Pedir Conta e
Cartão de Crédito

em menos de 1 minuto
e grátis

Precisamos seu nome completo. Precisamos seu nome completo.
Precisamos do seu CPF Precisamos de um CPF válido
Precisamos do seu e-mail. Aqui precisamos de um email válido.
Ops. Está diferente do campo acima.
Para prosseguir, você deve concordar com as políticas de privacidade.

Início Empreender Pandemia fez desigualdad...

Pandemia fez desigualdade de gênero aumentar entre MEIs, mostra Data Nubank

O estudo sobre empreendedorismo realizado pelo Nubank em parceria com BID e SEBRAE mostra que a crise intensificou o abismo de receita entre gêneros no microempreendedorismo brasileiro. Entenda.



Data Nubank: ilustração de uma mulher asiática empreendedora ao centro com uma loja a esquerda, caixas no canto superior e uma máquina de cartão no canto direito inferior. Ilustradora: Ing Lee

A pandemia do coronavírus impactou de forma intensa as famílias, trabalhadores e também os negócios dos brasileiros. Em um primeiro momento, o que chamava a atenção era o crescimento do número de MEIs – microempreendedores individuais –, puxado pelo desemprego. Agora, mais de um ano após os primeiros casos da doença no Brasil, o que salta aos olhos é a desigualdade entre os gêneros.

A 5ª edição do Data Nubank, estudo do Nubank sobre empreendedorismo feminino na pandemia em parceria com o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e o SEBRAE, mostra que, mesmo antes da crise sanitária, já existia uma diferença de renda grande entre os homens e mulheres. E essa distância só aumentou durante a pandemia.

Ganhe controle sobre suas finanças: assine nossa newsletter para receber conteúdo exclusivo.

Entenda, abaixo, um pouco mais sobre esse contexto desigual entre mulheres e homens empreendedores no Brasil.

A desigualdade financeira entre homens e mulheres MEIs na pandemia

A base do empreendedorismo é a construção de um negócio sólido, que consiga navegar em momentos difíceis. No entanto, homens e mulheres brasileiras partem de patamares diferentes para essa jornada, pois eles têm condições financeiras mais adequadas para fazer o negócio girar nos dias mais duros, como os enfrentados na pandemia de Covid-19.

Segundo o IBGE, em 2019, homens tinham salários quase 30% mais altos do que as mulheres. No mundo dos micro negócios, infelizmente a realidade é semelhante. Dados do Nubank mostram que, entre os clientes PJ MEIs, os homens têm uma receita média 16,2% maior do que as mulheres.

No gráfico a seguir fica evidente que, em 2020, antes da pandemia e no início dela, essa diferença era menor. Homens recebiam 10,8% a mais e, apenas no primeiro semestre de 2021, essa diferença saltou para 23%.

Ou seja, empresas masculinas já faturavam mais, mas a distância entre as receitas de homens e mulheres cresceu na pandemia e, consequentemente, aumentou a desigualdade entre os gêneros.

Há, ainda, diversos outros impactos que as mulheres empreendedoras sofreram durante a pandemia. Conheça esse contexto em detalhes e as consequências dessa realidade no estudo completo do Data Nubank.

Leia mais:

Perfil mais afetado pela pandemia é o de mulheres negras de baixa escolaridade, aponta Data Nubank

Negócios liderados por mulheres foram os mais impactados pela pandemia, segundo Data Nubank

Empreendedorismo feminino na pandemia é o tema da quinta edição do Data Nubank

Este texto faz parte da missão do Nubank de lutar contra a complexidade do sistema financeiro para empoderar as pessoas – físicas e jurídicas. Com a conta PJ, queremos ajudar donos de pequenos negócios, empreendedores e autônomos a focarem no que realmente importa. Saiba mais.

3.86

Esse artigo foi útil? Avalie

Obrigado pela avaliação

Você já votou neste post