Pedir Conta e
Cartão de Crédito

em menos de 1 minuto
e grátis

Precisamos seu nome completo. Precisamos seu nome completo.
Precisamos do seu CPF Precisamos de um CPF válido
Precisamos do seu e-mail. Aqui precisamos de um email válido.
Ops. Está diferente do campo acima.
Para prosseguir, você deve concordar com as políticas de privacidade.

Complete os campos ao lado para pedir sua Conta e Cartão de crédito

Agora complete abaixo para pedir sua conta e cartão de crédito

Precisamos de um CPF válido
Precisamos seu nome completo. Precisamos seu nome completo.
Precisamos do seu e-mail. Precisamos de um email válido.
Ops. Está diferente do campo acima.
Para prosseguir, você deve concordar com as políticas de privacidade.

Início Seu Dinheiro Saiba o que é spread ban...

Saiba o que é spread bancário e entenda como ele funciona

Bancos e instituições financeiras cobram o spread bancário por diversas operações financeiras. Entenda porque isso acontece e como funciona o spread.



Em 2018, o spread bancário do Brasil foi o mais alto do mundo, segundo a Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo) – e isso tem grande impacto no seu bolso. Mas o que é o spread bancário e por que ele afeta a vida financeira dos brasileiros?

Basicamente, o spread é a diferença entre os juros que o banco cobra ao emprestar dinheiro e a taxa que ele paga ao captar dinheiro.

“Não entendi”

Os bancos e instituições financeiras ganham dinheiro, basicamente, fazendo operações de empréstimo e cobrando juros por eles, como os financiamentos e cartões de crédito, por exemplo.

Esse dinheiro que os bancos emprestam foi captado com investidores – em muitos casos, esses investidores são os próprios correntistas que fazem depósitos ou compram títulos das instituições.

Um exemplo: um banco cobra juros de 23% ao ano para empréstimos e oferece para os clientes que investem em um CDB da instituição um rendimento de 12% ao ano. Nesse caso, o spread bancário será  de 11% – a diferença entre as taxas.

O spread é o lucro dos bancos e instituições?

Não completamente.

O spread bancário é usado para cobrir custos com impostos, despesas administrativas, casos de inadimplências, entre outros gastos com as operações financeiras. O lucro é o que sobra após todos esses custos serem cobertos.

O valor do spread é definido pelos bancos e varia de acordo com o tipo de operação – empréstimo, crédito, financiamento, etc.

Normalmente, ele é mais alto para pessoas físicas do que para empresas. Segundo o Banco Central, isso acontece por conta da maior incidência de inadimplência entre pessoas físicas do que pessoas jurídicas – o spread é maior exatamente para cobrir esses períodos em que o banco ou instituição financeira fica sem receber.

É também por isso, por exemplo, que os juros do rotativo do cartão de crédito e de cheque especial estão entre os mais altos.

Spread bancário no Brasil

O spread bancário brasileiro já foi o mais alto do mundo e continua entre os maiores. Existe uma explicação para isso: o Brasil possui uma das piores taxas de recuperação de crédito do mundo.

Segundo dados do Banco Mundial, no Brasil, a cada US$ 1 dólar emprestado, somente US$ 0,13 são recuperados. A média dos demais países é de US$ 0,34 a cada US$ 1.

“E o que isso tem a ver?”

Simples: a inadimplência, seja do crédito, financiamento ou empréstimos, faz com que os custos dos bancos fiquem maiores, o que os leva a aumentar os juros de forma a repassar esses custos aos clientes.

Custos que compõem o spread bancário

Dados do Banco Central do Brasil de 2016 mostram que o spread bancário, na época, era formado pelos seguintes custos: inadimplência (39,95%), lucro e outros,(34,02%), impostos diretos (22,68%), depósito compulsório + encargos (2,61%) e custos administrativos (0,75%).

Este conteúdo faz parte da missão do Nubank de devolver às pessoas o controle sobre a sua vida financeira. Ainda não conhece o Nubank? Saiba mais sobre nossos produtos e a nossa história aqui.

4.62

Esse artigo foi útil? Avalie

Obrigado pela avaliação

Você já votou neste post