Pular navegação

Malware e vírus no celular: o que são e como se proteger

Abreviação para "software malicioso", um malware pode roubar as informações de seu celular ou computador e até realizar ações como se fosse você. Saiba o que fazer se for vítima.

Ilustração de um livro aberto com as páginas sendo viradas

Já ouviu falar em malware? Esse termo, que vem do universo da cibersegurança, é uma junção das palavras software malicioso (em inglês, malicious software) e é o nome dado a programas criados para infectar um celular, computador ou outro dispositivo, dando ao criminoso acesso e até controle sobre as informações contidas na máquina atingida.

Em outras palavras: um malware é um programa que, quando instalado em um dispositivo, pode ganhar acesso aos dados que estão armazenados ali e até mesmo tomar controle da máquina e realizar certas ações sem o consentimento do usuário.

Segundo o relatório Panorama de Ameaças, produzido pela empresa de cibersegurança Kaspersky, o Brasil sofre cerca de 1.500 ataques de malware por minuto.

Um dos tipos mais conhecidos de malware são os vírus, mas existem outros – spywares, worms, bots, cavalos de Troia e ransomwares (quando os hackers sequestram os dados de uma pessoa e cobram um resgate por eles) são alguns deles.

Para a vítima, os danos causados por um malware podem ser múltiplos, incluindo a perda de seus dados, informações sensíveis expostas, invasão de contas, roubo de recursos, entre outros.

Como um malware é instalado?

Existem algumas formas diferentes que um malware pode infectar o seu dispositivo. As três principais são: a própria vítima instala o programa (normalmente, ao baixar um aplicativo ou arquivo); através de um golpe de phishing; ou por meio de uma brecha em sistemas desatualizados.

1. Aplicativo ou arquivo malicioso

Sabe aqueles aplicativos de recompensas que parecem inofensivos? Você baixa, completa algumas tarefas para receber dinheiro, baixa um app para resgatar o valor e… pronto, malware instalado. Sem a vítima perceber, o programa infecta seu celular e começa o estrago.

Embora os aplicativos de recompensas estejam entre os mais populares para este tipo de golpe, outros tipos também são vulneráveis – como apps de filtros que alteram sua aparência, joguinhos e outros.

Alguns malwares podem conseguir acesso até mesmo a senhas bancárias e números de cartão, dependendo da gravidade.

2. Phishing

O phishing é um dos tipos de golpes que mais fazem vítimas no Brasil. Ele tem uma técnica simples, mas muito eficaz: induzir a vítima a ceder seus próprios dados.

Normalmente, isso acontece da seguinte forma: o usuário clica em um link (que pode ser recebido por e-mail ou aplicativo de mensagem, ou aparecer em anúncios de redes sociais, por exemplo) e, acreditando que está em um site legítimo, passa suas informações.

Só que a página, na verdade, é controlada pelo criminoso, que passa a ter acesso aos dados e tem mais facilidade de invadir o dispositivo da vítima e instalar um malware.

Phishing, Vishing e Smishing: o que são esses golpes?

3. Sistema desatualizado

Quando o sistema operacional fica antigo ou desatualizado, é mais comum que os malwares encontrem brechas para atacar – afinal, um sistema que não está atualizado tende a ser mais vulnerável a softwares novos.

Entenda aqui por que (e como) você deve atualizar seu celular

Como remover um malware?

Dependendo da complexidade do programa, remover um malware pode ser uma tarefa difícil. Aqui você encontra as orientações oficiais do Google Suporte para computadores Microsoft, Mac e Chromebooks.

Se você suspeita ou tem a confirmação de que seu celular foi infectado por um malware, uma das possíveis soluções é redefinir o dispositivo de volta para as configurações originais de fábrica, o que removerá todos os dados dele.

Além disso, é recomendável que você troque todas as suas senhas e ative a autenticação de dois fatores em todos os seus aplicativos – redes sociais, e-mails, contas bancárias, streamings e outros. Nem sempre é possível saber a extensão do ataque do malware, portanto, é melhor se prevenir.

Redefinir configurações no Android

A maioria dos smartphones Android permite que a redefinição seja feita pelo aplicativo de Configurações, mas o mais indicado é entrar em contato com o fabricante e/ou operadora do seu celular. Veja o site das principais fabricantes e operadoras:

Redefinir configurações no iPhone

A Apple indica aqui o passo a passo para redefinir o aparelho de volta às configurações de fábrica. Basta escolher a versão do iOS do seu aparelho no topo da página e seguir as orientações.

Lembre-se: redefinir as configurações do seu aparelho, seja ele Android ou iOS, irá apagar os seus dados.
Em um mundo cada vez mais digital, manter seus dados seguros é crucial. Aprenda mais sobre como proteger sua vida online com nossos conteúdos sobre segurança digital.