Pedir Conta e
Cartão de Crédito

em menos de 1 minuto
e grátis

Precisamos seu nome completo. Precisamos seu nome completo.
Precisamos do seu CPF Precisamos de um CPF válido
Precisamos do seu e-mail. Aqui precisamos de um email válido.
Ops. Está diferente do campo acima.
Para prosseguir, você deve concordar com as políticas de privacidade.

Complete os campos ao lado para pedir sua Conta e Cartão de crédito

Agora complete abaixo para pedir sua conta e cartão de crédito

Precisamos de um CPF válido
Precisamos seu nome completo. Precisamos seu nome completo.
Precisamos do seu e-mail. Precisamos de um email válido.
Ops. Está diferente do campo acima.
Para prosseguir, você deve concordar com as políticas de privacidade.

Início Seu Dinheiro Por que o preço do petró...

Por que o preço do petróleo impacta tanto a economia?

Na semana em que as bolsas do mundo todo caíram, muita desinformação circulou. Entenda o papel do petróleo nessa crise e como ele afeta tanto a economia global.



O ano de 2020 começou com um susto atrás do outro para a economia: impacto do coronavírus sobre as bolsas, alta do dólar e, no dia 9 de março, a bolsa de valores brasileira entrou em circuit breaker após uma desvalorização de mais de 10%. Nessa queda, refletida também em outras economias ao redor do planeta, o petróleo apareceu como personagem principal.

O problema é que o mercado financeiro é complexo. Por isso, muita gente não sabe o que está acontecendo, gerando um campo fértil para informações equivocadas circularem e alimentarem a confusão.

Para ajudar a esclarecer, entenda, a seguir, de que forma o petróleo impacta as bolsas.

O papel do petróleo na economia

O petróleo é uma das principais commodities (ou matérias-primas) negociadas no mundo. Em 2015, ele movimentou mais de US$ 1,7 trilhão na economia global – para efeito de comparação, todo o mercado de metal, somado (incluindo ouro, alumínio, ferro etc), representa apenas um terço disso.

Ou seja: qualquer flutuação nesse mercado que saia da curva esperada tem efeitos imediatos em escala mundial – afinal, praticamente todos os países do mundo participam da compra e venda.

Como é definido o preço do petróleo?

O preço do barril de petróleo é estabelecido no mercado internacional e, portanto, em dólar.

A definição do valor depende de vários fatores, mas é essencialmente baseada em um modelo econômico simples: a lei da oferta e da demanda.

Isso significa que existe um setor com enorme influência sobre esse preço: os grandes países produtores, parte deles representados pela Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep), criada na década de 1960 para fortalecer as nações produtoras – já que, nessa época, quem controlava o mercado  eram as empresas americanas e europeias.

Como a Opep mexe o ponteiro

Hoje, fazem parte da Opep 15 países, incluindo os cinco originais: Arábia Saudita (o principal produtor), Irã, Kuwait, Iraque e Venezuela.

Por estarem entre os maiores exportadores do mundo, eles conseguem tomar decisões que impactam muito o mercado do petróleo.

Por exemplo: de janeiro de 2017 a julho de 2018, as nações da Opep vinham mantendo a produção média relativamente baixa, buscando diminuir a oferta para aumentar o preço – o valor do barril chegou a US$ 80 em maio de 2018, comparado a US$ 46 no fim de 2016.

Eles são os únicos produtores? Não. Os Estados Unidos, por exemplo, produzem mais petróleo do que a Arábia Saudita, mas consomem tanto internamente que ainda precisam importar. Outros países, como Rússia, China, Brasil e México, também figuram na lista.

Acontece que, juntas, as nações da Opep conseguem unir um poder de barganha enorme quando decidem algo. Somadas, elas representam aproximadamente um terço de toda a produção de petróleo do mundo.

OK, mas o que isso tem a ver com a queda das bolsas?

Em linhas gerais: com a disseminação do coronavírus Covid-19, a procura por petróleo no mundo caiu – afinal, em países bem afetados pela doença, como China, Coreia do Sul e Itália (sendo que os dois primeiros estão entre os maiores consumidores do mundo), as determinações de quarentena significam menos gente circulando e, consequentemente, menos demanda por combustível.

Ou seja – o estoque de petróleo vem aumentando e o preço do barril começou a cair. No meio de fevereiro, chegou a US$ 53, tendo começado 2020 a US$ 66.

Com isso no radar, os grandes produtores começaram uma discussão sobre que medidas tomar. Até a semana passada, os dois principais protagonistas, Arábia Saudita e Rússia, defendiam pontos de vista distintos:

  • A Arábia Saudita propunha uma diminuição na produção, para impedir o acúmulo de estoque e, consequentemente, a maior queda de preços.
  • A Rússia propunha deixar o preço cair para estimular a competição com o xisto, outro produto do mercado de energia.

Ainda que não seja uma nação membro da Opep, a Rússia é uma aliada da organização e rejeitou a proposta da Arábia Saudita.

A Rússia, a Arábia Saudita e a crise

As negociações chegaram em seu limite no fim de semana do dia 8 de março, quando a Arábia Saudita começou uma guerra de preços: o país anunciou publicamente que iria aumentar a produção e diminuir os preços.

O problema: com isso, houve uma reação em cadeia que fez a cotação do petróleo despencar. O preço chegou a cair 30% no início da segunda-feira, dia 9, passando de aproximadamente US$ 45 para US$ 34.

Com isso, as bolsas do mundo inteiro sofreram impacto – a de Tóquio caiu cerca de 5%, a de Sydney, 7% e a de Londres, na casa dos 6%.

No Brasil, a queda chegou a mais de 10%, o que ativou um circuit breaker na B3 – ou seja, as negociações foram interrompidas por um período de 30 minutos (explicamos esse conceito em mais detalhes aqui). O mesmo aconteceu nos Estados Unidos, que não ativava um circuit breaker há mais de 20 anos.

Por que as bolsas caíram desse jeito?

Países que produzem petróleo e têm parte de sua receita dependente dos royalties de produção foram fortemente afetados – afinal, se o preço do barril despenca subitamente, essa entrada de dinheiro diminui sem planejamento.

O efeito imediato disso é o afastamento dos investidores, que, ao verem a instabilidade, vendem ações e outras aplicações de maior risco. Com essa liquidação acelerada de ativos, as bolsas perdem valor.

É preciso lembrar, também, que muito do que acontece nas bolsas de valores é movido pelas percepções dos investidores, que já vinham em um clima de insegurança devido ao coronavírus. A pouca confiança no mercado acabou gerando mais instabilidade.

O dia depois da queda

No dia seguinte, os mercados ensaiaram recuperação: no Brasil, a Bolsa chegou a uma alta de mais de 4%, o dólar baixou e as ações da Petrobras (que, na véspera, tinham despencado mais de 30%) voltaram a subir. O mesmo aconteceu em países asiáticos e europeus.

A expectativa ao redor do mundo é que, para prevenir uma nova crise, os governos e organizações mundiais preparem medidas de estímulo para proteger a economia.

O importante, nesse cenário, é não entrar em pânico – e a melhor forma de fazer isso é se informando. Temos alguns artigos que ajudam a entender o funcionamento da bolsa e o impacto do coronavírus. Que tal começar por eles?

Como funciona a bolsa de valores?

Entendendo o mundo das ações

Por que o coronavírus impacta a economia?

4.82

Esse artigo foi útil? Avalie

Obrigado pela avaliação

Você já votou neste post