Pedir Conta e
Cartão de Crédito

em menos de 1 minuto
e grátis

Precisamos seu nome completo. Precisamos seu nome completo.
Precisamos do seu CPF Precisamos de um CPF válido
Precisamos do seu e-mail. Aqui precisamos de um email válido.
Ops. Está diferente do campo acima.
Para prosseguir, você deve concordar com as políticas de privacidade.

Complete os campos ao lado para pedir sua Conta e Cartão de crédito

Agora complete abaixo para pedir sua conta e cartão de crédito

Precisamos de um CPF válido
Precisamos seu nome completo. Precisamos seu nome completo.
Precisamos do seu e-mail. Precisamos de um email válido.
Ops. Está diferente do campo acima.
Para prosseguir, você deve concordar com as políticas de privacidade.

Início Segurança Digital Geração Z cai mais em go...

Geração Z cai mais em golpes – por que isso está acontecendo?

Os ataques a esse público são um reflexo da aceleração da digitalização na pandemia, segundo estudo da Serasa Experian. Veja como se proteger.



A chamada geração Z é conhecida por ser nativa da internet: já nasceram conectados e são os que sabem lidar melhor com a tecnologia. Mas isso não está impedindo que jovens de 10 a 25 anos  de idade caiam em golpes. 

O número de esquemas fraudulentos contra brasileiros chegou a 1,9 milhão no primeiro semestre de 2021, o que significa um aumento de mais de 15% em relação ao mesmo período do ano passado. 

A alta foi puxada principalmente pelas ações contra jovens com até 25 anos, segundo um estudo da Serasa Experian. Ainda de acordo com a entidade, houve uma movimentação fraudulenta a cada oito segundos, e as tentativas são reflexo do aumento da digitalização na pandemia de Covid-19.  

Por conta das recomendações de distanciamento social, os brasileiros passaram a comprar mais pela internet, aumentando o número total de transações. Com isso, oportunistas acabam tendo mais oportunidades para tentar acessar os dados das pessoas.

Principais tentativas de golpes

Segundo a Serasa Experian, o Sudeste teve pouco mais de 1 milhão de tentativas, seguido pelo Nordeste (347 mil), Sudeste (300 mil), Centro-Oeste (176 mil) e Norte (120 mil). Ainda de acordo com o estudo, as principais tentativas de golpes contra os jovens foram:

  • Compra de celulares com documentos falsos ou roubados;
  • Emissão de cartão de crédito usando documento falso ou roubado;
  • Financiamento de eletrônicos no varejo, usando uma identificação falsa ou roubada, deixando a conta para a vítima;
  • Abertura de conta em nome da vítima;
  • Compra de automóveis;
  • Abertura de empresas.

Como se proteger desses (e de outros) golpes?

  • Nunca revele senhas: nem ao telefone, nem por mensagem. Uma empresa séria jamais te pedirá dados confidenciais, nem o número completo e código de segurança de seu cartão.
  • Em caso de promoção online, abra o site da loja: não confie em links passados por mensagem (nem de amigos!), vistos em redes sociais ou em qualquer outro lugar. Abra uma aba separada do navegador, digite o nome da loja no Google e entre no site oficial. Se a promoção existir de fato, você vai encontrá-la por lá.
  • Procure pelo cadeado no site: sites seguros costumam ter o símbolo de um cadeadinho logo no início da barra de endereço, seguido pelo código https://. Essa é uma indicação de que a conexão do site é segura e menos vulnerável a ciberataques.
  • Cheque sempre o destinatário de uma transferência ou pagamento: seja por boleto, Pix, TED ou qualquer outro meio, veja se os dados de quem vai receber batem com os da empresa ou da pessoa.
  • Baixe aplicativos apenas de lojas oficiais: praticamente todos os apps podem ser baixados nas lojas oficiais dos sistemas iOS e Android. Não faça download de aplicativos por outros lugares.
  • Na dúvida, cheque com seu conhecido se está falando com ele mesmo: se alguém que você conhece enviar uma mensagem pedindo dinheiro ou algum dado seu, ligue para confirmar se é verdade.
  • Perdeu o celular? Avise as instituições: os celulares têm muitos serviços que ficam automaticamente logados, como redes sociais. Se perder o aparelho ou for roubado, entre em contato com as instituições (começando por bancos ou fintechs em que tenha conta) para que elas possam fazer os bloqueios necessários.
  • Crie senhas fortes: não use senhas óbvias (como sua data de aniversário ou a de alguém próximo) e tente não repeti-las, pelo menos em serviços mais importantes – como aplicativos de banco, por exemplo. Veja como criar senhas fortes e fáceis de serem lembradas.

Quer ter uma vida online mais segura? Leia também:

Como fazer compras online com segurança?

Golpe do Delivery cresceu: veja como se proteger

Os golpes mais comuns da internet – e como não cair neles

Este conteúdo faz parte da missão do Nubank de devolver às pessoas o controle sobre a sua vida financeira. Saiba mais sobre nossos produtos e a nossa história.

5

Esse artigo foi útil? Avalie

Obrigado pela avaliação

Você já votou neste post