Pedir Conta e
Cartão de Crédito

em menos de 1 minuto
e grátis

Precisamos seu nome completo. Precisamos seu nome completo.
Precisamos do seu CPF Precisamos de um CPF válido
Precisamos do seu e-mail. Aqui precisamos de um email válido.
Ops. Está diferente do campo acima.
Para prosseguir, você deve concordar com as políticas de privacidade.

Início Seu Dinheiro Nova gasolina – o ...

Nova gasolina – o que ela tem a ver com seu bolso?

O combustível deve ficar cerca de 1,5% mais caro no Brasil - mas a promessa é que, com novas regras, a gasolina tenha mais qualidade e renda até 6% mais. Entenda o que muda.

A partir de 3 de agosto de 2020, a gasolina produzida em refinarias do Brasil ou importada para ser distribuída em território nacional, deve seguir um novo padrão para ser disponibilizada nos postos de abastecimento. A nova gasolina tem mais qualidade e, por isso, ajuda a evitar alguns problemas mecânicos e ainda garante menor consumo de combustível.

A contrapartida é o preço. Segundo o Ministério de Minas e Energia (MME), o cliente pode pagar, em média, R$ 0,06 a mais por litro na hora de abastecer – um aumento em torno de 1,5%. De acordo com a Petrobras, a expectativa é de que o combustível tenha um rendimento 6% maior do que o atual.

O que muda na nova gasolina?

O que muda na nova gasolina é a sua especificação – em termos técnicos, a massa e a octanagem. A Resolução 807/20 da ANP (Agência Nacional do Petróleo), publicada no início de 2020, determina que o combustível tenha massa específica mínima de 715 kg/m³ e octanagem mínima de 92 octanas.

Parece confuso, não é?

Em outras palavras: a massa específica é a densidade, e a octanagem mede a resistência do produto à combustão. Ou seja, quanto maior a octanagem, mais o combustível aceita taxas de compressão e, assim, entrega mais desempenho.

Em termos técnicos, a porcentagem de etanol anidro (que possui 99,6% de álcool puro) permanece em 27% para as gasolinas comum e aditivada e em 25% para a gasolina premium. 

Segundo a Petrobras, com a nova gasolina o consumo médio deve reduzir cerca de 6% e a qualidade do combustível comercializado no Brasil promete se aproximar ao do mercado dos Estados Unidos e da Europa.

E como fica o preço da gasolina?

A gasolina vai ficar, sim, mais cara. Porém, de acordo com a ANP, será um combustível mais eficiente, que permite que um automóvel percorra mais quilômetros por litro e evita danos ao motor.

Segundo o último levantamento feito pela Agência Nacional do Petróleo, em julho, o preço da gasolina no Brasil estava em R$ 4,144 por litro. Com o aumento de R$ 0,06, o preço sobe 1,45%, e passa a ser de R$ 4,204 por litro.

Isso quer dizer que a gasolina comercializada era ruim?

Mais ou menos. É que antes era permitido misturar componentes – o que  influenciava no preço e na qualidade do produto oferecido. Alguns postos já ofereciam a gasolina dentro do novo padrão. Nesse caso, a diferença no valor pago e no rendimento não muda muito.

A norma da nova gasolina é mais rigorosa e evita que combustíveis de baixa qualidade sejam comercializados.

É importante lembrar que outros fatores também podem influenciar no preço do produto, como o valor do dólar, a cotação internacional do petróleo e impostos sobre a gasolina, por exemplo.

Os postos têm até 90 dias para terminar de vender o estoque atual e passar a vender a nova gasolina. Segundo a ANP (Associação Nacional do Petróleo), a empresa que for pega comercializando gasolina antiga após esse prazo, está sujeita a processo administrativo, e poderá pagar multa de R$ 20 mil a R$ 5 milhões. 

Vale dizer que a nova gasolina não tem um nome diferente e, visualmente, é igual à antiga.

Este conteúdo faz parte da missão do Nubank de devolver às pessoas o controle sobre a sua vida financeira. Ainda não conhece o Nubank? Saiba mais sobre nossos produtos e a nossa história.

4.69

Esse artigo foi útil? Avalie

Obrigado pela avaliação

Você já votou neste post