Pular navegação

Como trabalhar com inteligência artificial? Saiba como entrar nesse mercado

O número de vagas para profissionais que utilizam inteligência artificial tende a crescer em média 30% até 2027. Confira dicas de como começar a trabalhar com IA.

Desde que a inteligência artificial (IA) começou a fazer parte da rotina e da vida das pessoas, o mercado de trabalho para a área ficou aquecido e atrai novos profissionais para diversas oportunidades. O relatório The Future of Jobs, divulgado pelo Fórum Econômico Mundial em 2023, prevê que o número de vagas para especialistas em IA e machine learning cresça em média 30% até 2027. Mas, diante desses números, surge a dúvida: como trabalhar com inteligência artificial? 

Ainda que as funções que utilizam a tecnologia estejam na mira das profissões do futuro, dá para dizer que as oportunidades já estão no presente. Por isso, se você tem interesse pelo assunto e tem vontade de ingressar na área, vale ficar atento às exigências do mercado, aos cursos que podem te ajudar na capacitação e em como escolher uma função dentre as possibilidades existentes.   

Abaixo, relembre o que é IA e confira dicas de como trabalhar com inteligência artificial. 

O que é inteligência artificial?

Em poucas palavras, a inteligência artificial é a tecnologia capaz de criar ferramentas em máquinas e sistemas que imitam a execução de atividades que, geralmente, necessitam de inteligência humana. Ou seja, é uma inteligência que vem a partir dos computadores para resolver tarefas.

De maneira geral, o trabalho com IA abrange o desenvolvimento de modelos de aprendizado de máquina (machine learning), criação de algoritmos, redes neurais artificiais e outros diversos sistemas de processamento de linguagem natural. Assim, por meio desses modelos, as máquinas conseguem entender dados e produzir resultados a partir deles de maneira muito mais rápida. 

A inteligência artificial pode ser aplicada para uma grande variedade de setores da economia e da vida em sociedade, desde os usos para a área da saúde, finanças, produção industrial e até no entretenimento. 

Por exemplo: em um estudo recente da Universidade de Columbia, nos Estados Unidos, uma inteligência artificial examinou cuidadosamente 60 mil impressões digitais humanas e descobriu não ser verdade que todas são únicas pois há padrões de repetições. Isso pode mudar a investigação de cenas de um crime, por exemplo.

Como o Nubank usa inteligência artificial para proteger os clientes?

Como trabalhar com inteligência artificial?

Trabalhar com inteligência artificial requer uma combinação de habilidades técnicas e conhecimentos específicos em tecnologia e ciências exatas. Portanto, aprofundar-se nos estudos é o primeiro requisito para entrar nesse mercado – e esse desenvolvimento pode ser o seu diferencial em meio a tantas demandas da área.  

Antes de começar a procurar por vagas, o profissional tem que dominar os fundamentos da IA e alguns pilares básicos que a carreira exige, como estrutura de dados e algoritmos. 

Quais cursos são necessários para trabalhar com inteligência artificial?

De acordo com o professor Marcos Medeiros Raimundo, docente do Instituto de Computação da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), construir uma base de conhecimento precisa ser prioridade, e ela tem origem a partir do estudo das seguintes disciplinas:

  • Álgebra linear; 
  • Cálculo integral e diferencial; 
  • Probabilidade;
  • Programação.  

Se você é um profissional que já tem uma formação em áreas como matemática, tecnologia da informação, estatística, engenharia da computação, entre outras, mesmo que trabalhe em outro meio, já deve ter tido contato com essas matérias. No seu caso, o caminho para trabalhar com inteligência artificial pode ser mais curto. 

Em quanto tempo é preciso para começar a trabalhar com inteligência artificial?

Considerando o tempo de estudo na graduação, o professor do Instituto de Computação da Unicamp recomenda que você tenha consistência em ao menos dois dos assuntos citados acima. Aí, o investimento em outros formatos de cursos e leituras pode ser a solução, adicionando, no mínimo, mais dois anos ao percurso. 

“Esse profissional pode pensar em fazer um curso de pós-graduação em inteligência artificial ou até em cursos de especialização que sejam oferecidos por universidades, como o curso de extensão em Machine Learning que a Unicamp tem. São pelo menos mais dois anos de bastante estudo para se tornar um bom profisisonal”, avalia o professor. 

Ter algum conhecimento em inglês também é imprescindível para as leituras, uma vez que uma boa parte dos materiais vem de pesquisas científicas internacionais. Então, adicione o tempo para se aprofundar no idioma nessa conta – o que pode variar de acordo com o nível de conhecimento de cada pessoa. 

Para a introdução na carreira com a tecnologia, Raimundo indica a leitura do livro "Mathematics for Machine Learning", divulgado pela Universidade de Cambridge, no Reino Unido. 

Mas, pensando em uma pessoa que ainda vai iniciar a formação acadêmica, por exemplo, deve-se considerar de seis a oito anos de estudos, levando em conta uma graduação em ciências exatas e outros cursos de especialização em inteligência artificial e machine learning. 

Networking: conexões que impulsionam 

Independentemente de qual momento de vida você estiver, se a sua vontade for trabalhar com inteligência artificial, conhecer outras pessoas do campo é fundamental para nortear a sua trajetória. 

As conexões estabelecidas em cursos, workshops e grupos de estudos são indispensáveis para que outras portas se abram e você possa experimentar diferentes áreas de atuação, colocando seus conhecimentos em projetos práticos – principalmente se você ainda não souber exatamente onde quer chegar. 

Quais são as profissões mais valorizadas na área de IA?

Ainda que o meio de tecnologia como um todo esteja em evidência, algumas profissões que usam inteligência artificial e machine learning são mais valorizadas no mercado de trabalho. Entre elas, é possível destacar:

  • Cientista de Dados: Profissional generalista com funções abrangentes, de relacionamento com clientes até análise de dados;
  • Engenheiro de Machine Learning: Desenvolve algoritmos e constrói modelos para aprimorar o desempenho de máquinas, colaborando com cientistas de dados na implementação de soluções eficazes em IA;
  • Analista de Cibersegurança: Utiliza inteligência artificial para análise de dados e identificação de atividades suspeitas, contribuindo para a proteção contra ataques cibernéticos.

Esses são trabalhos bastante realizados no Nubank, por exemplo. Abaixo, assista ao vídeo e conheça mais sobre como é ser um cientista de dados.

https://www.youtube.com/watch?v=umq9kCJFavw

Desafios para trabalhar com inteligência artificial

Mesmo que a oferta de vagas seja grande e o mercado esteja aquecido para esses profissionais, com salários bastante atrativos, é necessário uma avaliação mais crítica sobre os impactos que essas inovações podem trazer a curto e médio prazo. Ou seja, a urgência por profissionais torna o cenário bastante promissor, mas não deve ser a única motivação na hora de escolher essa carreira.

Isso também significa que, assim como qualquer outra profissão, não há garantia de sucesso, afinal a área de inteligência artificial também está vulnerável a passar por uma baixa e quem estiver preparado para se adaptar às mudanças pode estar na frente. 

O engenheiro de software do Nubank, Wesley Marinho, relata que um erro comum das pessoas que estão em busca de oportunidades para ingressar na área é pensar apenas em quais soluções de IA querem utilizar e não nos tipos de problemas que podem ser resolvidos com a tecnologia. 

“Como existe uma diversidade de soluções, com tecnologias diferentes, elas resolvem problemas específicos. Mas qual é o tipo de problema que você quer resolver? Por isso, olhe as diversas formas de resolver, identificando os problemas que têm afinidade. Quais são as técnicas utilizadas, pensando em quais áreas pode trabalhar. 

Nesse sentido, para ele, quem tem mais chance de ganhar destaque no mercado são os profissionais multidisciplinares – ou seja, aqueles que possuem um conhecimento mais amplo na área, habilidade de adaptação e que estão dispostos a se integrarem em diversos meios.  

Além disso, o professor da Unicamp ressalta que, antes de aplicar para uma vaga para trabalhar com IA, é essencial que o estudante ou profissional que deseja fazer uma transição de carreira priorize essa jornada sólida na educação.  

“Os caminhos superficiais escondem armadilhas para as pessoas e para a sociedade, por isso é tão importante ter uma preparação e formação técnica e ética”, completa Raimundo. 

Leia mais: 

Qual é a profissão do futuro? As habilidades que podem fazer a diferença no mercado de trabalho 

O que é plano de carreira e como fazer um?

Reconhecimento facial: como funciona essa tecnologia?

Este conteúdo faz parte da missão do Nubank de devolver às pessoas o controle sobre a sua vida financeira. Ainda não conhece o Nubank? Saiba mais sobre nossos produtos e a nossa história.