Pedir Conta e
Cartão de Crédito

em menos de 1 minuto
e grátis

Precisamos seu nome completo. Precisamos seu nome completo.
Precisamos do seu CPF Precisamos de um CPF válido
Precisamos do seu e-mail. Aqui precisamos de um email válido.
Ops. Está diferente do campo acima.
Para prosseguir, você deve concordar com as políticas de privacidade.

Complete os campos ao lado para pedir sua Conta e Cartão de crédito

Agora complete abaixo para pedir sua conta e cartão de crédito

Precisamos de um CPF válido
Precisamos seu nome completo. Precisamos seu nome completo.
Precisamos do seu e-mail. Precisamos de um email válido.
Ops. Está diferente do campo acima.
Para prosseguir, você deve concordar com as políticas de privacidade.

Início Seu Dinheiro PIB, IPCA e IGP-M: por q...

PIB, IPCA e IGP-M: por que você precisa entender essas três siglas em 2021

O PIB indica o quanto a economia está crescendo ou diminuindo, o IPCA e IGP-M mostram como isso está impactando o bolso das pessoas – e os três foram temas centrais em 2020.



Responder como vai a economia não é fácil e envolve muitos fatores. Mas há alguns grandes indicadores que ajudam a nortear essa resposta: entre eles, se destacam o PIB, o IPCA e o IGP-M.

Quem são eles? De forma simplificada:

  • PIB é a sigla para Produto Interno Bruto. Ele é a soma de todos os produtos e serviços finais produzidos em um país. Ou seja, quando você ouve que o PIB cresceu, é porque essa soma aumentou. Quando o PIB caiu, é porque a soma diminuiu.
  • IPCA significa Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo. Ele é o principal indicador da inflação no Brasil, porque mede a variação de preços de produtos e serviços. Se o IPCA sobe, é porque a média dos preços está aumentando.
  • IGP-M, finalmente, é o Índice Geral de Preços-Mercado. Ele também é um indicador da inflação, mas reflete a oscilação de preços em todos os estágios de produção – e não só quando eles chegam ao consumidor final. Ele também serve como o padrão para reajustar os contratos de aluguéis de imóveis.

Não é que eles sejam os três  índices mais importantes da economia. Mas ganham um destaque maior porque, juntos, desenham um bom retrato da situação econômica.

Enquanto o PIB indica o quanto a economia como um todo está crescendo ou diminuindo, o IPCA e IGP-M mostram como isso está impactando diretamente o bolso das pessoas.

E qual é o estado deles hoje? Vamos por partes.

1. PIB

O PIB é um valor monetário: ele cresce ou diminui sempre em relação ao período anterior – é por isso que você sempre ouve falar dele em porcentagens.

Por exemplo: um país fecha o primeiro trimestre com o PIB de US$100 bilhões: isso significa que, naqueles três meses, a soma de todos os produtos e serviços finais geraram esse valor. No trimestre seguinte, o valor foi de US$102 bilhões. Em outras palavras, o PIB cresceu 2%.

E como anda o PIB do Brasil?

No início de dezembro, o IBGE divulgou que o PIB do terceiro trimestre de 2020 subiu 7,7% – o maior aumento desde que os registros começaram. Sozinho, esse número pode causar bastante otimismo, mas ele não significa que a economia está recuperada, nem mesmo que a crise está próxima de melhorar.

A primeira coisa que precisa ser compreendida é o fator percentual. No segundo trimestre de 2020, o PIB caiu 9,6%. No trimestre anterior, havia caído também. Antes disso, cresceu bem pouquinho.

Ou seja, os 7,7% de aumento ainda mantêm o valor absoluto do PIB bem abaixo do que ele estava há cerca de um ano.

Além disso, quando se perde um valor percentual, a proporção fica diferente na hora de ganhar de volta. Por exemplo: se você tem R$10 e perde 10%, significa que perdeu R$1, ficando com R$9. Se, no mês seguinte, ganha 10%, essa porcentagem é aplicada ao novo valor de R$9. Portanto, seu novo valor final é de R$9,90 e não os R$10 originais.

Agora pense nisso aplicado a trilhões de reais. A perda absoluta é um pouquinho maior.

Outro fator importante para entender o aumento do PIB (e por que ele talvez não reflita um cenário positivo olhando pra frente) é o auxílio emergencial. O terceiro trimestre foi o período em que a maioria dos beneficiários do auxílio em mãos pelo menos uma parcela de R$600, o que estimulou o consumo.

Na próxima análise, esse já não será o caso: a maioria das pessoas agora recebe R$300 e não há clareza sobre como o auxílio ficará em 2021. Isso, mais a taxa recorde de desemprego (14,6%) sugerem que as pessoas devem comprar menos.

2. IPCA

Você deve ter reparado que o arroz foi o grande “vilão” dos alimentos em 2020: o saco de 5kg chegou a custar R$40 em alguns lugares. E não foi só ele: outros alimentos básicos do dia a dia dos brasileiros, como o óleo de soja e o feijão, também tiveram aumentos expressivos.

Quem registra essas altas todas é o IPCA. A sua variação mostra o aumento generalizado (em outras palavras, a inflação) dos preços para os consumidores finais – não só de alimentos, como também de combustíveis, vestuário, entre outros grupos.

E como anda o IPCA?

Em maio de 2020, o Brasil chegou a registrar deflação por dois meses consecutivos – ou seja, a média de preços caiu. Esse foi um reflexo da desaceleração da economia: o principal grupo em queda do IPCA era o dos combustíveis, puxado para baixo devido às restrições de viagens.

Já naquele momento, no entanto, o preço dos alimentos vinha crescendo – e continuou assim.

Em novembro, a inflação subiu 0,89%, a maior parcial para este mês em cinco anos. Entre os alimentos que mais subiram de preço, se destacam a batata-inglesa (29,65%) e o tomate (18,45%)

O dólar alto é um dos principais responsáveis. De forma simplificada, um dólar muito valorizado significa que os produtores de alimentos tendem a exportar mais – ou seja, vender mais para outros países, gerando uma escassez dos produtos aqui no Brasil.

Isso, associado ao aumento da demanda por alimentos básicos durante o período de quarentena, fez os preços se elevarem. Afinal, mais gente procurando e menos oferta de produto acaba gerando encarecimento.

A meta da inflação para o ano que vem é de 3,75%. Semana após semana, os especialistas do mercado vêm aumentando a projeção do IPCA.

Mas vale lembrar que existe uma margem para cima e para baixo da meta: de acordo com a regra atual, se a inflação oscilar entre 2,25% e 5,25% no ano que vem, ela continua sendo cumprida.

3. IGP-M

O motivo para tanta gente prestar atenção no IGP-M no dia a dia é que, como padrão, ele é o índice usado para reajustes dos contratos de aluguéis.

Em outras palavras: se o seu aluguel é de R$1.000 e o IGP-M aumenta 10% no período de ajuste do seu contrato, o dono do imóvel pode passar a cobrar R$1.100.

E como anda o IGP-M?

Bom, ele não aumentou só 10%. O aumento acumulado nos últimos 12 meses foi de quase 25%, segundo a FGV. Ou seja, aquele aluguel de R$1.000 poderia, na verdade, passar para R$1.250.

O efeito das commodities (bens de consumo negociadas em bolsas de valores no mundo todo, como o milho e a soja) é um dos que mais vêm mexendo no ponteiro do índice.

Elas vêm sendo mais exportadas, também graças à alta do dólar e ao aumento do consumo no exterior, deixando o preço mais caro aqui no Brasil.

Para os locatários, existe margem para negociação. Quem tem contrato de aluguel prestes a completar aniversário pode negociar com o proprietário ou imobiliária para que o valor não suba tanto quanto o IGP-M – afinal, ele está muito mais elevado que o IPCA, que reflete um retrato mais fiel da inflação no país.

Existem até imobiliárias que começaram a propor o IPCA como índice para reajuste no contrato. Quem chega à conversa munido de informações consegue mais cartas na manga na hora de negociar.

Resumindo

A crise não acabou. E o Brasil e o mundo ainda devem sentir seus efeitos por um bom tempo. O momento ainda é de muitas incertezas, com perguntas em aberto a respeito de como lidaremos com a Covid-19 em 2021.

Mas uma coisa é certa: se manter informado sobre o que está acontecendo é um passo essencial para passar por esse período da melhor forma possível.

Este conteúdo faz parte da missão do Nubank de devolver às pessoas o controle sobre a sua vida financeira Saiba mais sobre nossos produtos e a nossa história.

4.55

Esse artigo foi útil? Avalie

Obrigado pela avaliação

Você já votou neste post