Pular navegação

Como driblar o cansaço do Natal e fim de ano? Ideias para se organizar nesse período sem estresse

Dor de cabeça, falta de motivação e um cansaço que não tem fim. Basta chegar o fim de ano que a exaustão bate à porta de muita gente. Mas por que os efeitos da "dezembrite" afetam as pessoas?

Imagem mostra uma pessoa com umas máscara de papel roxa no rosto. Ela está com os olhos fechados. O fundo da foto é laranja.

Qual a sua relação com o calendário? Você é do time que acredita que tudo pode ser diferente no dia 1º de janeiro ou daqueles que acham que as viradas de semana, mês ou ano não importam, e um dia é apenas mais um dia? Independentemente da sua impressão pessoal, é inegável os efeitos que o passar dos meses do ano causam na saúde mental das pessoas, principalmente quando chega o Natal e o fim de ano. E esse efeito tem até um nome: "síndrome do fim de ano" ou "dezembrite". 

A síndrome do fim de ano não está em nenhuma classificação da OMS (Organização Mundial da Saúde) e nem é considerada uma doença, mas um fenômeno psicológico identificado por vários estudos que relacionam saúde mental aos períodos do ano. Um deles, realizado por pesquisadores da Universidade da Virgínia, nos Estados Unidos, concluiu que o fim de ano, principalmente o mês de dezembro, pode ser gatilho de sofrimento, estresse e muito cansaço. 

Essas consequências estão ligadas ao clima frio, que ocorre nesse período nos locais onde se concentram esses estudos, nos Estados Unidos e na Europa. Apesar disso, profissionais de saúde mental já relacionam essas mesmas características ao fim de ano de qualquer lugar do mundo, independentemente do clima. Um estudo da Isma (International Stress Management Association) mostra que o estresse dos brasileiros aumenta, em média, 75% em dezembro. 

Mas por que isso acontece? Entenda abaixo o que está por trás do cansaço excessivo que você sente nesse período, e confira ideias de como organizar o Natal e o fim do ano sem estresse. 

Por que o Natal e o fim de ano deixam as pessoas cansadas? 

Porque é nesse período que as pessoas querem cumprir as expectativas que criaram para elas mesmas no começo do ano, explica Regina Célia Spadari, doutora e mestre em Fisiologia e professora da Unifesp. 

"Nessa época do ano, queremos finalizar uma porção de coisas e nos impomos prazos que são muito difíceis de serem cumpridos. Quando você se impõe tarefas e situações com as quais não consegue lidar ou gerenciar adequadamente, o estresse chega sem dúvida nenhuma."

Regina Célia Spadari, da Unifesp

"Dezembro é um mês particularmente ansiogênico para aqueles que têm como horizonte duas datas importantes. O Natal, uma festa de família, que retoma uma história de encontros e desencontros, que reaviva conflitos. E o Ano Novo, que é uma festa do futuro, uma festa do desejo, uma festa da renovação e é um momento em que a gente costuma fazer um balanço e, em geral, a gente faz muito mal esse balanço", disse o psicanalista Christian Dunker, professor do Departamento de Psicologia Clínica do Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo, em entrevista à Rádio USP

Essas avaliações, dizem os especialistas, levam ao estresse. Spadari explica que, nos níveis saudáveis, o estresse mantém as pessoas alertas e motivadas, além de ser o fator fundamental para a sobrevivência. Mas o excesso ou o estado crônico dele são nocivos para a saúde. 

Quais as características do cansaço e do estresse do fim de ano?

Para Spadari, o estresse do fim de ano não é tão diferente daquele verificado em períodos intensos de desgaste que uma pessoa pode ter em qualquer outro momento, do ponto de vista fisiológico, mas ele tem algumas características únicas. 

É nesse período que todas as áreas da vida parecem demandar atenção ao mesmo tempo e aumentam a sensação de que é necessário cumprir algumas obrigações sociais como participar de vários encontros com amigos e familiares, atingir todas as metas estabelecidas para o ano, conquistar uma promoção no trabalho, organizar as festas de Natal e Ano Novo, viajar e, como se não bastasse tudo isso, já deixar tudo organizado para o ano que se inicia. 

E ainda há os estressores externos, como os estímulos e alertas constantes das redes sociais e do comércio, que lembram a todo o momento sobre o fim do ciclo; e as retrospectivas cheias de muitas realizações publicadas por influenciadores e até por pessoas conhecidas, que aumentam a sensação de frustração. 

Para muitas pessoas, um novo ano pode representar uma nova oportunidade, ou seja, um recomeço. Para outras, esse período pode trazer ainda mais ansiedade pela falta de perspectiva e medo de mudanças. Além disso, a depender do que aconteceu ao longo do ano, Natal e Ano Novo podem estimular lembranças dolorosas como a perda de alguém.

"O outro elemento que faz dezembro ser uma data perigosa para a saúde mental é que [nesse período] se recolocam as nossas relações conosco. É um momento de recolhimento, um momento de suspensão da rotina, ou de desligamento das coisas. Um momento em que a gente volta para casa, mas não só para a casa geográfica e física, mas para a casa de nós mesmos. E isso sempre é acompanhado por valor melancólico e frequentemente por contabilidades que nos rebaixam", explicou Dunker. 

Quais são os sinais que mostram que o Natal e o fim de ano estão te sobrecarregando?

Os sinais do cansaço típico desse período do ano são os mesmos de qualquer cansaço e estresse extremos. Sensação de estafa, dores de cabeça, na coluna e no corpo, principalmente no estômago, e insônia são os mais comuns. 

Há ainda outros sintomas como irritabilidade, impaciência, sensibilidade, sensação de insuficiência. É possível também que as pessoas sintam uma enorme desmotivação e queiram se afastar dos problemas por falta de energia para lidar com eles. Mas esses sinais podem se agravar e escalar para doenças, segundo Spadari. 

A especialista explica que momentos de tensão acima do que uma pessoa consegue lidar provoca um choque no corpo que pode provocar doenças.

"Em situações intensas, nosso organismo libera mediadores do estresse que preparam o nosso organismo para lidar com a situação. Esses mediadores mobilizam substratos energéticos para gastarmos energia na luta ou na fuga dessa situação. Quando esse estresse está além da sua capacidade de enfrentamento, seja por conta de um grande volume de tarefas ou porque essas tarefas são muito difíceis, esses mediadores não são suficientes e você entra em um estado de ansiedade e frustração que podem provocar doenças", explica.  

Segundo a especialista, o estresse e o cansaço intenso estão por trás de muitas condições comuns, mas perigosas. Hipertensão, arritmias, ansiedade, depressão, gastrite, síndrome do intestino irritável e doenças cardiovasculares são alguns exemplos. 

Como passar por dezembro sem ficar doente? 

O primeiro passo é estabelecer e conhecer os próprios limites. A linha que separa um cansaço que é resolvido com uma boa noite de sono daquele que eleva o estresse e provoca problemas de saúde é individual, depende do contexto, da experiência e do autoconhecimento de cada um.

"É importante esse exercício de entender quais são os próprios limites, porque é a partir desse conhecimento que você consegue fazer mudanças no seu estilo de vida." 

Regina Célia Spadari, da Unifesp

Entender os próprios limites é saber a capacidade que uma pessoa tem para lidar com determinadas tarefas e situações, e até que ponto ela consegue se envolver em atividades sem que elas afetem a saúde física e mental. Esses limites não são imutáveis e mudam com o tempo, por isso, precisam sempre ser reavaliados.

"É muito importante entender a época do ano, que é diferente mesmo, e entender que podemos ser um pouco mais tolerantes com as nossas metas, com as nossas contabilidades subjetivas, com o nosso produtivismo." 

Christian Dunker em entrevista à Rádio USP

Ideias de como passar pelo Natal e fim de ano sem se sentir esgotado

Priorizar a sua lista de tarefas pode te ajudar a respirar 

Depois de entender até que ponto você vai, vale checar a sua agenda para priorizar as tarefas. Será que todas precisam ser feitas em dezembro? Todos os encontros marcados com amigos e família são realmente importantes? O objetivo é que você libere tempo na sua agenda. 

Pedir ajuda diminui a sobrecarga

O volume no trabalho aumentou? Pedir ajuda é o mais indicado. Nesse período do ano, é comum que muitas famílias programem férias e essa saída acelera o ritmo no trabalho. Se for possível, negocie prazos e priorize as tarefas junto com os seus gestores. 

Dizer "não" é saudável 

A tarefa não é das mais simples para muita gente, mas necessária. Natal e fim de ano são períodos de muitos pedidos: dos amigos para aquele happy hour, dos filhos para passeios e presentes, do chefe para mais projetos. Se essa possibilidade for factível no trabalho e em outras áreas da vida, diminua o ritmo e recuse mais tarefas. No trabalho, lembre-se de que esse "não" precisa ser negociado em conversas francas com a liderança. Com os amigos e família, dizer simplesmente que quer descansar agora pode funcionar.

Às vezes, basta uma pausa para respirar  

Tente encaixar pequenos intervalos na agenda de 5 a 10 minutos para olhar pela janela, pegar uma bebida e respirar. Também vale uma caminhada ao redor do quarteirão. Essas paradas aliviam o estresse e acalmam a mente. 

Como desacelerar? Confira estratégias para ter uma vida para equilibrada

Momentos de lazer individual ajudam a reconectar 

A família é importante para você, mas, no Natal e fim de ano, ela pode ser também muito demandante. Por isso, é importante planejar alguma atividade que te dê prazer pelo menos uma vez por semana. Se ficar com sua família, mesmo agora, é o que te energiza, divirtam-se juntos. O importante aqui é que essa atividade não esteja relacionada ao cumprimento de nenhuma tarefa, como as compras de Natal. 

O que fazer nas férias com as crianças?

Você precisa mesmo enfrentar o shopping lotado para fazer as compras de Natal? 

O ambiente também pode ser um fator estressor. Locais lotados, muito quentes ou muito frios contribuem para o cansaço, irritabilidade e aumento do estresse. Por isso, resolver o que puder no conforto da sua casa pode ser uma alternativa. As compras de Natal, por exemplo, podem ser feitas pela internet.

Presente de Natal: um guia para não errar

Ceia de Natal pronta? Por que não? 

A organização do dia do Natal pode ser estressante para muitas famílias. Comprar tudo, preparar a ceia, arrumar a casa para os convidados. Se este período está sendo muito estressante em vez de divertido, tente reduzir o esforço de algumas tarefas. Se a que toma mais tempo é o preparo da ceia, reserve uma pronta. Hoje, diversas padarias e até alguns supermercados oferecem um cardápio de fim de ano. Basta escolher e buscar pronto no dia combinado. 

Na hora de fazer o balanço do ano, evite comparações 

Fim de ano é um período de muita pressão pela felicidade e por demonstrações de realizações. Avaliar o ano que passou é saudável e recomendado, mas esse momento pode ser repleto de julgamento e muitas comparações com o outro. Os especialistas recomendam que esse balanço considere apenas a sua trajetória, como você estava no início do ano e como está agora. O outro não deve entrar na conta. Além disso, ser gentil com a sua própria jornada pode aliviar esse período cheio de demandas. E lembrar que esse momento é passageiro também.

Leia também 

Autonomia, liberdade e independência financeira: qual a diferença entre esses conceitos?

Guia do planejamento financeiro: como fazer uma virada nas suas contas?

Filmes para assistir com a família: 6 produções que ensinam sobre dinheiro, consumo e escolhas 

Como planejar uma viagem em família sem deixar as vontades de cada um de lado? 

Este conteúdo faz parte da missão do Nubank de devolver às pessoas o controle sobre a sua vida financeira. Ainda não conhece o Nubank? Saiba mais sobre nossos produtos e a nossa história aqui.