Pedir Conta e
Cartão de Crédito

em menos de 1 minuto
e grátis

Precisamos seu nome completo. Precisamos seu nome completo.
Precisamos do seu CPF Precisamos de um CPF válido
Precisamos do seu e-mail. Aqui precisamos de um email válido.
Ops. Está diferente do campo acima.
Para prosseguir, você deve concordar com as políticas de privacidade.

Complete os campos ao lado para pedir sua Conta e Cartão de crédito

Agora complete abaixo para pedir sua conta e cartão de crédito

Precisamos de um CPF válido
Precisamos seu nome completo. Precisamos seu nome completo.
Precisamos do seu e-mail. Precisamos de um email válido.
Ops. Está diferente do campo acima.
Para prosseguir, você deve concordar com as políticas de privacidade.

Início Seu Dinheiro O que se sabe até agora ...

O que se sabe até agora sobre a “nova CPMF”?

Só se fala nela: o que é este novo imposto proposto pelo governo, como ele afeta a vida de cada um e o que tem a ver com a CPMF original.



Para ver um brasileiro tremer, basta juntar quatro letras: CPMF. Um dos impostos com pior fama no país, a Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira foi extinta em 2007 – mas voltou a ser assunto em 2020, com as discussões sobre a tal “nova CPMF”.

Apesar da má reputação, não é tanta gente que entende, de fato, o que foi esse tributo. Em 2016, apenas 35% das pessoas sabiam explicar o que era a CPMF, segundo uma pesquisa da Confederação Nacional da Indústria (CNI).

Ainda assim, 73% dos entrevistados a consideravam injusta, por “afetar a todos independentemente do nível de renda.”

A nova CPMF, como vem sendo apelidada uma proposta do governo de novo imposto digital, tem alguns pontos em comum com a original, mas não é a mesma coisa. Entenda, a seguir, o que já se sabe sobre ela.

Mas, antes… O que é CPMF?

A CPMF foi um tributo que existiu entre 1997 e 2007 no Brasil. Criada para cobrir gastos do governo relacionados à saúde (embora também tenha financiado outros setores, como a Previdência Social), a cobrança incidia sobre várias movimentações bancárias – como pagamentos de boletos e faturas, empréstimos, TEDs e DOCs, financiamentos e saques. 

Na prática: toda vez que alguém realizava uma operação financeira que se encaixasse nos critérios do imposto, havia uma cobrança percentual sobre o valor daquela operação.

A alíquota da CPMF começou em 0,2% e chegou a até 0,38%. Se uma pessoa, por exemplo, contratasse um empréstimo de R$10 mil, a cobrança do tributo seria de R$38.

Entre os pontos considerados vantajosos da CPMF, destacavam-se a arrecadação rápida (já que ela incidia em diversas operações diariamente) e a dificuldade de sonegação.

Uma das principais desvantagens, no entanto, era o fato de que o tributo penalizava mais a camada mais pobre da população: quem realizava as operações financeiras eram as empresas, que, por sua vez, repassavam o custo para os preços dos produtos.

O que é a nova CPMF?

A nova CPMF é o apelido dado a um novo imposto que está sendo discutido em meio à Reforma Tributária. A ideia do Ministério da Economia é criar uma cobrança sobre operações digitais e, em contrapartida, diminuir parte dos tributos que as empresas têm sobre suas folhas de salários.

A defesa do governo é que reduzir os gastos das empresas com seus funcionários poderá gerar empregos e diminuir a informalidade.

Nova CPMF: o que se sabe até agora

Até o momento, quase todas as informações sobre esse novo imposto são apenas especulação. O ministro Paulo Guedes vem comentando o tema em entrevistas, mas a proposta oficial virá apenas quando o governo encaminhar as próximas etapas da Reforma Tributária para a votação do Congresso – são quatro fases no total e só a primeira já foi apresentada.

As informações já comentadas pelo governo sobre a nova CPMF são:

  • A alíquota do imposto deverá ser de 0,2%;
  • Para as empresas, deve haver uma redução da contribuição previdenciária de 20% sobre a folha de salários;
  • Entre as operações digitais que podem ser tributadas, já foram citadas as compras por comércio eletrônico (e-commerce) e os pagamentos de serviços de streaming;
  • A projeção de arrecadação é de até R$ 120 bilhões por ano.

Atualmente, as chances de o imposto ser aprovado no Congresso aparentam ser baixas. No seminário Indústria em Debate, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, disse: “Nós vamos voltar à mesma equação que foi de 1996 a 2004, 9% de aumento da carga tributária”.

O governo, por outro lado, diz que o novo imposto digital só será criado se não houver aumento.

Este conteúdo faz parte da missão do Nubank de devolver às pessoas o controle sobre a sua vida financeira. Ainda não conhece o Nubank? Saiba mais sobre nossos produtos e a nossa história.

4.4

Esse artigo foi útil? Avalie

Obrigado pela avaliação

Você já votou neste post