Pedir Conta e
Cartão de Crédito

em menos de 1 minuto
e grátis

Precisamos seu nome completo. Precisamos seu nome completo.
Precisamos do seu CPF Precisamos de um CPF válido
Precisamos do seu e-mail. Aqui precisamos de um email válido.
Ops. Está diferente do campo acima.
Para prosseguir, você deve concordar com as políticas de privacidade.

Início Seu Dinheiro Ajuda MEI, auxílio emer...

Ajuda MEI, auxílio emergencial e crédito: as medidas anunciadas para ajudar a economia brasileira na pandemia

Iniciativas procuram ajudar população mais vulnerável e as pequenas e médias empresas do país. Saiba mais.

A pandemia do novo Coronavírus, o Covid-19, já chegou a mais de 170 países e 800 mil casos, segundo a OMS. 

Isolamento social e quarentena são as principais recomendações das autoridades para conter o avanço e achatar a curva de contágio da doença. Diversas cidades, em todo o mundo, já adotam também medidas como o funcionamento apenas de serviços essenciais (mercados, farmácias e hospitais) – e, nesse cenário, governos de todo o mundo anunciaram medidas para manter a economia em movimento e minimizar os efeitos negativos.

O Brasil também anunciou três grandes incentivos econômicos:

  • Auxílio de R$600 para trabalhadores informais;
  • R$40 bilhões em empréstimos para PMEs;
  • R$5 bilhões em empréstimos do BNDES para micro, pequenas e média empresas;
  • Suspensão no reajuste de preços de medicamentos por 60 dias.

Confira detalhes abaixo:

1. Auxílio emergencial de R$ 600 a informais

Já sancionada pela presidência, a medida prevê o pagamento a trabalhadores informais e MEIs de um benefício de R$ 600 por mês. Ele será um auxílio que tem como principal objetivo proteger e auxiliar os trabalhadores mais vulneráveis durante as incertezas causadas pela pandemia do Coronavírus.

Ele ainda não entrou em vigor: ainda é necessário que o projeto seja publicado no Diário Oficial da União. 

Como funciona o auxílio emergencial?

Se trata de um novo benefício temporário. Ele prevê o pagamento de R$600 por mês, durante três meses, a trabalhadores informais que possam ser impactados pelas mudanças causadas pela pandemia do novo Coronavírus, o Covid-19. 

Inicialmente, ele deve ser pago por três meses, mas sua duração pode ser prolongada a depender da situação econômica do país.

Ele é limitado a duas pessoas da família; ou seja: por núcleo familiar, o auxílio será limitado a R$ 1.200. Existe uma exceção: mulheres que sejam mães e chefes de família poderão receber, individualmente, dois benefícios. 

Para solicitar o benefício é preciso se encaixar em alguns critérios (como não ter emprego formal; não receber benefício previdenciário ou assistencial e estar abaixo do teto de renda.)

Veja mais detalhes, regras e condições do auxílio aqui.

2. R$ 40 bilhões em empréstimos para PMEs

A medida consiste em uma linha de crédito emergencial, no valor total de R$ 40 bilhões, destinada para pequenas e médias empresas – isto é, com faturamento anual entre R$ 360 mil e R$10 milhões. Esse empréstimo deverá ser usado exclusivamente para o financiamento de folhas de pagamento, o salário dos funcionários. Por isso, o valor será repassado direto aos empregados e não passará pelo caixa das empresas.

O programa é limitado a 2 salários mínimos por funcionários: ou seja, as empresas conseguirão empréstimos com taxas especiais para cobrir até 2 salários mínimos por funcionário. Se contratarem o empréstimo, elas ficam proibidas de demitir funcionários por dois meses. 

Os recursos dessa linha de crédito virão do Tesouro Nacional (75% do total) e de bancos privados (15%). O governo repassará recursos aos bancos para que eles ofereçam essa linha de crédito com condições especiais às empresas; a contratação, assinatura de papeis e repasse fica por conta dos próprios bancos. 

Quais as condições dessa linha de crédito emergencial para PMEs?

  • Juros de 3,75% ao ano;
  • 6 meses de carência;
  • 36 meses para realizar o pagamento do empréstimo.

Aqui, mais detalhes sobre a medida, suas regras e como ela deve funcionar.

3. R$ 5 bilhões do BNDES para micro, pequenas e médias empresas

Além dos R$ 40 bilhões em crédito para financiar as folhas de pagamento de funcionários, as pequenas e médias empresas – e, neste caso, também as micro – também contarão com uma linha de crédito do BNDES, de até R$ 5 bilhões, para ser usada em capital de giro.

As condições são as seguintes:

  • o capital de giro é voltado tanto a microempresas quanto àquelas que têm faturamento anual de até R$ 300 milhões;
  • a carência de pagamento é de até 24 meses e o prazo total para pagamento, de 60 meses;
  • o limite de crédito por cliente é de R$ 70 milhões.

Essa linha de crédito também será oferecida por instituições financeiras públicas, privadas e cooperativas. É possível acompanhar, neste site do BNDES, quais são as instituições e qual a taxa cobrada de cada uma delas.

Vale dizer: são essas instituições que decidem conceder ou não o crédito às empresas, não o BNDES – no caso de negativa, entretanto, é necessária uma justificativa detalhada. Aqui o BNDES explica melhor essa iniciativa. 

4. Suspensão do reajuste de preços de medicamentos por 60 dias

Todo o ano, os mais diversos medicamentos sofrem reajuste de preços, definido pela Câmara de Regulação de Mercado de Medicamentos (CMED); ele passa a valer sempre a partir do dia 1o de abril.

Neste ano, através da Medida Provisória 933/2020, o governo suspendeu esse reajuste por 60 dias.

Quer saber mais sobre o Covid-19?

Este conteúdo faz parte da missão do Nubank de devolver às pessoas o controle sobre a sua vida financeira. Ainda não conhece o Nubank? Saiba mais sobre nossos produtos e a nossa história aqui.

3.82

Esse artigo foi útil? Avalie

Obrigado pela avaliação

Você já votou neste post