Pular navegação

Ano sabático: como se organizar para esse período?

Tirar um ano sabático para refletir sobre suas escolhas de vida é uma experiência transformadora e, justamente por isso, exige organização e responsabilidade. Saiba como se preparar.

Um ano (ou um período longo) dedicado à auto descoberta, reflexão ou ao puro descanso: é essa a proposta do ano sabático. 

Mesmo que a ideia de permanecer longe do trabalho e das obrigações corriqueiras pareça moderna, a origem do ano sabático é milenar e está atrelada às tradições judaicas. No Torá, o ano sabático é conhecido como Shemitá e é descrito como a fase de descanso da terra após seis longos anos de produção e colheita. 

Nesse sentido, dar uma pausa na carreira para se voltar à vida pessoal ou aos estudos seria o mesmo que deixar a terra descansar para que ela possa se regenerar. Os depoimentos de quem busca essa experiência indicam que elas acabam se transformando por completo, mas quanto tempo leva para organizar essa viagem interior (e exterior, em alguns casos)? E o que considerar antes de pedir demissão ou um afastamento do trabalho? 

A seguir, confira algumas respostas (e mais dúvidas) sobre o ano sabático.

Ano sabático: por onde começar o planejamento?

Para começar a organizar o seu ano sabático, você deve ter clareza do motivo pelo qual está fazendo isso. Qual é a principal motivação dessa pausa na sua vida? Encontrar essa resposta é importante para diferenciar o ano sabático de férias comuns e pode te poupar de frustrações no retorno.

Não se trata somente de um período de descanso, mas sim de uma fase de aprendizado, exploração e descoberta – logo, é importante que você tenha um foco específico para decidir como investir em você e qual será a reserva financeira necessária para fazer isso.

A nutricionista Juliana Gouveia, de São Paulo, tirou um ano sabático em novembro de 2015 para buscar novos rumos profissionais. "Na época, eu estava com dúvidas sobre o rumo a seguir na minha carreira e queria experimentar novas atividades. Eu fiz um curso de massagem no Brasil e, depois, iniciei uma viagem pela Tailândia, dando sequência ao aprendizado", diz. 

Depois de definir o seu foco, pesquisar as atividades e os destinos que deseja conhecer e quanto tempo ficará na estrada (caso você decida mesmo viajar), organizar e calcular os custos envolvidos no seu plano de ano sabático ficará mais fácil.

https://www.youtube.com/watch?v=Sk-hbbKSLOQ

Quanto custa tirar um ano sabático?

A resposta para a pergunta vai depender do quanto você está disposto a gastar com a experiência e quais são os confortos dos quais você não quer abrir mão, mesmo enquanto estiver sem renda fixa. Outro fator que definirá esse custo é se, durante esse período, você vai ficar onde está, realizando atividades diferentes, ou se vai viajar e explorar outras cidades ou países.

Nesta etapa de definição de valores, você pode usar o site Quanto Custa Viajar para calcular o custo de vida nas cidades que deseja conhecer, além de entrar em contato com instituições que viabilizam cursos e intercâmbios no exterior, como a EF Education First e a STB. Separe também o dinheiro para o passaporte e custos com vistos. 

Quanto custa viajar? Aprenda a calcular as despesas da sua próxima viagem

Em muitas delas, o custo de hospedagem já está embutido no pacote, mas você também pode buscar opções mais econômicas como o Couchsurfing, um estilo de hospedagem em que as pessoas disponibilizam suas casas gratuitamente para viajantes que buscam por um lugar de curta temporada. 

Foi mais ou menos isso que a Juliana fez enquanto rodava por sete países, entre eles Camboja, Nepal, Vietnã e Índia. "Além da hospedagem gratuita, usei a plataforma Workway para trocar trabalho por alimentação e hospedagem". Essa é, inclusive, uma forma diferente de se conectar com pessoas e realizar alguma atividade totalmente fora da sua zona de conforto. 

Organização financeira em etapas

Durante a etapa de cálculos, você deve considerar tanto o dinheiro necessário para o ano sabático em si, quanto a reserva de emergência que te trará segurança financeira depois que esse período acabar. Assim, caso você demore para se recolocar no mercado, ainda terá algum valor disponível para sustentar o seu custo de vida

"Também é importante calibrar as expectativas para o retorno. Caso você esteja saindo de um cargo de liderança para tirar o ano sabático, talvez não seja possível retomar a carreira no ponto em que estava – e tudo bem", explica Letícia Camargo, planejadora financeira certificada CFP®️ pela Planejar. "Pode ser que você dê alguns passos para trás e não consiga o mesmo nível de remuneração, ou pode ser que você nem queira mais voltar para o mesmo lugar". 

Por isso, antes de largar tudo, use o valor dos seus gastos mensais como referência e multiplique-o pelo total de meses desejado e trace um plano para alcançar esse objetivo. Por exemplo: se seu custo de vida mensal gira em torno de R$ 5 mil e você deseja montar uma reserva de seis meses, ao final serão investidos um total de R$ 30 mil. 

E lembre-se: esse valor deve estar alocado em um  lugar diferente daquele onde você está investindo o dinheiro que será usado no ano sabático. Afinal, ele não deve ser usado para bancar os custos desse período – é o dinheiro que será usado no seu retorno até encontrar um novo trabalho. Se você é cliente do Nubank, pode usar as Caixinhas para fazer isso. 

Se você é uma pessoa dona do próprio negócio, esse planejamento envolve outros passos, como entender quem ficará no seu lugar na empresa ou se o seu afastamento pode ser remunerado ou não.

Quanto rendem R$ 30 mil nas Caixinhas do Nubank?

Com quanta antecedência devo organizar um ano sabático?

Quanto maior a antecedência, mais dinheiro você conseguirá guardar e menores serão os custos com planejamento. Além disso, você poderá antecipar e parcelar o pagamento de coisas mais caras como passagem, hospedagem e cursos. 

A antecedência também joga a seu favor quando o assunto é investimento. Se você tem mais tempo para se planejar, pode buscar opções mais arriscadas para aplicar e rentabilizar o dinheiro. Mas se o horizonte da viagem é de um ou dois anos, o melhor é aplicar em renda fixa

"Se você deseja ir para fora, estime os custos da viagem na moeda local e proteja o seu dinheiro das oscilações de câmbio", diz Letícia Camargo, planejadora financeira. Para isso, você pode aplicar o dinheiro em um fundo cambial, além de comprar a moeda estrangeira com antecedência, em momentos de baixa.

12 estratégias para comprar moedas estrangeiras

No caso da Juliana, tanto o planejamento da viagem quanto o período sabático duraram um ano. "Me organizei e fui estudando possibilidades, pesquisando destinos, mas principalmente as formas de economizar. Eu não fiz uma estimativa, acabei levando o que eu tinha na época, que era algo em torno de oito vezes o meu salário. No fim, acabei voltando com dinheiro, por volta de três salários", conta. 

https://www.youtube.com/watch?v=VT83OS34nt8

Ano sabático: como pedir demissão? 

Depois de tudo organizado, a última etapa é se afastar do trabalho. Mas antes de pedir demissão, cheque se a sua empresa não tem programas que permitam aos seus funcionários tirar um ano sabático. Ou se existe a possibilidade de você se afastar e retornar ao seu cargo atual.  

Se não for possível, considere sair, caso você seja um profissional formal. Nesta hora, tente buscar uma demissão com acordo trabalhista, que pode ser vantajosa para você e para a empresa. 

Neste tipo de negociação, os trabalhadores têm direito a saldo de salário, aviso prévio, férias proporcionais e saque de até 80% do FGTS, o que pode garantir a reserva de emergência necessária para o retorno da viagem, por exemplo. Funcionários públicos também têm direito a um período de licença não remunerada, algo que garante ainda mais estabilidade no retorno. 

Se este não é o seu caso e você não tem a certeza de segurança na volta do ano sabático, não desista de ir pelo dinheiro. "Você precisa muito menos dele viajando do que imagina. É mais caro pagar aluguel e contas todos os meses.", afirma Juliana. 

Leia também:

Compras no exterior: o que você pode e o que não pode trazer na volta de uma viagem

Sonho ou objetivo: como a diferença entre os dois conceitos afeta suas metas?

6 dicas para não cair em golpes com agências de viagens

Este conteúdo faz parte da missão do Nubank de devolver às pessoas o controle sobre a sua vida financeira. Ainda não conhece o Nubank? Saiba mais sobre nossos produtos e a nossa história.