Pedir Conta e
Cartão de Crédito

em menos de 1 minuto
e grátis

Precisamos seu nome completo. Precisamos seu nome completo.
Precisamos do seu CPF Precisamos de um CPF válido
Precisamos do seu e-mail. Aqui precisamos de um email válido.
Ops. Está diferente do campo acima.
Para prosseguir, você deve concordar com as políticas de privacidade.

Complete os campos ao lado para pedir sua Conta e Cartão de crédito

Agora complete abaixo para pedir sua conta e cartão de crédito

Precisamos de um CPF válido
Precisamos seu nome completo. Precisamos seu nome completo.
Precisamos do seu e-mail. Precisamos de um email válido.
Ops. Está diferente do campo acima.
Para prosseguir, você deve concordar com as políticas de privacidade.

Início Investimentos FIDC: o que é e como fun...

FIDC: o que é e como funciona esse investimento

Sigla para Fundo de Investimento em Direitos Creditórios, essa aplicação pode ser uma opção para quem quer diversificar seus investimentos.



Quando se fala em renda fixa, a máxima costuma ser a mesma: risco baixo, mas rendimentos modestos. Alguns investidores tentam buscar alternativas com mais rentabilidade em Fundos de Investimento em Direitos Creditórios (FIDC).

Esse investimento ainda é pouco conhecido, mas pode oferecer vantagens para quem quer aliar lucro com diversificação. Entenda a seguir o que é FIDC, como ele funciona e quais as vantagens e desvantagens de investir neste tipo de aplicação.

Esse conteúdo foi originalmente postado no blog da Easynvest. Em 17 de agosto de 2021, a Easynvest virou Nu invest e esse conteúdo foi transferido para o blog do Nubank.

O que é FIDC? 

FIDC é a sigla para Fundo de Investimento em Direitos Creditórios. É um fundo de investimento que aplica em títulos de crédito criados a partir de contas a receber de uma determinada empresa. 

Como a remuneração do FIDC é baseada em uma taxa pré-definida, ele é considerado um investimento em renda fixa.

O FIDC funciona como um fundo de investimento tradicional. Em outras palavras, ele reúne recursos financeiros de diversos investidores para uma aplicação em conjunto. De acordo com a lei, 50% do patrimônio líquido do fundo precisa ser aplicado em direitos creditórios, ou seja, créditos que as empresas têm a receber.

Alguns tipos de direitos creditórios são aluguéis, cheques, duplicatas ou valores que foram parcelados no cartão de crédito. Essas dívidas são convertidas em títulos e vendidas a terceiros. 

Por exemplo: a empresa vende um produto a prazo para um consumidor por meio de cartão de crédito. Estes recebíveis (as parcelas a serem pagas pelo consumidor) podem ser vendidos para um FIDC na forma de direitos creditórios. Isso permite à empresa antecipar o recebimento destes recursos em troca de uma taxa de desconto que, por outro lado, vira rendimento para os investidores do fundo.

Na prática, quando você investe em um FIDC, está adiantando esses pagamentos para a empresa. Em contrapartida, vai receber seu dinheiro de volta corrigido por uma taxa de juros, ou seja, com lucro.

Podem se tornar ativos de um FIDC os créditos originados de transações realizadas nos seguintes segmentos:

  • Financeiro;
  • Comercial;
  • Industrial;
  • Imobiliário
  • De hipotecas;
  • De arrendamento mercantil;
  • De prestação de serviços.

Esses créditos são incorporados ao FIDC na forma de recebíveis, e os investidores que adquirem suas cotas ficam indiretamente expostos aos retornos e riscos desses recebíveis.

Como funciona o FIDC?

O FIDC funciona como um fundo de investimento comum, sendo que pelo menos 50% do dinheiro investido deve ser aplicado em direitos creditórios. O restante pode ser aplicado em investimentos de renda fixa mais tradicionais.

O FIDC também pode ser do tipo aberto ou fechado, além de ter um prazo de duração determinado ou indeterminado.

  • FIDC aberto: investidores podem resgatar o dinheiro a qualquer momento, respeitando as regras de liquidez do fundo. O FIDC aberto costuma ter prazo indeterminado de duração.
  • FIDC fechado: as cotas só podem ser resgatadas ao término do prazo de duração do fundo, de acordo com o regulamento. Nesta modalidade, em geral o fundo tem prazo determinado de duração. 

Todo FIDC possui um regulamento que, entre outras disposições, determina a política de investimento do fundo e suas características de atuação – como os critérios de composição e de diversificação da carteira, os riscos de crédito, de mercado e demais riscos envolvidos e, se for o caso, o segmento em que o fundo atuará.

Tipos de cota do FIDC

Além dos tipos, aberto ou fechado, o FIDC é dividido em dois tipos de cotas: cota sênior e cota subordinada.

  • Cotas sênior: têm rentabilidade prefixada e se comportam como títulos de renda fixa. Elas dão ao investidor preferência no recebimento de juros, resgate ou amortizações do valor. Assim também o risco é menor.
  • Cotas subordinadas: esse tipo envolve mais riscos. O investidor da cota subordinada só recebe quando todos os cotistas seniores receberem, assumindo o risco de possíveis inadimplências dos títulos. Por outro lado, essas cotas têm uma rentabilidade maior.

Quem pode investir em FIDC?

Os FIDCs são uma opção de renda fixa que costuma ser oferecida a investidores experientes, chamados de qualificados.

Entenda quem são esses investidores:

  • Investidores classificados como profissionais;
  • Investidores com certificação da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) para registro de agentes autônomos, consultores de valores mobiliários, analistas ou administradores de carteira;
  • Clubes de investimentos que sejam geridos por investidores qualificados;
  • Pessoa física ou jurídica com investimentos de valor superior a R$ 1 milhão, comprovados por termo assinado.

Atualmente, a CVM estuda liberar esses ativos para todos os brasileiros.

Para entender o crescimento do mercado, o salto de FIDCs foi de R$ 54 bilhões em patrimônio líquido em 2011 para R$ 121 bilhões em abril de 2020.

Vantagens e desvantagens do FIDC

Uma das principais vantagens dos fundos de investimento em Direitos Creditórios é a possibilidade de retorno maior que outras aplicações de renda fixa. Os investidores podem negociar o FIDC no mercado secundário.

Outro ponto de destaque é a atuação de um gestor profissional, que é autorizado pela CVM e faz a administração do patrimônio do fundo.

Os FIDCs também são categorizados por agências classificadoras de risco, o que possibilita ao investidor conhecer melhor os riscos envolvidos.

No entanto, é preciso lembrar que o FIDCs também envolvem riscos, que podem ser maiores do que em aplicações como Tesouro Direto e CDBs. O FIDC não tem proteção do Fundo Garantidor de Créditos (FGC) e, por ainda ser restrito a investidores qualificados, o valor mínimo de aplicação começa em R$ 25 mil.

Por fim, vale atentar-se ao risco de crédito. Ele pode acontecer por atrasos e inadimplência, por exemplo.

Composição do fundo

A estrutura de um FIDC é diferente da maioria dos fundos de investimento. Veja quem são os principais envolvidos:

  • Cedente: a empresa titular dos direitos creditórios;
  • Estruturadores: é a instituição ou escritório jurídico responsável por montar a operação;
  • Custodiante: instituição financeira responsável pela custódia e controle dos valores a receber do fundo;
  • Administrador: é o responsável legal pelo FIDC e por fazer a captação de recursos por meio da venda de cotas;
  • Gestor: responsável por administrar a carteira de investimentos e tomar as decisões de compra e venda de ativos.
  • Cotistas: são os investidores do fundo.

Como funciona a tributação do FIDC?

Apesar de possuírem várias características únicas, os FIDC seguem a regra geral para tributação de investimentos de renda fixa. Assim, é cobrado o Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) regressivo para resgate realizado antes de 30 dias, e o Imposto de Renda, tributado de acordo com a tabela regressiva e aplicado diretamente na fonte.

  • Até 180 dias: 22,5%
  • Entre 181 e 360 dias: 20%
  • Entre 361 e 720 dias: 17,5%
  • Acima de 720 dias: 15%

Vale a pena investir em FIDC?

Seja como for, vale a pena fazer uma análise profunda do FIDC antes de escolher aplicar. Também avalie se ele se encaixa na sua estratégia de investimento e está de acordo com os seus objetivos e perfil de investidor.

Este conteúdo faz parte da missão do Nubank de devolver às pessoas o controle sobre a sua vida financeira. Ainda não conhece o Nubank? Saiba mais sobre nossos produtos e a nossa história.

5

Esse artigo foi útil? Avalie

Obrigado pela avaliação

Você já votou neste post