fatores que explicam o alto índice de inadimplência no Brasil (falamos sobre eles aqui) e uma de suas consequências é o efeito psicológico que ele gera nos afetados: ansiedade, stress, depressão e culpa aparecem como sintomas reportados por pessoas endividadas.

E, como já sabemos, comprar tem um efeito de melhorar o humor, ou seja, gera-se um círculo vicioso.

Quando o consumismo se torna uma doença

Elevado à sua gravidade máxima, o consumismo pode ser visto como uma compulsão: a oneomania, ou o ato de comprar indiscriminadamente. Nela, o consumo é um vício da mesma forma que o álcool está para o alcoólatra.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) estima que o transtorno pode atingir até 8% da população mundial, distribuído em todas as classes sociais.

A diferença para o consumismo não-patológico é o grau de sofrimento psicológico. Pessoas com oneomania tendem a ter picos de euforia no momento da compra, mas perdem o prazer logo em seguida e sentem vergonha, podendo até cair em um episódio de depressão.

O tratamento para este transtorno é similar ao de outros tipos de dependência, combinando terapia e medicamentos.

E para o meio ambiente?

Para além das consequências individuais, o consumismo também representa um problema para o planeta, já que estimula o uso de recursos para uma produção cada vez maior.

Em 2012, um dado da Global Footprint Network ficou famoso: se todos os habitantes do mundo vivessem como o americano médio, seriam necessários 4,1 planetas Terra para prover os recursos necessários.

E se todo mundo no planeta vivesse como em determinados países? Crédito: Tim De Chant.

O que isso significa: nossa cultura de consumo está esgotando os recursos naturais com mais rapidez do que eles têm capacidade de se regenerar.

A instituição disponibiliza uma calculadora online para cada pessoa fazer a mesma conta: quantos planetas seriam necessários se todos vivessem de acordo com o seu padrão de vida?

O que devemos fazer para evitar o consumismo?

A boa notícia: cada vez mais se fala sobre consumo consciente. Um outro levantamento do SPC Brasil/CNDL descobriu que, para 75% dos entrevistados, saber que uma empresa é socialmente responsável pesa na decisão da compra. Ainda assim, 97% declara ter dificuldades de adotar práticas mais sustentáveis.

No âmbito pessoal, uma boa administração das finanças pessoais pode ajudar a manter sob cheque a vontade impulsiva de comprar. É um processo duro de desconstruir padrões sociais muito mais antigos do que nós, mas não é impossível.

Veja como começar:

Como economizar dinheiro: o guia para começar a guardar
Controle financeiro pessoal: 10 coisas para evitar
5 passos para começar a organizar as finanças pessoais

Este conteúdo faz parte da missão do Nubank de devolver às pessoas o controle sobre a sua vida financeira. Ainda não conhece o Nubank? Saiba mais sobre nossos produtos e a nossa história aqui.