Pedir Conta e
Cartão de Crédito

em menos de 1 minuto
e grátis

Precisamos seu nome completo. Precisamos seu nome completo.
Precisamos do seu CPF Precisamos de um CPF válido
Precisamos do seu e-mail. Aqui precisamos de um email válido.
Ops. Está diferente do campo acima.
Para prosseguir, você deve concordar com as políticas de privacidade.

Complete os campos ao lado para pedir sua Conta e Cartão de crédito

Agora complete abaixo para pedir sua conta e cartão de crédito

Precisamos de um CPF válido
Precisamos seu nome completo. Precisamos seu nome completo.
Precisamos do seu e-mail. Precisamos de um email válido.
Ops. Está diferente do campo acima.
Para prosseguir, você deve concordar com as políticas de privacidade.

Início Seu Dinheiro Organizar as Finanças O consumismo está atrapa...

O consumismo está atrapalhando a sua vida?

O ato de comprar de maneira compulsiva coisas que não são necessárias: entenda o que é consumismo e se você está sujeito a ele.



Imagine a cena: você vai ao shopping resolver uma tarefa rápida, mas, antes de sair, vê uma loja com um 50% bem grandão na vitrine. A tentação é alta demais e você acaba entrando. Compra um produto no impulso porque o preço estava bom. Isso é consumismo?

Talvez. Mas não é tão simples assim.

Afinal, o que é consumismo?

Chama-se de consumismo o ato de consumir em excesso ou sem necessidade – uma definição um pouco vaga, já que “em excesso” e “sem necessidade” podem variar de pessoa para pessoa.

Por isso, o consumismo não pode ser entendido a partir de um monte de regras aplicadas a qualquer situação.

O que leva as pessoas ao consumismo?

O consumismo leva uma pessoa a comprar de forma excessiva aquilo que não precisa. Isso pode significar desde produtos de alto valor, como carros e bens de luxo, até itens do cotidiano, como alimentos.

A explicação mais simples? Comprar deixa as pessoas felizes.

pesquisas que associam o ato de comprar à melhora de humor. De acordo com o SPC Brasil, essa é uma grande motivação do consumidor brasileiro: em 2016, 36% dos entrevistados admitiram fazer compras como forma de aliviar o stress e 47,7% afirmaram que a atividade os fazia se sentir bem.

Em uma pesquisa do Havas Group de 2017, mais de 12 mil pessoas de 32 países responderam à pergunta “por que você gosta de comprar coisas”? As principais respostas foram:

  • “Me deixa feliz” (~56%);
  • “Eu mereço” (~34%);
  • “Melhora a minha confiança” (~26,5%).

Agora, a explicação mais complexa? A maneira como nos relacionamos com consumo – e com o próprio ato de comprar – envolve uma gama de influências políticas, sociais e psicológicas.

O consumo como status

Em seu livro Consumidores e Cidadãos, o pesquisador argentino Néstor García Canclini busca entender o que significa consumir. Uma das linhas de estudo citadas defende que o consumo exerce um lugar de “diferenciação e distinção entre as classes e os grupos”. 

Ou seja, há uma construção social de status que estimula a compra de um produto pelo significado atribuído a ele, não pela necessidade. Nas palavras de García Canclini:

“Consumir é participar de um cenário de disputas por aquilo que a sociedade produz e pelos modos de usá-lo.”

É claro que, na maior parte das vezes, aquilo que nos impulsiona a comprar não é tão claro. Compramos porque queremos – mesmo que nem sempre a gente saiba por que quer algo.

Qual o problema do consumismo?

Já falamos no blog sobre a culpa de gastar e como ela prejudica a nossa relação com o dinheiro. Mas a outra ponta desse espectro, o consumismo, é tão (ou mais) problemática.

Segundo a Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic), 64,7% da população brasileira está hoje endividada. Em paralelo, um relatório da SPC Brasil e da CNDL apontou que, em março de 2019, 61% dos entrevistados cederam às compras por impulso.

Olhando para esses dados, não é difícil estabelecer uma relação entre as duas coisas.

Há muitos fatores que explicam o alto índice de inadimplência no Brasil (falamos sobre eles aqui) e uma de suas consequências é o efeito psicológico que ele gera nos afetados: ansiedade, stress, depressão e culpa aparecem como sintomas reportados por pessoas endividadas.

E, como já sabemos, comprar tem um efeito de melhorar o humor, ou seja, gera-se um círculo vicioso.

Quando o consumismo se torna uma doença

Elevado à sua gravidade máxima, o consumismo pode ser visto como uma compulsão: a oneomania, ou o ato de comprar indiscriminadamente. Nela, o consumo é um vício da mesma forma que o álcool está para o alcoólatra.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) estima que o transtorno pode atingir até 8% da população mundial, distribuído em todas as classes sociais.

A diferença para o consumismo não-patológico é o grau de sofrimento psicológico. Pessoas com oneomania tendem a ter picos de euforia no momento da compra, mas perdem o prazer logo em seguida e sentem vergonha, podendo até cair em um episódio de depressão.

O tratamento para este transtorno é similar ao de outros tipos de dependência, combinando terapia e medicamentos.

E para o meio ambiente?

Para além das consequências individuais, o consumismo também representa um problema para o planeta, já que estimula o uso de recursos para uma produção cada vez maior.

Em 2012, um dado da Global Footprint Network ficou famoso: se todos os habitantes do mundo vivessem como o americano médio, seriam necessários 4,1 planetas Terra para prover os recursos necessários.

E se todo mundo no planeta vivesse como em determinados países? Crédito: Tim De Chant.

O que isso significa: nossa cultura de consumo está esgotando os recursos naturais com mais rapidez do que eles têm capacidade de se regenerar.

A instituição disponibiliza uma calculadora online para cada pessoa fazer a mesma conta: quantos planetas seriam necessários se todos vivessem de acordo com o seu padrão de vida?

O que devemos fazer para evitar o consumismo?

A boa notícia: cada vez mais se fala sobre consumo consciente. Um outro levantamento do SPC Brasil/CNDL descobriu que, para 75% dos entrevistados, saber que uma empresa é socialmente responsável pesa na decisão da compra. Ainda assim, 97% declara ter dificuldades de adotar práticas mais sustentáveis.

No âmbito pessoal, uma boa administração das finanças pessoais pode ajudar a manter sob cheque a vontade impulsiva de comprar. É um processo duro de desconstruir padrões sociais muito mais antigos do que nós, mas não é impossível.

Veja como começar:

Como economizar dinheiro: o guia para começar a guardar
Controle financeiro pessoal: 10 coisas para evitar
5 passos para começar a organizar as finanças pessoais

Este conteúdo faz parte da missão do Nubank de devolver às pessoas o controle sobre a sua vida financeira. Ainda não conhece o Nubank? Saiba mais sobre nossos produtos e a nossa história aqui.

4.2

Esse artigo foi útil? Avalie

Obrigado pela avaliação

Você já votou neste post