Pedir Conta e
Cartão de Crédito

em menos de 1 minuto
e grátis

Precisamos seu nome completo. Precisamos seu nome completo.
Precisamos do seu CPF Precisamos de um CPF válido
Precisamos do seu e-mail. Aqui precisamos de um email válido.
Ops. Está diferente do campo acima.
Para prosseguir, você deve concordar com as políticas de privacidade.

Complete os campos ao lado para pedir sua Conta e Cartão de crédito

Agora complete abaixo para pedir sua conta e cartão de crédito

Precisamos de um CPF válido
Precisamos seu nome completo. Precisamos seu nome completo.
Precisamos do seu e-mail. Precisamos de um email válido.
Ops. Está diferente do campo acima.
Para prosseguir, você deve concordar com as políticas de privacidade.

Início Seu Dinheiro O Brasil entrou em reces...

O Brasil entrou em recessão? Entenda o que significa a queda do PIB

Só se fala nisso: o Brasil registrou duas quedas consecutivas do PIB e está em recessão técnica. Mas... O que exatamente isso quer dizer? Como te afeta? E como estão os outros países?



No dia 1 de setembro de 2020, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) anunciou uma queda de 9,7% do PIB brasileiro no segundo trimestre. Esse é o pior tombo histórico, desde que os números começaram a ser calculados, e significa que o Brasil entrou oficialmente em uma recessão técnica.

Uma recessão técnica acontece quando o PIB de um país cai duas vezes seguidas – e é exatamente isso que está acontecendo agora. No primeiro trimestre, a queda do PIB brasileiro havia sido de 1,5% – agora, após uma revisão, o IBGE afirma que foi de 2,5%.

Mas o que isso significa, na prática?

O que o PIB mede?

O PIB é a sigla para Produto Interno Bruto e representa a soma de todos os bens e serviços produzidos dentro do país. Ele é divulgado a cada três meses pelo IBGE e serve como um termômetro da economia do país.

As altas e quedas do PIB são uma comparação com o trimestre anterior. Por exemplo: se um país produziu U$1 trilhão em um trimestre e U$270 bilhões no seguinte, ele teve uma queda de 3% naquele período.

Ou seja: diminuições no PIB indicam que a atividade econômica está reduzida – há menos compra e, portanto, menos produção. Uma única queda pode ser um evento isolado, mas duas já indicam um problema maior.

Recessão técnica e recessão: quais as diferenças

Não há uma só forma de definir uma recessão. Ela é entendida como um período prolongado de queda generalizada da atividade econômica – e a palavra “prolongado” é chave. A recessão técnica usa um critério mais imediato: as duas quedas consecutivas do PIB.

O Comitê de Datação de Ciclos Econômicos (Codace), da Fundação Getulio Vargas (FGV), é um dos órgãos que se dedica a estudar os ciclos econômicos. Para ele, o Brasil já estava em recessão no primeiro trimestre de 2020, já que aquele momento representava o fim de uma expansão econômica de 12 trimestres.

Uma recessão técnica não significa necessariamente que o país vai entrar em um período longo de contração da economia – mas também não exclui essa possibilidade.

E como uma recessão te afeta?

Uma recessão significa, essencialmente, a diminuição da produção e do poder de compra. Suas principais características são:

  • Aumento do desemprego;
  • Diminuição da renda familiar;
  • Redução da taxa de lucro;
  • Aumento do número de falências e concordatas;
  • Queda dos níveis de investimentos.

Basicamente, a desaceleração da economia vai gerando um círculo vicioso, no qual um fator alimenta o próximo.

Por que o Brasil entrou em recessão técnica?

O principal motivo para a recessão atual é a pandemia do novo coronavírus. O tombo de 9,7% do PIB diz respeito aos meses de abril, maio e junho – justamente o período em que o Covid-19 se disseminou exponencialmente pelo Brasil e fez necessárias as medidas de isolamento social, fechando as portas da maior parte do comércio.

Os reflexos disso foram quedas acentuadas em dois dos principais setores da economia: indústria (12,3%) e serviços (9,7%), que, juntos, compõem 95% de toda a produção nacional.

O IBGE também divulgou dados de demanda: entre eles, o que mais se destacou foi o de consumo das família, que teve uma queda de 12,5%, mesmo com programas como o auxílio emergencial.

Apesar de assustar, a queda de 9,7% do PIB já era esperada pelo mercado e acompanha a tendência mundial dos países mais afetados pela pandemia: no fim de julho, os Estados Unidos comunicaram o pior tombo em seu PIB dos últimos 90 anos e algumas das maiores economias do mundo (como Reino Unido, Alemanha, França e Japão) tiveram reduções que vão até a casa dos 20% de queda.

Em meio a esse cenário, a China registrou 11,5% de crescimento do PIB durante o segundo trimestre – por ter sido o primeiro país onde a doença se disseminou, a queda acentuada por lá foi no primeiro trimestre (10%), período em que as atividades se paralisaram.

A recuperação chinesa ajuda a alimentar as esperanças de que o próximo trimestre seja mais positivo para os outros países.

Este conteúdo faz parte da missão do Nubank de devolver às pessoas o controle sobre a sua vida financeira. Ainda não conhece o Nubank? Saiba mais sobre nossos produtos e a nossa história.

5

Esse artigo foi útil? Avalie

Obrigado pela avaliação

Você já votou neste post