Pedir Conta e
Cartão de Crédito

em menos de 1 minuto
e grátis

Precisamos seu nome completo. Precisamos seu nome completo.
Precisamos do seu CPF Precisamos de um CPF válido
Precisamos do seu e-mail. Aqui precisamos de um email válido.
Ops. Está diferente do campo acima.
Para prosseguir, você deve concordar com as políticas de privacidade.

Complete os campos ao lado para pedir sua Conta e Cartão de crédito

Agora complete abaixo para pedir sua conta e cartão de crédito

Precisamos de um CPF válido
Precisamos seu nome completo. Precisamos seu nome completo.
Precisamos do seu e-mail. Precisamos de um email válido.
Ops. Está diferente do campo acima.
Para prosseguir, você deve concordar com as políticas de privacidade.

Início Seu Dinheiro Dicionário Financeiro O que é criptomoeda? Ent...

O que é criptomoeda? Entenda de uma vez

Nos últimos anos, o termo ganhou popularidade no mundo das finanças. Mas, afinal, o que são e como funcionam as moedas virtuais?



Você provavelmente já ouvir falar sobre bitcoin, aquela moeda virtual que fez algumas pessoas ganharem muito dinheiro – e algumas perderem outro tanto. Talvez você tenha ouvido falar sobre outra moeda digital e ficou se perguntando, afinal, o que é criptomoeda. É tudo a mesma coisa? Qual a diferença? É para comprar ou investir?

O que é criptomoeda?

Criptomoeda é o nome genérico para moedas digitais descentralizadas, criadas em uma rede blockchain a partir de sistemas avançados de criptografia que protegem as transações, suas informações e os dados de quem transaciona. 

Não entendeu nada? Sem problemas, vamos explicar ponto por ponto.

Criptomoedas são moedas digitais porque, diferentemente do real, do dólar e de outras moedas que podem ser tocadas, elas só existem na internet. Ou seja, você sabe que elas são verdadeiras, mas não consegue pegá-las com as mãos – ou guardá-las na carteira, no cofre ou embaixo do colchão.

Descentralizadas porque não existe um órgão ou governo responsável por controlar, intermediar e autorizar emissões de moedas, transferências e outras operações. Quem faz isso são os próprios usuários.

Criadas em uma rede blockchain porque é essa tecnologia que está por trás das criptomoedas. Basicamente, blockchain é um sistema que permite o envio e o recebimento de alguns tipos de informação pela internet. São pedaços de código gerados online que carregam informações conectadas, como blocos de dados que formam uma corrente – por isso o nome “corrente de blocos”.

E em sistemas de criptografia porque é essa camada de segurança, garantida pelo blockchain, que possibilita a emissão e a transação de moedas virtuais de forma mais segura – quando feito de forma correta. É dessa tecnologia, inclusive, que vem o nome criptomoeda – moeda criptografada.

Criptomoedas são seguras?

Um dos pilares das criptomoedas é a criptografia: uma camada de segurança online que dificulta bastante qualquer tipo de fraude.

De forma bem simplificada, criptografia é um modo de embaralhar uma informação para que somente quem tem o código – também chamado de “chave” – consiga decifrá-la. 

O que pode acontecer – e já aconteceu – é as carteiras digitais ou corretoras de bitcoin serem roubadas. Em 2019, uma das maiores corretoras de criptomoedas do mundo informou que hackers haviam roubado US$40,7 milhões em bitcoins usando técnicas como phishing e vírus.

A falta de regulamentação das moedas digitais também pode ser um problema – e o próprio Banco Central do Brasil alerta sobre os riscos em seu site. Ataque de hackers, erros de servidor e perda da assinatura virtual são alguns dos riscos que podem acarretar na perda de todas as criptomoedas – e, consequentemente, de um alto valor financeiro. 

Por que as criptomoedas ficaram tão famosas?

Nos últimos anos, as criptomoedas ganharam os noticiários do mundo todo principalmente por causa do bitcoin, a primeira moeda digital do mundo, e sua alta volatilidade.

Como qualquer outra moeda, o bitcoin sofre variações diárias e segue a lei da oferta e da demanda: quanto mais pessoas querendo, mais caro fica – e vice-versa.

Mas ele apresenta uma oscilação muito grande. Em dezembro de 2017, por exemplo, um bitcoin valia R$ 48,2 mil. Pouco mais de um ano depois, em janeiro de 2019, o valor tinha caído para R$ 12,7 mil – uma desvalorização de quase 75%.

Isso acontece por alguns motivos. Um deles é que a quantidade de bitcoins disponíveis é limitada: podem ser emitidas no máximo 21 milhões de moedas – até 2019, estima-se que 18 milhões já haviam sido emitidas. 

Outro motivo é que, assim como o mercado de ações, o de bitcoins também opera a partir da especulação. Se as pessoas sentem que o investimento não é seguro (porque uma corretora de criptomoedas foi roubada, por exemplo), muitas vendem suas moedas e o preço despenca. Se, por outro lado, o investimento parece atrativo, muita gente querendo comprar faz o preço aumentar.

Por isso, mais do que uma moeda para transações do dia a dia, o bitcoin – assim como outras criptomoedas – passou a ser visto como uma forma de investimento.

E quais são as principais criptomoedas?

Nos últimos anos, diversas moedas virtuais surgiram – já são mais de 2 mil disponíveis –, mas as principais, pelo valor de mercado, são:

  • Bitcoin;
  • Ethereum;
  • Ripple;
  • Litecoin;
  • Bitcoin Cash;
  • EOS;
  • Binance Coin.

Como comprar criptomoedas?

Comprar criptomoedas é simples: basta abrir uma conta em uma corretora de moedas virtuais e começar a negociar. Mas, antes de tudo, é essencial pesquisar sobre as empresas disponíveis no mercado, conferir as avaliações dos clientes e entender as tarifas cobradas.

Afinal, esse é um investimento financeiro e, assim como qualquer outro, precisa ser tratado com cuidado.

Também é importante lembrar que investir em criptomoedas apresenta alto risco, já que o valor varia muito ao longo do tempo. Por isso, especialistas recomendam colocar apenas uma pequena parcela dos investimentos neste tipo de ativo.

Como as criptomoedas impactam a sua vida?

Atualmente, a não ser que você seja um investidor ou entusiasta das criptomoedas, a verdade é que elas impactam pouco a vida da população em geral.

Por muitos anos, o mercado olhou para o bitcoin como uma nova moeda de transação. No Brasil, imobiliárias anunciaram que aceitariam a moeda digital como forma de pagamento.

Aos poucos, entretanto, as criptomoedas passaram a ser cada vez mais vistas como um ativo financeiro – tanto que, hoje em dia, pouco se fala em usar bitcoin para pagar algum produto, por exemplo.

De toda forma, muita gente discute o papel das criptomoedas no futuro. Alguns dizem que essa vai ser a principal forma de transação daqui uns anos, mas ainda é cedo para dizer.

Este conteúdo faz parte da missão do Nubank de devolver às pessoas o controle sobre a sua vida financeira. Ainda não conhece o Nubank? Saiba mais sobre nossos produtos e a nossa história aqui.

4.04

Esse artigo foi útil? Avalie

Obrigado pela avaliação

Você já votou neste post