Pedir Conta e
Cartão de Crédito

em menos de 1 minuto
e grátis

Precisamos seu nome completo. Precisamos seu nome completo.
Precisamos do seu CPF Precisamos de um CPF válido
Precisamos do seu e-mail. Aqui precisamos de um email válido.
Ops. Está diferente do campo acima.
Para prosseguir, você deve concordar com as políticas de privacidade.

Complete os campos ao lado para pedir sua Conta e Cartão de crédito

Agora complete abaixo para pedir sua conta e cartão de crédito

Precisamos de um CPF válido
Precisamos seu nome completo. Precisamos seu nome completo.
Precisamos do seu e-mail. Precisamos de um email válido.
Ops. Está diferente do campo acima.
Para prosseguir, você deve concordar com as políticas de privacidade.

Início Seu Dinheiro Dicionário Financeiro Come-cotas: como funcion...

Come-cotas: como funciona esse tipo de cobrança em investimentos

Na hora de investir, é importante checar o tipo de recolhimento de IR: o modelo come-cotas é um deles.



O nome é divertido. O assunto, nem tanto. Come-cotas é um modelo de tributação de alguns fundos de investimentos – e que pode dar uma boa diferença no lucro final.

A cada seis meses, ele dá as caras e surpreende alguns investidores de primeira viagem.

Como funciona o sistema come-cotas?

Em sua maioria, os investimentos sofrem cobrança de impostos – entre eles, o Imposto de Renda, recolhido pela Receita Federal. No sistema come-cotas, o IR é recolhido semestralmente.

A característica principal dele é justamente essa periodicidade: no modelo de tributação simples, a cobrança do Imposto de Renda é feita apenas no resgate (ou seja, quando o investidor decide retirar seu dinheiro da aplicação). No come-cotas, isso acontece a cada seis meses.

Vale lembrar: o IR é cobrado sobre o rendimento, não sobre o montante total do investimento. Ou seja, no come-cotas, a cobrança é proporcional aos lucros daquele semestre.

Cobrança do IR em fundos

A cobrança do Imposto de Renda nos fundos segue uma tabela regressiva de acordo com o tempo da aplicação:

Prazo da aplicaçãoAlíquota
22,5%180 dias
20%181 a 360 dias
17,5%361 a 720 dias
15%721 ou mais

No fim do prazo da aplicação, o investidor deverá pagar a alíquota do IR na qual o fundo se enquadra, já subtraídos os valores que foram cobrados antecipadamente.

Quando é cobrado o come-cotas?

O come-cotas é cobrado de forma automática a cada seis meses – mais especificamente, no último dia útil de maio e de novembro.

Quando o resgate é realizado, ele é cobrado novamente: neste caso, o valor é a diferença entre o IR que incide sobre seus lucros e os impostos antecipados.

Quais aplicações têm esse tipo de cobrança?

O sistema de tributação come-cotas é característico de alguns fundos de investimento, como os de renda fixa, de multimercado e de crédito privado.

Fundos de investimentos são, em linhas gerais, uma modalidade de aplicação coletiva – ou seja, várias pessoas podem investir em um mesmo.

Investir em um fundo é o equivalente a comprar uma cota dele. Todas as pessoas pagam um mesmo valor pela cota e recebem os mesmos rendimentos por ela. A diferença de lucro é o número de cotas de cada investidor.

O nome, inclusive, vem daí: a cobrança é feita através da redução das cotas diretamente na fonte, derrubando o percentual da alíquota. Ou seja, a tributação “come” um pedaço das cotas do investidor.

O come-cotas pode incidir nestes tipos de fundo:

  • Fundos de renda fixa: têm ao menos 80% da carteira composta por investimentos vinculados à variação da taxa de juros e/ou dos índices de preço (como Selic, CDI e IPCA).
  • Fundos multimercado: podem conter aplicações de diversos mercados, como renda fixa, câmbio e ações.
  • Fundos de crédito privado: cujo patrimônio é constituído por ao menos 50% de títulos de rendas fixas de empresas privadas.
  • Fundos cambiais: compostos por, no mínimo, 80% de ativos relacionados a moeda (como o dólar, por exemplo).
  • Fundos de ouro: quando o rendimento é atrelado à variação do valor do ouro – podem ou não considerar também a variação do dólar, já que esta é a moeda na qual ele é negociado.

O sistema come-cotas é vantajoso?

Na maior parte dos casos, não. O motivo é simples: o come-cotas atrapalha a rentabilidade dos juros compostos.

Como assim?

Cada vez que o seu dinheiro rende, o montante total do investimento aumenta. Esse montante acaba virando a nova base para a correção com juros compostos – ou seja, o lucro será melhor, já que os juros serão aplicados sobre uma quantia maior.

Ao retirar o valor proporcional do IR a cada semestre, o come-cotas diminui a quantia total de dinheiro, prejudicando a eficácia dos juros sobre juros.

As cotas, que ficariam valorizando (por meses ou anos) até o momento do resgate, acabam sendo reduzidas.

Isso não significa que um investimento com esse tipo de tributação nunca será vantajoso. Existem fundos com cobrança de come-cotas com boa relação de ganhos versus riscos. Este é apenas um dos muitos fatores que investidores devem atentar ao projetar seus lucros.

Este conteúdo faz parte da missão do Nubank de devolver às pessoas o controle sobre a sua vida financeira. Saiba mais sobre nossos produtos e a nossa história aqui.

4.01

Esse artigo foi útil? Avalie

Obrigado pela avaliação

Você já votou neste post