Pedir Conta e
Cartão de Crédito

em menos de 1 minuto
e grátis

Precisamos seu nome completo. Precisamos seu nome completo.
Precisamos do seu CPF Precisamos de um CPF válido
Precisamos do seu e-mail. Aqui precisamos de um email válido.
Ops. Está diferente do campo acima.
Para prosseguir, você deve concordar com as políticas de privacidade.

Início Seu Dinheiro Dicionário Financeiro IPCA e IGP-M: o que são ...

IPCA e IGP-M: o que são e quais as diferenças entre eles?

Os dois medem a variação de preços de produtos e serviços consumidos pela população – então por que às vezes têm diferenças tão gritantes? Entenda as diferenças entre IPCA e IGP-M.



Quem nunca levou um susto ao se deparar com a alta no preço de algum produto no supermercado de um mês para o outro? O preço do arroz, do combustível e até do material escolar das crianças sofre variações que nem sempre acompanham o nosso bolso – essas variações, entre muitas outras, são medidas por índices chamados IPCA e IGP-M. 

O IPCA e o IGP-M são índices que medem a inflação e mostram como está o custo de vida da população diante das variações nos preços de produtos e serviços.

Ganhe controle sobre suas finanças: assine nossa newsletter para receber conteúdo exclusivo.

Mas isso não significa que eles sejam sempre iguais – aliás, pode haver uma discrepância enorme, dependendo das circunstâncias. Em abril de 2022, por exemplo, o acumulado de 12 meses do IPCA foi de 12,13%. Já o IGP-M ficou em 14,66% no mesmo período.

Se ambos medem a variação de preços, como isso é possível? Afinal, qual deles reflete a inflação de verdade?

Para responder, é preciso entender como eles são formados e os fatores que influenciam no cálculo.

O que são IPCA e IGP-M, exatamente?

Tanto o IPCA quanto o IGP-M são indicadores que calculam e indicam a variação de preços.

  • IPCA é o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo. Calculado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), é considerado o índice oficial de inflação no Brasil. Ele mede a variação de preços de produtos e serviços para o comprador final.
  • IGP-M é a sigla para Índice Geral de Preços-Mercado. Ele é calculado e divulgado mensalmente pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas (FGV IBRE) e foi concebido para ser uma medida abrangente da variação de preços, englobando diversas etapas de uma cadeia produtiva – ou seja, abrange não só os preços que chegam na ponta final de venda, como também os do meio do processo.

Em outras palavras, a principal diferença entre os dois é que, enquanto o IPCA considera a variação de preços de produtos e serviços para o consumidor final, o IGP-M leva em conta a oscilação de preços em todos os estágios de produção

A seguir, veja como os dois indicadores funcionam e de que forma esses números impactam o seu dia a dia.

Como o IPCA é calculado?

O IPCA mede a variação de preços de uma cesta de produtos e serviços consumidos pela população. Em outras palavras, ele calcula as mudanças de preços de vários tipos de itens que as pessoas compram – como alimentos, roupas e artigos de residência, por exemplo.

Todos os meses, o IBGE pesquisa o que as famílias com renda mensal entre 1 e 40 salários mínimos consomem – desde gastos com alimentação e água, por exemplo, até transporte e salão de beleza – e mede o quanto do rendimento das pessoas tem sido usado para esse consumo. 

O cálculo considera as regiões metropolitanas de 16 capitais: São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Porto Alegre, Curitiba, Salvador, Recife, Fortaleza, Belém, Vitória, Goiânia, Campo Grande, Rio Branco, São Luís, Aracaju e Brasília. Mas os valores têm abrangência nacional, e valem para todo o país.

Nesse cálculo, cada produto tem um peso diferente de acordo com sua presença na cesta de consumo média da população. Produtos amplamente utilizados (como água e alimentação) têm um peso maior, enquanto produtos menos consumidos, como os que estão relacionados à comunicação e vestuário, por exemplo, pesam menos.

Nem sempre a cesta de produtos e serviços considerada pelo IBGE será idêntica aos seus gastos mensais, mas a ideia é que ela espelhe como os brasileiros consomem mensalmente, e quanto o custo de vida aumentou em média de um mês para o outro. 

Até abril de 2022, o IPCA acumulado em 12 meses era de 12,13%. Então a notícia que você viu por aí sobre o aumento da inflação estava se referindo a esse indicador.

Como o IGP-M é calculado?

O IGP-M é composto por três indicadores, cada um com um peso diferente no cálculo. São eles:

  • IPA-M (Índice de Preços ao Produtor Amplo do Mercado): preços de produtos industriais e agrícolas no setor de atacado, como minério de ferro, cana de açúcar e milho.
  • IPC-M (Índice de Preços ao Consumidor-Mercado): preços de bens e serviços que compõem as despesas comuns de famílias, como alimentos e produtos de limpeza.
  • INCC-M (Índice Nacional do Custo da Construção-Mercado): valor dos custos de construções de imóveis, como materiais, equipamentos e mão de obra.

E qual é o peso de cada um desses indicadores no IGP-M? 

O cálculo do IGP-M é composto por 60% do IPA-M, 30% do IPC-M e 10% do INCC-M. Calma, essa sopa de letrinhas pode ser resumida focando no que mais importa. 

Como o IPA-M tem um peso maior nessa composição, quando os preços dos produtos industriais e agrícolas sobem no atacado, isso reflete diretamente no IGP-M.

Em 2021, o IGP-M acumulou alta de 17,78%.

Como isso afeta o seu bolso? 

O IGP-M costuma ser usado no reajuste de contratos de aluguéis de imóveis e de algumas tarifas públicas, como a conta de luz. Ou seja, se ele cresce muito em relação à inflação oficial do país (medida pelo IPCA), o reajuste destas contas pode crescer muito além do poder de compra da população.

No caso dos aluguéis, em uma situação em que o IGP-M está muito acima do IPCA, como em 2021, muitas vezes existe margem para tentar negociar com o proprietário ou imobiliária e propor um reajuste abaixo do IGP-M.

Atualmente, existe uma proposta em andamento no Congresso Nacional para impedir que o reajuste de aluguéis fique acima do IPCA.

IPCA e IGP-M: por que eles estão tão diferentes? 

Resposta curta: a alta do dólar em relação ao real brasileiro. O IPCA e o IGP-M são retratos da inflação de um determinado período, mas esses retratos são feitos a partir de diferentes ângulos e a cotação da moeda americana é um fator importante.

Diferentemente do IPCA, o IGP-M é formado por indicadores que medem as variações de preço de toda a cadeia produtiva (atacado, consumidor e produtor), então a alta do dólar acaba tendo mais influência sobre esse índice. 

Isso acontece porque, com o aumento do preço de insumos e matérias-primas, o custo da produção aumenta. Ao mesmo tempo, fica mais vantajoso para produtores exportarem sua mercadoria do que vendê-la para o mercado interno.

E aí, é a velha lei da oferta e da procura. A oferta de produtos para o mercado brasileiro fica reduzida, e o consumidor sente no bolso tanto o custo elevado para a produção das mercadorias quanto a escassez de algumas delas, que agora são vendidas para o mercado externo.

Concluindo: o IPCA e o IGP-M medem a inflação, mas fazem recortes diferentes.

Como o IGP-M considera as variações de preços que atingem não só o consumidor final, mas toda a cadeia produtiva, quando o real está desvalorizado e o dólar sobe demais, ele tende a se distanciar do IPCA – já que este considera apenas as variações de preços de produtos e serviços consumidos pela população.

Leia mais:

Entenda a relação entre os reajustes dos aluguéis e o IGP-M

Por que o arroz subiu mais que a inflação? Entenda a alta dos preços

Por que a Bolsa de Valores está batendo recorde e como isso te afeta?


Este conteúdo faz parte da missão do Nubank de devolver às pessoas o controle sobre a sua vida financeira. Ainda não conhece o Nubank? Saiba mais sobre nossos produtos e a nossa história.

4.58

Esse artigo foi útil? Avalie

Obrigado pela avaliação

Você já votou neste post