Pular navegação

O que é economia doméstica e como ela pode te ajudar no dia a dia?

Com pequenos hábitos cotidianos você pode melhorar sua qualidade de vida, entender as contas da sua casa e aperfeiçoar o planejamento das suas finanças pessoais.

Na imagem aparece, ao centro, um pão com diversos quadrados sobre ele como se fossem porções. Nos cantos aparece imagens de trigo e na parte de baixo três pães inteiros, tudo sobre fundo roxo

Você já pensou em frases como: “vou juntar dinheiro para comprar um carro” ou ainda “se sobrar dinheiro este mês, vou fazer aquele curso ou viagem?”. Isso são pontos de economia doméstica — ainda pouco falada, mas com grande impacto na rotina de todos.

Antes de mais nada, é comum passar por esse tipo de situação: você gostaria de realizar algo, mas não consegue por falta de um planejamento financeiro.

É por isso que a economia doméstica ajuda as pessoas a entender seus hábitos de consumo e a forma como a organização financeira é colocada em prática. Com esses nortes, é possível economizar para alcançar as metas sonhadas.

Continue sua leitura para mais dicas para planejar melhor seu orçamento doméstico.

O que é economia doméstica?

A economia doméstica é uma frente da economia que estuda comportamentos de consumo e os ganhos de pessoas, famílias e sociedade no geral. 

De forma mais ampla, os conceitos e estratégias envolvidos neste tipo de economia criam um controle financeiro para cuidar dos gastos da casa e com outras despesas pessoais.

Para colocar em prática a economia doméstica, é preciso considerar todas as entradas e saídas do orçamento doméstico, mapeando ganhos e gastos, para entender se o saldo no final do mês é positivo, negativo ou se fica no zero a zero, sem margem para guardar.

O número de famílias com dívidas a vencer cresce desde a pandemia, segundo dados da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC). Em 2022, esse indicador tem renovado os recordes, mês após mês.

Além da inflação, que trouxe impactos significativos nas residências brasileiras, conforme mostram o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) e o Índice Geral de Preços - Mercado (IGP-M), a falta de organização financeira familiar também ajuda a explicar o aumento do nível de endividamento do país.

Esses números e índices podem parecer um pouco complexos. Por isso, o time de Xpeer Nubank explicou em detalhes como a inflação impacta o seu cotidiano no vídeo abaixo:

https://www.youtube.com/watch?v=MRSqJAtsefA&list=PLTPJoMFW9onsZ-nQC9l5MmyP-qf_tUPMs&index=2

O pouco conhecimento sobre educação financeira pode ser um fator que leva algumas famílias a não olhar com atenção para suas contas domésticas. É assim que algumas também acabam entrando no vermelho.

Qual a importância da economia doméstica?

A importância da economia doméstica está ligada à qualidade da vida financeira das pessoas. Afinal, ela é um conceito e uma prática que ajuda, também, na hora da educação financeira — já que o hábito de manter as contas da casa em dia pode ajudar as próximas gerações.

Por isso, se você for praticar a economia doméstica, pode ser interessante começar com alguns questionamentos como:

  • Como construir uma relação saudável com o dinheiro em meio às instabilidades econômicas no país e no mundo? 
  • Como consumir de forma mais consciente? 
  • E como administrar o dinheiro que entra e o dinheiro que sai do orçamento da família?

Quando você tiver uma visão das respostas, pode partir para a criação de um planejamento para a gestão dos recursos domésticos. 

Afinal, é dentro de casa que grande parte da vida acontece. E também é ali que se concentra grande parte dos gastos da maioria das pessoas. Aluguel, supermercado, conta de água e luz são alguns exemplos de despesas domésticas, que impactam uma fatia considerável do orçamento das famílias.

A Anitta, por exemplo, contou para o Nubank 4 lições que ela aprendeu durante a sua vida. Isso mostra que a economia doméstica também pode contribuir na rotina de quem faz sucesso.

Mas, existe um motivo para ela ser tão importante, veja:

Por que a economia doméstica é importante?

A economia doméstica é importante porque ela pode ser capaz de ajudar as pessoas a entender melhor seus comportamentos de consumo. E, consequentemente, controlar melhor os gastos.

Em cenários econômicos mais complicados, por exemplo, uma estratégia de contenção de gastos em casa pode significar a sobrevivência da família durante os tempos difíceis sem se endividar.

Apesar de alguns hábitos financeiros representarem individualmente um impacto pequeno no orçamento doméstico, a soma deles pode trazer um alívio significativo para as contas da casa. 

Outro ponto é que organizar e trabalhar a economia doméstica em seu cotidiano pode te ajudar a poupar dinheiro para emergências.

Veja aqui como montar a sua reserva de emergência

Como a economia doméstica pode ajudar a contornar a inflação?

A inflação impacta diretamente o orçamento doméstico. Por isso, a economia doméstica pode ajudar a contornar a inflação, dando mais atenção à forma como o dinheiro é gasto dentro das casas. 

Quando os preços do supermercado estão aumentando muito rápido, por exemplo, o poder de compra de uma família é comprometido. Se uma mesma lista de compras que tinha um gasto de R$ 500, por exemplo, passa a custar R$ 550 depois de alguns meses, isso tem impacto direto nas contas da casa.

Quando isso acontece, decisões precisam ser tomadas: abrir mão de itens da lista ou usar uma parcela maior do orçamento para manter o padrão de consumo? Escolher itens de marca mais em conta ou cancelar algum serviço menos importante para a família?

Entenda que a resposta varia de caso para caso, mas decisões desse tipo têm o poder de influenciar a saúde financeira de uma família.

A economia doméstica é, portanto, uma ferramenta importante para lidar melhor com a situação, controlar os gastos e evitar que a família entre no vermelho.

Além disso, traçar um plano para a economia familiar pode te ajudar nesse processo.

Como fazer um plano de economia familiar?

Para fazer um plano de economia familiar, o primeiro passo é organizar seus gastos. Você pode começar com uma lista em um papel, planilha ou aplicativo de controle financeiro todas as entradas e saídas da casa.

Em seguida, é interessante categorizar os gastos para começar a entender quanto da renda familiar é gasta em cada área da vida: alimentação, lazer e educação, por exemplo.

Com esse mapeamento em mãos, é possível fazer um raio-x da saúde financeira da família. Será que a maior parte dos gastos está concentrada nas contas básicas, como aluguel, IPTU e supermercado? Ou será que os gastos variáveis com lazer e compras estão comendo mais do que deveriam do orçamento mensal? Está sobrando dinheiro no fim do mês ou faltando?

Essas e outras perguntas podem ser respondidas a partir da elaboração de um plano de economia familiar, que permite a tomada de decisões financeiras de forma mais consciente e inteligente.

Como organizar as contas domésticas?

Muitos planejadores financeiros indicam a implementação da regra dos 50/35/15 Com ela, você pode trabalhar uma divisão da renda líquida doméstica. Veja um exemplo de como você pode dividir as contas da casa:

  • 50% dos gastos nas contas fixas (aluguel, academia, plano de celular);
  • 35% dos gastos para contas variáveis (serviços de streaming, compras on-line, saídas para cinema, teatro, bares, lazer no geral);
  • 15% para projetos futuros (reserva financeira, financiamentos, investimentos e afins).

Cada família tem a sua própria realidade financeira e pode ser que essas proporções não funcionem exatamente para a sua. Mas essa divisão pode ser um ponto de partida para quem quer começar a usar estratégias de economia doméstica para melhorar a vida financeira.

O que fazer quando as contas estão no negativo?

Você já viu que o endividamento faz parte da realidade da maior parte da população brasileira. Quando as contas estão no negativo, um primeiro passo pode ser se acalmar e fazer um planejamento. 

Para isso, tente encarar as dívidas de frente. Entender onde e o porquê de você ter contas negativas pode ser uma ação importante para começar. 

É interessante que você mapeie o valor total de cada uma delas, de forma organizada, para saber o real tamanho do buraco e traçar quais serão as prioridades.

Liste também as taxas de juros para ajudar a priorizar qual dívida deve ser paga primeiro. Empréstimos mais caros são aqueles que mais comprometem o seu orçamento familiar com o pagamento de juros. Quanto antes eles forem quitados, melhor.

Confira, a seguir, uma lista com várias dicas de economia doméstica do time Nubank para você.

14 dicas de economia doméstica para a sua família

Existem três grandes grupos de gastos domésticos que, se reduzidos, podem abrir um grande espaço no orçamento familiar. Veja as oportunidades de economia dentro de cada um deles:

Como economizar na alimentação?

Para economizar na alimentação, o primeiro passo pode ser reduzir as refeições fora de casa e pedidos de delivery e começar a cozinhar mais. Mas existem outras dicas, veja:

  • Evite ir ao supermercado sem uma lista de compras. Ela vai te ajudar a não perder o foco do que realmente precisa ser comprado;
  • Acompanhe a data de validade dos alimentos da despensa. Assim, você não desperdiça comida e antecipa o uso de produtos que estejam perto de vencer;
  • Guarde os alimentos por grupos. Óleos e azeites devem ficar juntos, assim como todos os tipos de macarrão e grãos, por exemplo. Essa organização pode ajudar a visualizar mais rapidamente o que está faltando na hora de elaborar a lista;
  • Veja se é possível programar um cardápio semanal. Além de ajudar a melhorar a qualidade da alimentação, essa organização ajuda a prever quais ingredientes serão consumidos semana a semana, otimizando os gastos no mercado;
  • Tente optar por alimentos da estação. Frutas e verduras de época costumam ter preços mais baixos, já que a oferta dos produtos é maior.

Como economizar nas contas de luz e água?

No inverno, um longo banho quente. No verão, um longo banho refrescante. Esse hábito pode ser uma delícia, mas talvez ele custe caro — tanto para o seu bolso, quanto para o meio ambiente.

  • Tente reduzir o tempo no banho. O chuveiro é um dos principais responsáveis pela conta de luz. E quanto mais alta a temperatura da água, maior o gasto.
  • Tire os plugues das tomadas de eletroeletrônicos quando não estiverem em uso, como televisão, micro-ondas e máquina de lavar;
  • Escolha lâmpadas LED. Esse tipo de iluminação pode gerar uma economia de até 60% na conta de luz em relação às tradicionais;
  • Sempre que possível, escolha comprar eletrodomésticos com selo Inmetro A. Esses equipamentos são testados e aprovados por consumirem menos energia;
  • Evite usar extensões e benjamins ou T's. Eles podem consumir mais energia e sobrecarregam aparelhos;
  • Mantenha torneiras e descargas bem reguladas. O consumo de água pode aumentar em até 50% quando torneiras não ficam bem fechadas e descargas usam mais água do que poderiam.

Como praticar um consumo mais consciente?

Os hábitos de consumo são gerados a partir de diversas variáveis, muitas delas emocionais. Quem nunca fez uma compra por impulso após um dia frustrante? 

Observar os hábitos de consumo também pode ser uma importante estratégia para quem quer economizar.

  • Olhe com atenção para os anúncios que você recebe diariamente, principalmente nas redes sociais;
  • Sempre que possível, tente pagar à vista. Compras parceladas podem comprometer o orçamento futuro e podem mascarar o tamanho total da dívida familiar.
  • Reutilize e otimize o que for possível. Potes de vidro, roupas de segunda mão, compra de passagens aéreas com milhas. No médio e longo prazo, todos esses hábitos podem gerar economias expressivas.

Consumo consciente: o que é e por que você deve se importar?

Afinal, o que se entende por economia doméstica?

Em resumo, o que se entende por economia doméstica é qualquer plano criado para manter a vida financeira familiar mais organizada e evitar gastos desnecessários, de um jeito que as entradas de dinheiro sejam maiores que os gastos.

Como consequência, as vidas de todos os moradores da casa podem se tornar menos estressantes, afastando aquela tensão financeira gerada quando fica difícil fechar as contas do mês.

Como fazer uma economia doméstica simples?

Para fazer uma economia doméstica simples, comece cortando os gastos que você consegue ver com facilidade que são desnecessários. 

As assinaturas de múltiplas plataformas de streaming, compra recorrente de roupas e sapatos, jogos de videogame e refeições fora de casa ou delivery são alguns exemplos de pontos de partida para começar.

Sempre que pensar que uma despesa é muito barata e não precisa ser cortada, lembre-se de que, somados, gastos pequenos se tornam grandes. Nenhuma economia é perdida. Os mínimos valores que puderem ser economizados já ajudam a aliviar o orçamento e abrem espaço para que você comece a poupar.

Em se tratando de despesas domésticas, é importante envolver toda a família, para que todos contribuam com as estratégias financeiras.

Economia doméstica e finanças pessoais

É possível economizar em qualquer área da vida. A questão é entender em qual delas é mais fácil para você. Pessoas diferentes têm necessidades diferentes e o que é mais importante para um não necessariamente é para o outro.

Por isso, é preciso equilibrar a economia da casa com as contas individuais de seus moradores.

Ao mapear onde é possível economizar no orçamento doméstico, a família ganha fôlego para investir em outras coisas, como cursos, a compra de uma casa própria ou sair das dívidas, por exemplo.

Leia mais:

Este conteúdo faz parte da missão do Nubank de devolver às pessoas o controle sobre a sua vida financeira. Ainda não conhece o Nubank? Saiba mais sobre nossos produtos e a nossa história aqui.

Utilizamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso site. Ao continuar navegando, você concorda com a nossaPolítica de Privacidade.Ao continuar a navegar, você concorda com essa Política.