Pedir Conta e
Cartão de Crédito

em menos de 1 minuto
e grátis

Precisamos seu nome completo. Precisamos seu nome completo.
Precisamos do seu CPF Precisamos de um CPF válido
Precisamos do seu e-mail. Aqui precisamos de um email válido.
Ops. Está diferente do campo acima.
Para prosseguir, você deve concordar com as políticas de privacidade.

Complete os campos ao lado para pedir sua Conta e Cartão de crédito

Agora complete abaixo para pedir sua conta e cartão de crédito

Precisamos de um CPF válido
Precisamos seu nome completo. Precisamos seu nome completo.
Precisamos do seu e-mail. Precisamos de um email válido.
Ops. Está diferente do campo acima.
Para prosseguir, você deve concordar com as políticas de privacidade.

Início Seu Dinheiro Organizar as Finanças Taxa selic subiu para 4,...

Taxa selic subiu para 4,25%. Isso é bom para meu dinheiro?

Os investimentos em renda fixa ficam mais vantajosos, o crédito fica mais caro. Entenda o impacto da subida da Selic no dia a dia.



A meta da taxa Selic subiu para 4,25% no dia 16 de junho de 2021 – é o terceiro aumento seguido feito pelo Banco Central, que começou a elevar a taxa básica de juros em março deste ano, após ela atingir sua mínima histórica de 2% em agosto de 2020.

A decisão foi anunciada após a reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), que se reúne a cada 45 dias e decide se a meta da taxa vai subir, cair ou permanecer igual. No comunicado, o Copom destacou que os riscos para a recuperação econômica brasileira reduziram, mas a inflação continua preocupando:

“A persistência da pressão inflacionária revela-se maior que o esperado, sobretudo entre os bens industriais”, afirmou o comunicado.

O BC também comentou a atual crise hídrica, que deverá causar um aumento significativo nas contas de luz: “As implicações da deterioração do cenário hídrico sobre as tarifas de energia elétrica contribuem para manter a inflação elevada no curto prazo”.

Mas, afinal, como essas mudanças impactam o cotidiano? Uma taxa Selic mais alta é boa ou ruim para o seu bolso?

Resposta rápida: depende.

Como a Selic impacta seu bolso?

A taxa Selic é a taxa básica de juros da economia. Isso significa que mudanças nela impactam diversas outras taxas no mercado – como os juros dos empréstimos, dos parcelamentos, do rendimento da poupança etc.

Quando a Selic aumenta, como é o caso agora, esses juros também tendem a aumentar. De forma bem simplificada, isso costuma impactar o dia a dia das pessoas em duas principais frentes:

  • Crédito: quando a Selic sobe, os juros de empréstimos, financiamentos, parcelamentos, tudo isso tende a subir também. Ou seja, o crédito fica mais caro e menos acessível às pessoas;
  • Investimentos: a Selic e outras taxas ligadas a ela (como o CDI) são usadas como parâmetro para os rendimentos de vários investimentos de baixo risco, como a poupança e aplicações em renda fixa. Quando ela sobe, esses rendimentos também crescem.

Ou seja: por um lado, o aumento da Selic faz com que tomar crédito fique mais caro. Por outro, faz com que o dinheiro guardado ou investido em aplicações de baixo risco se valorize mais.

Leia mais:

Taxa Selic 2021: acompanhe a variação ao longo do ano

Tabela Selic acumulada: veja como a taxa evoluiu nos últimos anos

Por que a Selic sobe ou desce?

A taxa Selic é uma ferramenta usada pelo Banco Central para controlar a inflação. A subida da Selic tende a fazer com que menos dinheiro circule, inibindo o consumo e fazendo com que a inflação diminua. A queda da Selic tem o objetivo oposto: estimular o consumo e aquecer a economia, subindo o ponteiro da inflação.

A inflação, vale lembrar, tem uma meta anual. Essa meta é estabelecida pelo Conselho Monetário Nacional e tem um piso e um teto.

Ao mexer na taxa Selic, o Banco Central está sempre olhando para frente, tentando manter a inflação o mais próximo possível do centro da meta.

Em 2021, a meta da inflação é 3,75%, com teto de 5,25%. Atualmente, a previsão de analistas do mercado é de que o ano vá se encerrar com inflação de 5,82% – caso isso aconteça, a meta terá sido descumprida.

Neste caso, o Banco Central deve enviar uma carta aberta explicando os motivos do por que isso aconteceu e sugerindo medidas para contornar o cenário.

Este conteúdo faz parte da missão do Nubank de devolver às pessoas o controle sobre a sua vida financeira. Ainda não conhece o Nubank? Saiba mais sobre nossos produtos e a nossa história aqui.

4.01

Esse artigo foi útil? Avalie

Obrigado pela avaliação

Você já votou neste post