A meta da Selic continua a 2%. O que isso significa?

O Copom decidiu não alterar a meta da taxa de juros na última reunião do ano.

9 de dezembro de 2020

No dia 9 de dezembro, o Copom fez sua última reunião de 2020 e decidiu manter a meta da taxa Selic em 2%.

O que a taxa Selic faz, mesmo?

Ela é a taxa de juros básica da economia e serve de referência para todas as outras taxas – como juros de empréstimos e rendimentos de aplicações em renda fixa, por exemplo.

A Selic é uma instrumento do Banco Central para controlar a inflação. Basicamente: - Quando a Selic aumenta, a intenção é diminuir a inflação. - Quando a Selic diminui, a intenção é aumentar a inflação.

Isso acontece porque a mudança dos juros estimula mais ou menos o consumo, mexendo o termômetro da inflação.

Mas a inflação não está alta?

O IPCA, principal indicador da inflação, vem subindo. Nos últimos 12 meses, ele acumula alta de 4,31% – ainda dentro da margem da meta para este ano, de 4%. Os alimentos estão especialmente mais caros: 15,94% no último ano.

Ao mexer na meta da Selic, o Banco Central olha para os efeitos meses à frente. A meta da inflação para 2021 é de 3,75% e o mercado prevê que ela será cumprida.  "Apesar da pressão inflacionária mais forte no curto prazo, o Comitê mantém o diagnóstico de que os choques atuais são temporários", disse o BC em seu comunicado.

Então por que a Selic não mudou?

A meta atual é a mais baixa da história da Selic. Ela chegou a passar anos acima dos 10% e começou a cair progressivamente em 2019, até atingir o patamar dos 2%.

Fonte: Banco Central