Pedir Conta e
Cartão de Crédito

em menos de 1 minuto
e grátis

Precisamos seu nome completo. Precisamos seu nome completo.
Precisamos do seu CPF Precisamos de um CPF válido
Precisamos do seu e-mail. Aqui precisamos de um email válido.
Ops. Está diferente do campo acima.
Para prosseguir, você deve concordar com as políticas de privacidade.

Complete os campos ao lado para pedir sua Conta e Cartão de crédito

Agora complete abaixo para pedir sua conta e cartão de crédito

Precisamos de um CPF válido
Precisamos seu nome completo. Precisamos seu nome completo.
Precisamos do seu e-mail. Precisamos de um email válido.
Ops. Está diferente do campo acima.
Para prosseguir, você deve concordar com as políticas de privacidade.

Início Seu Dinheiro O que significa operar v...

O que significa operar vendido ou comprado na Bolsa?

Na hora de investir em renda variável, é possível operar seguindo duas estratégias diferentes, considerando a valorização ou desvalorização daquele ativo.

O mercado financeiro tem seus próprios jargões, termos, siglas e quase um vocabulário próprio – e, para quem ainda não é totalmente íntimo, essas expressões podem gerar dúvidas. Operar “vendido” ou “comprado” na Bolsa de Valores é um desses casos – o que isso realmente quer dizer? Como funciona?

Basicamente, ambas as expressões são usadas para falar sobre operações e investimentos em renda variável, como ações, mercado futuro, moedas estrangeiras, índices, opções etc. Elas indicam o que o investidor espera do mercado na operação que está realizando.

  • Operar “vendido” significa que o investidor está realizando um investimento em renda variável esperando que esse mesmo ativo caia e desvalorize;
  • Operar “comprado” significa o contrário: o investidor espera que o ativo valorize.

Tanto a valorização quanto a desvalorização esperadas são a partir do preço de entrada daquele ativo – ou seja, o quanto o investidor pagou por ele no momento de investir. Ambas estratégias também visam o lucro do investidor com a operação. 

E como saber se um ativo vai subir ou cair? Através de análises que são capazes de indicar qual será o comportamento daquele ativo em determinado momento no mercado.

Operar “vendido”

A lógica de quem opera vendido é: “com a desvalorização ou queda desse ativo, eu consigo lucrar” – e o mesmo vale para o inverso: se esse ativo é valorizado, o investidor perde dinheiro. 

Na prática, significa vender um ativo a determinado preço, esperando que ele desvalorize; quando a posição encerrar (ou seja, quando chegar a data da venda) e ele de fato tiver sido desvalorizado, o investidor compra ele novamente com a cotação mais baixa. 

Um exemplo: uma pessoa compra determinada ação por R$10 na estratégia de operar “vendido”, esperando que, no curto prazo, sua cotação caia para R$9 ou menos; essa queda representa um retorno de 10% para o investidor. Em valores maiores e maior quantidade, a diferença monetária acaba sendo maior.

Se a cotação de fato cair para R$9, o investidor lucrará. Se, por outro lado, o ativo se valorizar, ele perderá dinheiro – afinal, terá que comprar um ativo que já possuía por um preço maior.

Essa é uma estratégia que tem sido mais usada por quem realiza day trade – operações de compra e venda de curtíssimo prazo, normalmente em um mesmo dia. Isso porque a oscilação do mercado de renda variável é alta.

O filme “A Grande Aposta”, de 2015, traz um bom exemplo do que é na prática operar vendido: investidores que, percebendo que o mercado imobiliário dos Estados Unidos caminhava para uma crise, passaram a investir apostando em sua desvalorização – e ganharam em cima disso, ao mesmo tempo em que a bolha do mercado estourou e deu início a uma crise econômica. 

Operar “comprado”

Essa é a estratégia mais comum dos investidores, quando se compra um ativo contando com a sua valorização: quem compra uma ação por R$ 10 e depois consegue revendê-la por R$ 15 tem um lucro de R$ 5. 

Neste caso, o preço de venda deve ser maior que o de compra daquele ativo – e por isso ela é uma estratégia que pode ser usada também pensando no médio ou longo prazo, esperando a maior valorização do ativo.

Afinal, qual é a melhor estratégia?

Não existe uma resposta: isso depende do prazo da estratégia de investimentos (curtíssimo, curto ou longo prazo), do quão acostumado o investidor está a operar na Bolsa de Valores e sua experiência com esse mercado. 

O mercado de renda variável é um que apresenta oscilação nos ativos e, consequentemente, maior risco nos investimentos. Por isso, é importante ter cuidado ao começar a investir e operar com renda variável. Veja os três erros que você deve evitar cometer ao operar na Bolsa. 

Este conteúdo faz parte da missão do Nubank de devolver às pessoas o controle sobre a sua vida financeira. Saiba mais sobre nossos produtos e a nossa história.

3.64

Esse artigo foi útil? Avalie

Obrigado pela avaliação

Você já votou neste post