Pular navegação

Variação do dólar: entenda por que ele sobe e desce tanto

O dólar pode cair ou subir por diversos motivos. Mas o que causa a oscilação da moeda norte-americana e como ela afeta a economia e o seu bolso?

Imagem mostra uma águia americana voando.

A variação do dólar afeta a sua vida? A resposta curta é sim. Talvez você tenha reparado no noticiário que a cotação das moedas em relação ao real está sempre oscilando, ou seja, subindo e descendo, mas entende exatamente por que essas mudanças acontecem – ou por que isso importa para nós, no Brasil?

Para além do efeito mais aparente no bolso do brasileiro que gosta de viajar (o aumento ou queda no custo de viagens ao exterior), a cotação do dólar impacta preços de itens do dia a dia (como aqueles que você encontra no supermercado, por exemplo) e é um reflexo de vários fatores na economia.

A seguir, entenda o que é a variação do dólar e como isso afeta a vida das pessoas.

Afinal, por que a cotação do dólar importa?

Se a nossa moeda é o real, por que o dólar importa tanto para a economia brasileira – e do resto do mundo?

Acontece que o dólar é a referência monetária mundial. Essa posição de destaque, que costumava ser ocupada pela libra esterlina, do Reino Unido, tem a ver com a força da economia dos Estados Unidos – não necessariamente com o seu tamanho ou com suas dívidas, mas com seu poder de influência sobre os demais países.

Os Estados Unidos ganharam fôlego no cenário econômico ao longo do século 20, com o crescimento de sua participação no comércio exterior e o fortalecimento de sua economia após as guerras mundiais na Europa.

Hoje, isso se reflete no fato de que, por mais que o país passe por crises econômicas, o dólar continua contando com a confiança internacional. Assim, os bancos e governos:

  • Possuem reservas em dólares;
  • Emprestam dinheiro em dólares;
  • Realizam todo tipo de transação comercial em dólares.

Além disso, muitas commodities (bens ou produtos comercializados em todo o mundo e que têm valor estratégico, como o petróleo, soja, entre outros) são negociadas, mundialmente, em dólar. 

É por isso que ele estampa as manchetes de noticiários de todo o mundo: o que acontece com o dólar afeta todas as moedas.

Dólar comercial ou turismo?

Existem vários tipos de cotação de dólar, mas os que mais afetam a sua vida são o comercial e o turismo. Você pode conferir em detalhes a diferença entre eles aqui, mas, em linhas gerais, cada um é usado para uma finalidade distinta.

Dólar turismo 

É o que pode ser comprado por pessoas físicas para, por exemplo, viajar. Na prática, ele costuma ser mais caro porque, entre outras coisas, o volume de cada transação é relativamente pequeno.

Dólar comercial

É aquele negociado por empresas ou instituições financeiras e usado nas compras e vendas que acontecem no mercado internacional. Ele costuma ser mais barato justamente pelo volume das transações: como empresas ou instituições movimentam grandes quantias, o preço do dólar fica menor.

Ao ler o noticiário econômico, o mais comum é que as reportagens estejam falando sobre o dólar comercial, já que é o valor dele que mais impacta a economia.

Como funciona a variação do dólar?

Variação do Dólar: montanha russa subindo

O dólar comercial é usado em muitas situações: transações comerciais (do governo e dos bancos), para compra e venda de mercadorias, investimentos, importações e exportações. 

Por isso, a explicação mais simples para a variação do dólar é justamente a oferta e demanda do mercado.

Ou seja: quando sobra dólar no mercado, a cotação fica mais baixa. Quando tem mais gente comprando dólar, a cotação sobe.

Além disso, o dólar é uma das moedas mais fortes e sólidas do mundo, e também uma referência monetária, e por isso é usado nas negociações comerciais entre diferentes países do mundo. 

As pessoas também compram a moeda para se defenderem de uma possível crise, como a provocada pela Covid-19, por exemplo. Em 2020, diante do cenário de incertezas, muita gente investiu na moeda norte-americana e, com mais demanda pelo dólar, o preço subiu e a diferença para o real cresceu. 

https://youtu.be/vSnjbaPnkL4

Por que o dólar sobe?

Existem diversos motivos por trás do aumento do dólar em relação ao real, mas há três fatores bem importantes que causam essa variação:

  • Déficit da balança comercial: quando o Brasil importa mais itens do que exporta, a oferta de dólares diminui no país, o que puxa pra cima a cotação da moeda por aqui;
  • Gastos no exterior: um número elevado de turistas brasileiros fora do país gera uma demanda maior por dólares que serão gastos fora do Brasil;
  • Juros dos Estados Unidos: quando os juros norte-americanos sobem, a tendência é que investidores no Brasil levem seu dinheiro para fora, já que os rendimentos lá ficam mais altos.

Por que o dólar cai?

Os mesmos fatores que causam a alta da moeda americana, se aplicados ao contrário, explicam a queda em relação ao real:

  • Superávit comercial: quando empresas brasileiras vendem mais produtos no exterior, entram mais dólares no país, aumentando a oferta;
  • Gastos de estrangeiros: a entrada de turistas estrangeiros no Brasil também traz mais moeda para o país, aumentando a oferta dela por aqui; 
  • Juros do Brasil: quando os juros brasileiros sobem, vale a pena para investidores trazerem seu dinheiro para cá, já que os rendimentos aqui ficam mais altos e atrativos.

Existem outros motivos por trás da variação do dólar?

Variação do dólar: estátua da liberdade com um traço no meio

Sim. A economia é dinâmica e, portanto, há uma série de fatores além dos citados acima que podem influenciar a oscilação da moeda.

Se o mercado tem a percepção de que um país está em uma situação política turbulenta, por exemplo, os investidores tendem a tirar seu dinheiro de lá.

Se o governo demonstra que a economia está se fortalecendo, por outro lado, entra mais moeda no país. Até mesmo acontecimentos em outros países, sem nenhuma relação aparente com o Brasil, podem influenciar a cotação devido à variação global da oferta e demanda da moeda.

Subiu ou caiu: quais os impactos da variação do dólar?

Abaixo, entenda os efeitos práticos do sobe e desce do dólar na sua vida. 

Em viagens

De imediato, a variação do dólar impacta principalmente quem vai viajar, já que ele baliza os preços das passagens, a cotação das casas de câmbio e os gastos no exterior

  • Dólar alto frente ao real: neste caso, o real ganha mais poder de compra fora do país, o que pode incentivar o turismo internacional no Brasil. Para os brasileiros, fica mais caro sair do país.
  • Dólar baixo frente ao real: para os estrangeiros, fica mais caro viajar para o Brasil. Para os brasileiros, é mais vantajoso fazer viagens internacionais.

No consumo

A médio e longo prazo, a variação do dólar também pode afetar o dia a dia do consumidor, já que impacta os custos das empresas e, por consequência, os preços para os consumidores: 

  • Dólar alto: indústrias que importam itens podem comprar uma matéria-prima mais cara e repassar essa variação ao produto final – o que, por sua vez, mexe na inflação e no bolso do consumidor. Por exemplo: o trigo tem o preço definido em dólar e é o principal insumo de vários produtos, como o pão, o macarrão, dentre outros itens. Se a indústria pagar mais caro por ele, você pagará mais caro por esses produtos no supermercado.
  • Dólar baixo: o contrário também é verdadeiro. Se o dólar cai em relação ao real, muitos itens ficam mais baratos para a indústria, e ela pode repassar essa queda aos consumidores. Quem busca produtos importados, como eletrônicos, roupas e alimentos, também se beneficia.

Para as empresas

O dólar também influencia os ganhos das empresas brasileiras que exportam – que vendem produtos para outros países. 

  • Dólar alto: quando a moeda norte-americana está mais valorizada, os produtos brasileiros tendem a ficar mais competitivos no exterior, e mais dólares entram no país. Ou seja, quem vende e ganha em dólar, aumenta a receita; 
  • Dólar baixo: quando a moeda cai em relação ao real, as empresas que exportam recebem menos dólares, reduzindo, assim, seus ganhos.

Variação do dólar para os investidores brasileiros

Quem investe também sente os efeitos da oscilação da moeda norte-americana. 

  • Dólar alto: quando o dólar está valorizado em relação ao real, investimentos atrelados à moeda norte-americana ficam mais atraentes, como é o caso de empresas exportadoras, que aumentam suas receitas nessa situação. Para quem já tem esses investimentos, pode ocorrer ganhos com dividendos e outros proventos, ou mesmo ganhos na venda desses papéis. Para quem quer comprar, no entanto, esses investimentos podem ficar mais caros. 
  • Dólar baixo: a moeda norte-americana desvalorizada frente ao real pode ser uma oportunidade para investidores que gostam de comprar o dólar. Boas empresas que têm suas receitas atreladas à moeda também podem sentir uma baixa no preço das suas ações, atraindo investidores.

Os exemplos acima são apenas alguns de muitos que mostram os efeitos do sobe e desce do dólar na vida das pessoas. O importante é lembrar que, na economia, o cenário vantajoso muda de acordo com as circunstâncias e objetivos do país a cada determinado momento.

Quer saber mais sobre a história do dólar e entender porque ele é a moeda mais importante do mundo? Confira o vídeo abaixo.

https://www.youtube.com/watch?v=pu6r4t5zSAg&t=3s

Leia também: 

Como investir em dólar: tudo o que você precisa saber

Por que o dólar sobe em momentos de crise?

Dólar turismo e dólar comercial: entenda a diferença

Este conteúdo faz parte da missão do Nubank de devolver às pessoas o controle sobre a sua vida financeira. Saiba mais sobre nossos produtos e a nossa história aqui.