Pedir Conta e
Cartão de Crédito

em menos de 1 minuto
e grátis

Precisamos seu nome completo. Precisamos seu nome completo.
Precisamos do seu CPF Precisamos de um CPF válido
Precisamos do seu e-mail. Aqui precisamos de um email válido.
Ops. Está diferente do campo acima.
Para prosseguir, você deve concordar com as políticas de privacidade.

Início O Nubank Histórias de Clientes Trançando cabelos e vida...

Trançando cabelos e vidas: a história da empreendedora Rafaela Xavier

Cliente PJ do Nu, trancista, historiadora e mentora. Conheça a história da criadora do projeto Viver de Tranças e personagem do projeto "A gente muda o sistema", do Nubank.



Foto de uma jovem com tranças roxas usando roupas coloridas

“Negros não necessariamente nascem entendendo tudo o que ser negro no Brasil significa”. Essa frase pode até parecer estranha, mas pra quem tem pele negra, como Rafaela Xavier e a redatora que vos escreve, ela é mais que verdade: há poder (e muito) nesse processo de entendimento e tomada de consciência da negritude.

Rafaela é uma empreendedora e historiadora de 24 anos, nascida e criada em Belo Horizonte, Minas Gerais, que mudou a sua vida para melhor nesse processo de entendimento. Ela é uma das histórias que o Nubank traz no projeto “A gente muda o sistema”. Confira o vídeo abaixo e leia mais sobre a sua trajetória. 

Ganhe controle sobre suas finanças: assine nossa newsletter para receber conteúdo exclusivo.

Com origem em uma família  humilde, e que não falava muito sobre questões raciais, Rafa foi entender na escola o que era ser negra.

“Só tinha eu e mais dois negros em uma turma de 40. Sabíamos que éramos excluídos, mas só fui começar a entender o que era ser um corpo negro entre o segundo e terceiro ano do ensino médio, quando eu tive uma professora negra com consciência racial. Ela percebia como eu era tratada e sutilmente começou a falar comigo sobre negritude”, diz.

Vale observar: o reconhecimento enquanto pessoa negra não é sobre saber que se tem a pele escura, mas sim um processo que envolve entender sobre racismo.

Enquanto se redescobria, Rafaela fez sua transição capilar. Segundo ela, esse processo foi fundamental. “Quando comecei a minha transição fui me inserindo em outras bolhas e conversando em grupos com outras pessoas negras”. 

A história, as tranças e o empreendedorismo

Rafaela é formada em história pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). E foi na faculdade que ela percebeu a oportunidade de atuar como trancista. Por estar sem dinheiro e não conseguir conciliar a carga de estudos do curso com um trabalho em tempo integral, entendeu que precisava de uma fonte de renda extra.

“Eu ganhava R$ 400 por uma bolsa de iniciação científica e nessa época eu já tinha passado pela transição. Não tinha clareza sobre o que era ser uma trancista, o que era estar trançada, mas eu literalmente pensei: conheço pessoas que usam tranças e gostam. Vou tentar fazer isso”.

Rafaela fez um curso rápido e conseguiu suas primeiras clientes. Foi neste momento que o seu negócio nasceu, ainda que ela não entendesse de empreendedorismo, gestão e nem do que significava ser trancista.

“Fui trançando cabelos – inclusive o meu – e quanto mais trançava, mais percebia que aquilo era mais do que um ofício: havia um contexto histórico, social e cultural envolvidos”, acrescenta.

Ao perceber esses contextos, decidiu direcionar suas pesquisas acadêmicas na faculdade de história ao estudo das tranças. E essa foi outra virada de chave na vida dela. 

“Ao descobrir esse universo da estética afro-brasileira uni meu trabalho à pesquisa acadêmica e comecei a ser mais conhecida, porque produzia conteúdos em uma linha que ninguém produzia: não havia uma historiadora trancista colocando essas questões em debate”, diz.

Nasce uma Pessoa Jurídica

Ao se entender como trancista, Rafaela percebeu que, de fato, agora era uma empreendedora. Mas o desafio da formalização não era tão simples, especialmente na hora de fazer uma conta PJ. Foi neste momento que a história de Rafa e do Nu se cruzaram.

“Eu sou cliente há muito tempo. O Nubank me ajuda muito na minha rotina. A gente sabe como a vida do empreendedor é corrida e com muitas horas de trabalho.  Essa facilidade de acessar o nosso dinheiro sem burocracias, sem enfrentar grandes filas, a qualquer hora e sem constrangimento, é algo de tirar o chapéu”.   

Trancista sim – e professora também

Enquanto o negócio como trancista crescia, Rafaela também se tornava uma influenciadora nas redes sociais. Ela passou a produzir alguns conteúdos com outras profissionais da área, falando sobre como se posicionar no mercado de forma correta. 

Em paralelo, nunca largou a história. Além do trabalho como trancista, Rafaela seguiu dando aulas – e hoje une mais essas duas paixões. Por sugestão de uma cliente, lançou em 2019 um curso digital de formação de trancistas. 

Hoje, o curso Viver de Tranças abre turmas para mais de 100 alunas e, até hoje, já preparou mais de 1600 trancistas para o mercado.

“É algo bem grandioso não só pelo número de alunas, mas de pessoas que são impactadas por esse trabalho. As mulheres negras não são ensinadas a ter essa autoestima profissional. O nosso lugar é sempre o da subserviência. Hoje o meu negócio nem é sobre ensinar a técnica, mas sobre virar essa chave dentro das minhas alunas de que elas podem ser líderes do que elas fazem. E isso transforma muitas vidas”, diz. 

Próximos passos e sonhos

Rafaela segue trabalhando para que a profissão de trancista seja mais reconhecida e valorizada em outros meios. Mais do que isso, busca ser exemplo para que outras mulheres lidem com o racismo. “A gente não vai acabar com o racismo estrutural de uma hora para a outra, mas a gente pode controlar a forma como a gente reage a partir dessas circunstâncias. O que, apesar disso, eu posso fazer para que a minha realidade seja transformada? E aí a gente foca no que tá dentro da nossa realidade ou no nosso controle para  promover transformações”, diz.

Conheça outras histórias como a de Rafaela que fazem parte do projeto “A gente muda o sistema”. Leia também:

“Não dá pra mudar o mercado sem ações concretas de diversidade e inclusão”

De recepcionista a CEO de uma startup: a trajetória de Tatiana Santarelli

“A gente muda o sistema”: histórias de orgulho e pertencimento

5

Esse artigo foi útil? Avalie

Obrigado pela avaliação

Você já votou neste post