Pedir Conta e
Cartão de Crédito

em menos de 1 minuto
e grátis

Precisamos seu nome completo. Precisamos seu nome completo.
Precisamos do seu CPF Precisamos de um CPF válido
Precisamos do seu e-mail. Aqui precisamos de um email válido.
Ops. Está diferente do campo acima.
Para prosseguir, você deve concordar com as políticas de privacidade.

Complete os campos ao lado para pedir sua Conta e Cartão de crédito

Agora complete abaixo para pedir sua conta e cartão de crédito

Precisamos de um CPF válido
Precisamos seu nome completo. Precisamos seu nome completo.
Precisamos do seu e-mail. Precisamos de um email válido.
Ops. Está diferente do campo acima.
Para prosseguir, você deve concordar com as políticas de privacidade.

Início Seu Dinheiro Por que o arroz subiu ma...

Por que o arroz subiu mais que a inflação? Entenda a alta dos preços

Dólar alto, mais exportações, menos importações e aumento da procura. Veja por que alimentos do dia a dia, como arroz e óleo, ficaram tão mais caros mesmo com a inflação a 2,4%. .



Quem foi ao supermercado nos últimos dias levou um susto: itens que compõem a refeição básica do brasileiro – como o arroz, feijão, óleo de soja e carne – tiveram um aumento significativo nos preços. Em alguns estabelecimentos, o pacote de arroz de 5 quilos, geralmente vendido a mais ou menos R$15, chegou a custar R$40.

O exemplo acima é extremo mas reflete o que anda acontecendo no bolso do brasileiro: o preço da comida subiu. Nos últimos 12 meses, o aumento dos alimentos ficou em 8,83%, segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). 

O que confunde muita gente é que a inflação do período não cresceu tanto. O IPCA (Índice de Preços para o Consumidor Amplo), considerado o índice oficial da inflação do país, subiu 2,44% em 12 meses (em agosto subiu 0,24%) – uma fração muito menor que os mais de 8% dos alimentos. 

Afinal, o que está acontecendo? Por que o preço da comida subiu mais do que a média da inflação?

Basicamente, dois fatores principais podem explicar o que acontece:

O dólar está alto

O valor do dólar – R$5,30, em setembro de 2020 – faz com que diversos produtores optem por exportar (vender para outros países) seus produtos, em vez de oferecer o item no mercado nacional. Ao exportar, eles recebem em moeda americana. 

Na prática, para que as empresas brasileiras consigam manter os alimentos aqui, é necessário pagar mais, e este valor acaba refletindo no bolso do consumidor.

No caso do arroz, as exportações apresentaram aumento de 260% entre os meses de março e julho de 2020 – vale dizer que a demanda da China por alimentos é alta, por ser o país mais populoso do mundo. Já a importação do grão teve redução de 59%. O que diminuiu a oferta da mercadoria no Brasil.

De acordo com o Cepea (Centro de Pesquisas Econômicas da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz), o valor pago pelo arroz no campo (plantação) bateu recorde – subiu 63% em agosto de 2020 em comparação com a mesma época do ano passado.

O que é balança comercial e o que impacta esse resultado?

Aumento de consumo

O auxílio emergencial de R$600 é um dos fatores que estimulou o consumo. Cerca de 65 milhões de pessoas receberam o auxílio do governo – ⅓ da população do país. A maioria dos beneficiários faz parte da população de baixa renda, que usa o dinheiro para comprar produtos básicos para o dia a dia, como alimentação. Com o aumento da procura, os preços acabaram subindo.

Vale lembrar que o auxílio emergencial foi prorrogado até dezembro – com parcelas menores,  de R$300. Tal fonte de renda deve continuar movimentando a economia e influenciando no preços dos alimentos.

Afinal, vai faltar arroz?

Se essa pergunta passou pela sua cabeça, não precisa se desesperar. Segundo a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), o produtor rural não é o responsável pelo aumento do preço nos supermercados (e, sim, a exportação). 

Então, você vai encontrar arroz nas prateleiras dos estabelecimentos. Porém, o valor pago pode não baixar tão cedo.

E o óleo de soja?

O preço de outro item básico da alimentação chamou a atenção dos brasileiros: o óleo de soja. Segundo a Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos), o produto ficou mais caro em 17 capitais do país em setembro de 2020. Entre elas, destacam-se Rio de Janeiro (aumento de 22,4%) e Porto Alegre (aumento de 21,1%) e São Paulo.

Na capital paulista, o preço por do litro quase dobrou, chegando aos R$6. De acordo com o IBGE, na média, o óleo de soja subiu 18,6% este ano.

Mas por que aumentou?

O óleo é derivado da soja, como o próprio nome sugere. E a soja é o produto que o Brasil mais exporta. Em 2020, já foram negociadas mais de 75 milhões de toneladas do grão – esse número foi de cerca de 74 milhões de toneladas no ano inteiro de 2019.

Por isso, existe uma espécie de “disputa” pela mercadoria entre exportadores e indústrias brasileiras.

O preços vão permanecer assim por muito tempo?

De acordo com o Ibre (Instituto Brasileiro da Economia), se o valor do dólar continuar alto, a resposta é sim. A organização prevê, no total, aumento entre 8,5% e 9% no preço dos alimentos este ano.

Leia também:

O que é inflação e como ela afeta sua vida

Selic e IPCA: as taxas básicas da economia que afetam seu bolso

Variação do dólar: entenda por que ele sobe e desce tanto

Este conteúdo faz parte da missão do Nubank de devolver às pessoas o controle sobre a sua vida financeira. Saiba mais sobre nossos produtos e a nossa história.

4.44

Esse artigo foi útil? Avalie

Obrigado pela avaliação

Você já votou neste post