Pedir Conta e
Cartão de Crédito

em menos de 1 minuto
e grátis

Precisamos seu nome completo. Precisamos seu nome completo.
Precisamos do seu CPF Precisamos de um CPF válido
Precisamos do seu e-mail. Aqui precisamos de um email válido.
Ops. Está diferente do campo acima.
Para prosseguir, você deve concordar com as políticas de privacidade.

Início Seu Dinheiro Auxílio Emergencial Auxílio Emergencial: pai...

Auxílio Emergencial: pais solteiros recebem até R$ 3 mil. Entenda como vai funcionar

Famílias monoparentais chefiadas por homens solteiros que já recebiam o benefício em 2020 têm direito ao valor. Veja as regras para receber.



Entre 2020 e 2021, o Auxílio Emergencial chegou a ser pago a mais de 68 milhões de brasileiros. As últimas parcelas oficiais foram pagas em outubro de 2021, mas alguns pagamentos complementares foram feitos a grupos que entraram em exceções – agora, em 2022, um grupo de pais solteiros pode chegar a receber até R$ 3 mil.

Durante o pagamento, o Auxílio Emergencial beneficiou, em dobro, famílias monoparentais chefiadas por mulheres e que tinham pelo menos um dos integrantes com menos de 18 anos de idade. Em 2020, foram pagos R$ 6 mil a cada uma dessas mulheres beneficiárias, durante os cinco meses de Auxílio Emergencial de R$ 600. Na época, o cadastro não contemplava homens chefes de família monoparentais.

Em 2021, a MP 1084 estabeleceu que deveria ser pago, retroativamente, um valor complementar a esses homens que criam seus filhos sozinhos, de forma a equilibrar o pagamento do benefício e o impacto social causado pela pandemia da Covid-19 a essas famílias.

Ou seja, os homens que se encaixarem nesta categoria têm direito a receber essas parcelas agora em 2022. O número de parcelas pagas (e, portanto, o valor total) varia de acordo com quanto do benefício as pessoas já receberam anteriormente.

Entenda quando será pago e quais os requisitos para ter direito ao pagamento adicional do Auxílio Emergencial. 

Quando será pago o Auxílio Emergencial complementar para pais solteiros? E qual o valor?

O valor foi depositado na conta da poupança social da Caixa, em parcela única, no dia 13 de janeiro de 2022 – a mesma conta em que o auxílio foi pago nos anos anteriores.

Ao todo, 823,4 mil pessoas receberam ao menos uma parcela do benefício. Para saber se está entre eles, basta consultar pelo site consultaauxilio.cidadania.gov.br.  

O valor pode ir de R$ 600 a R$ 3 mil, a depender do número de parcelas que o beneficiário recebeu entre os meses de abril e agosto de 2020. Ou seja, se o beneficiário recebeu duas parcelas do Auxílio Emergencial, receberá R$ 1.200 retroativamente – como exemplo.  

Regras do Auxílio Emergencial complementar para pais solteiros

Têm direito ao pagamento do Auxílio Emergencial todos os homens que sejam chefes de famílias monoparentais, ou seja, que não tenham cônjuge, companheiro ou companheira, e que um dos integrantes da família seja menor de 18 anos. 

Não é possível fazer um cadastro específico para ter direito ao pagamento complementar – o Ministério da Cidadania utilizará como base os pais solteiros que fizeram o cadastro, foram aprovados e receberam o benefício entre os meses de abril e agosto de 2020. 

Além disso, há uma seleção automática dos beneficiários usando os seguintes critérios:

  • Os responsáveis familiares que tinham direito ao benefício de R$ 600 em 2020 e que foram incluídos no Programa Bolsa Família;
  • Os responsáveis familiares que tinham direito ao benefício de R$ 600 em 2020 e que foram incluídos no Cadastro Único – conforme a base de dados de 2 de abril de 2020;
  • Os beneficiários que tinham direito ao benefício de R$ 600 em 2020, inscritos via plataformas da Caixa, desde que não exista uma outra pessoa, da mesma família, que tenha se declarado como chefe de família.

Em quais casos o benefício não será pago?

O pagamento complementar do Auxílio Emergencial não será pago aos pais solteiros que:

  • Tenham, na grupo familiar, uma mulher que teve direito à cota dupla de R$ 1.200 do Auxílio Emergencial em 2020;
  • Caso o beneficiário tenha um caso de óbito registrado no Sistema Nacional de Informações de Registro Civil (SIRC) ou no Sistema de Controle de Óbitos (Sisobi) ou tenha o CPF vinculado à concessão de pensão por morte;

Leia mais sobre auxílio social:  

Auxílio Brasil X Bolsa Família X Auxílio Emergencial 

Auxílio Brasil: entenda o novo programa social do governo 

Auxílio-gás: tudo sobre o benefício 

Este conteúdo faz parte da missão do Nubank de devolver às pessoas o controle sobre a sua vida financeira. Ainda não conhece o Nubank? Saiba mais sobre nossos produtos e a nossa história.

3.79

Esse artigo foi útil? Avalie

Obrigado pela avaliação

Você já votou neste post