Pedir Conta e
Cartão de Crédito

em menos de 1 minuto
e grátis

Precisamos seu nome completo. Precisamos seu nome completo.
Precisamos do seu CPF Precisamos de um CPF válido
Precisamos do seu e-mail. Aqui precisamos de um email válido.
Ops. Está diferente do campo acima.
Para prosseguir, você deve concordar com as políticas de privacidade.

Início Seu Dinheiro Imprimir dinheiro aument...

Imprimir dinheiro aumenta a inflação?

O lançamento da nota de R$200 levantou essa questão antiga: afinal, imprimir dinheiro não é ruim para a inflação? Entenda o que isso significa de verdade.

Em setembro de 2020, o Banco Central (BC) lançou oficialmente a nova nota de R$200. A iniciativa gerou tanto críticas quanto elogios, mas, em meio às opiniões diversas, uma dúvida comum surgiu: para fazer as notas de R$200, será necessário imprimir dinheiro. Mas imprimir dinheiro não aumenta a inflação?

A resposta é sim e não: sim, imprimir dinheiro pode ser danoso (e, em alguns casos, desastroso) para a inflação. Mas não necessariamente – em uma situação controlada, a impressão de novas cédulas é normal e acontece o tempo todo.

O que significa imprimir dinheiro?

Parte das responsabilidades do Banco Central é gerenciar o meio circulante – ou, em outras palavras, garantir que exista a quantidade adequada de dinheiro físico para as necessidades da população. E uma das formas de fazer isso é imprimindo dinheiro.

Quem autoriza a emissão de novas cédulas no Brasil é o Conselho Monetário Nacional (CMN). O número de notas impressas é calculado de acordo com uma série de fatores, como a adequação ao ritmo da economia e o histórico de anos anteriores – dezembro, por exemplo, costuma registrar o pico de dinheiro físico circulando, por causa dos pagamentos e compras de fim de ano.

A partir da deliberação do Conselho Monetário Nacional, o Banco Central encomenda a impressão ao fabricante – no Brasil, o órgão responsável por esse processo é a Casa da Moeda.

Cédulas são impressas, mas também são destruídas

Todos os anos, muitas notas de real são descartadas: em 2019, foram 1,45 bilhão de cédulas destruídas – pouco menos que o número de novas notas colocado em circulação (1,54 bilhão).

O Banco Central tem certos padrões de qualidade e, quando uma nota não os atinge mais, ela deve ser descartada – é o que acontece com cédulas manchadas, desfiguradas, gastas, queimadas, rasgadas ou danificadas de alguma forma.

Um equipamento específico é utilizado para destruir as notas, que viram um bloco compacto de fragmentos. Uma parte desses fragmentos é reaproveitada no processo de produção do cimento. Segundo o BC, a meta é adotar essa solução de reciclagem em 100% das notas destruídas até 2023. 

Impressão de dinheiro e inflação

OK, mas e quando imprimir dinheiro é, sim, danoso à inflação?

É normal que a quantidade de dinheiro físico em um país cresça gradualmente – afinal, a produção e os gastos também crescem em situações normais. O que não pode acontecer é um aumento desenfreado e não planejado.

A consequência mais comum para a impressão não responsável de dinheiro é a hiperinflação.

Para entender por que isso acontece, basta lembrar da lógica da oferta e demanda: se o mercado é inundado com mais papel moeda, a oferta aumenta e o valor cai – ou seja, o dinheiro passa a valer menos.

Essa situação gera uma bola de neve: ao ver que o país está imprimindo dinheiro de forma descontrolada, os investidores perdem a confiança, o que gera a chamada “fuga de dólares”.

Para tentar conter essa situação, os juros vão aumentando e a população vai perdendo poder de compra – afinal, os produtos vão ficando cada vez mais caros e o dinheiro, tendo cada vez menos valor.

Tudo isso vai gerando um círculo vicioso que alimenta a crise econômica – e acaba acarretando em desemprego, endividamento e empobrecimento do país como um todo.

E a nota de R$200 nisso tudo?

Ao comunicar a criação da nota de R$200, o Banco Central explicou que o Brasil vive atualmente uma situação de entesouramento – em outras palavras, pessoas guardando mais dinheiro físico do que o comum.

No final de março, a quantidade de dinheiro em circulação era de aproximadamente R$260 bilhões. A partir daquele momento, começou a subir rapidamente e chegou a R$ 350 bilhões em 17 de agosto.

A principal hipótese para isso é a pandemia do novo coronavírus: em uma situação de crise, as pessoas estão buscando guardar o que podem.

Como ainda não é possível saber por quanto tempo os efeitos da pandemia vão persistir, o BC decidiu lançar a nota de R$200: esse projeto já existia, mas foi acelerado pelo contexto atual.

A ideia foi tanto ajustar a quantidade de dinheiro circulando quanto onerar menos todo o processo de impressão, transporte e distribuição das cédulas – afinal, a impressão de uma nota de valor mais alto substitui a impressão de outras notas de valor menor.

E, paradoxalmente, produzir dinheiro custa… dinheiro.

Este conteúdo faz parte da missão do Nubank de devolver às pessoas o controle sobre a sua vida financeira. Saiba mais sobre nossos produtos e a nossa história.

4.9

Esse artigo foi útil? Avalie

Obrigado pela avaliação

Você já votou neste post