Pedir Conta e
Cartão de Crédito

em menos de 1 minuto
e grátis

Precisamos seu nome completo. Precisamos seu nome completo.
Precisamos do seu CPF Precisamos de um CPF válido
Precisamos do seu e-mail. Aqui precisamos de um email válido.
Ops. Está diferente do campo acima.
Para prosseguir, você deve concordar com as políticas de privacidade.

Complete os campos ao lado para pedir sua Conta e Cartão de crédito

Agora complete abaixo para pedir sua conta e cartão de crédito

Precisamos de um CPF válido
Precisamos seu nome completo. Precisamos seu nome completo.
Precisamos do seu e-mail. Precisamos de um email válido.
Ops. Está diferente do campo acima.
Para prosseguir, você deve concordar com as políticas de privacidade.

Início Seu Dinheiro O que e Copom, o Comite ...

O que é Copom, o Comitê de Política Monetário?

A última reunião do Copom manteve a taxa Selic em 2%. Entenda o que isso tem a ver com a inflação.



A cada 45 dias, os jornais brasileiros repercutem incansavelmente o resultado da reunião do Copom, o Comitê de Política Monetária do Banco Central.

Ele define, em cada reunião, em quanto ficará a taxa Selic – e, embora seja uma decisão que impacta diretamente seu bolso, nem todo mundo sabe o que é o Copom e por que a Selic é tão importante.

O Copom foi criado em 1996 com o objetivo de tornar as decisões relacionadas à política monetária mais transparentes e de criar um ritual em torno dessas decisões.

Os objetivos do Comitê, segundo o BC, são os seguintes:

  1. Estabelecer as diretrizes da política monetária;
  2. E definir a meta para a taxa básica de juros no Brasil (a Selic), que pode sofrer uma redução, aumento ou ficar estável.

Como assim?

Variações na Selic ajudam a controlar a inflação, portanto, os objetivos do Copom estão alinhados com as metas para a inflação e são definidos pensando em garantir que elas sejam atingidas.

E como essa decisão é tomada? A partir de dados, análises e perspectivas técnicas sobre a inflação, atividade econômica, contas públicas e cenário externo.

Mudanças na Selic afetam todos os setores da economia e todos os brasileiros – e é por isso que muitas pessoas participam dessa decisão.

Como funciona o Copom

Ao longo de um ano, são feitas oito reuniões – cada uma delas dividida em duas partes: na primeira, são apresentados dados sobre a economia brasileira e mundial; na segunda, são avaliadas as perspectivas de inflação e a decisão sobre a Selic é tomada.

Fazem parte do Copom os membros da Diretoria Colegiada do Banco Central:

  • o presidente do Banco Central;
  • o diretor de Política Monetária;
  • o diretor de Política Econômica;
  • o diretor de Assuntos Internacionais e Gestão de Riscos Corporativos;
  • o diretor de Organização do Sistema Financeiro e Controle de Operações do Crédito Rural;
  • o diretor de Fiscalização;
  • o diretor de Regulação;
  • o diretor de Relacionamento Institucional e Cidadania;
  • o diretor de Administração.

Copom e Selic: como isso me afeta?

O Copom define, a cada 45 dias, a taxa Selic – e a Selic tem impacto direto no seu bolso. Qualquer decisão tomada no Copom, portanto, também atingirá os consumidores.

Como taxa de juros básica da economia, a Selic é uma ferramenta do Banco Central para controlar a inflação e deixá-la mais próxima da meta. Por isso, a Selic afeta as principais operações financeiras do país, como:

  • rendimentos de aplicações em títulos públicos;
  • rendimentos em investimentos de renda fixa;
  • empréstimos interbancários (entre os bancos);
  • empréstimos dos bancos para o governo federal;
  • juros cobrados pelo uso do cheque especial.

Os efeitos da mudança da Selic são sentidos por todos os brasileiros, bancos e até investidores estrangeiros.

O que acontece se a Selic diminui:

  • O rendimento de títulos do Tesouro Direto e investimentos de renda fixa pós-fixada fica menor;
  • O crédito fica mais acessível, já que os bancos tendem a abaixar as taxas de juros;
  • A inflação tende a subir.

O que acontece se a Selic aumenta:

  • Os investidores e bancos se dão bem, já que os rendimentos das aplicações financeiras em Renda Fixa e no Tesouro Direto aumentam;
  • Os preços tendem a baixar ou ficar estáveis, como uma consequência do controle da inflação;
  • Os juros de crédito, parcelamento e cheque especial ficam mais altos.

A poupança também sofre os efeitos das mudanças na Selic. Isso porque seu rendimento está diretamente atrelado à taxa:

  • Se a Selic estiver acima de 8,5% ao ano: a poupança rende 0,5% sobre o valor depositado + Taxa Referencial;
  • Se a Selic estiver igual ou abaixo de 8,5% ao ano: a poupança rende 70% da Selic + TR.

As mudanças na Selic são necessárias pois a economia não é estável – e, por isso, é preciso adequá-la ao cenário para que exista um equilíbrio, para garantir que o dinheiro continue circulando e que a meta de inflação para o ano seja atingida.

Um exemplo prático: quando a Selic aumenta e o acesso ao dinheiro (crédito, empréstimos, financiamentos…) fica menor, o consumidor para de fazer maiores gastos. No longo prazo, essa estratégia controla a inflação por gerar menor demanda e, consequentemente, oferta mais barata.

A última mudança foi em agosto de 2020, quando o Copom reduziu a Selic de 2,25% para 2%. Desde então, a taxa permaneceu assim até a última reunião do ano, em 9 de dezembro.

Este conteúdo faz parte da missão do Nubank de devolver às pessoas o controle sobre a sua vida financeira. Ainda não conhece o Nubank? Saiba mais sobre nossos produtos e a nossa história aqui.

4.35

Esse artigo foi útil? Avalie

Obrigado pela avaliação

Você já votou neste post