Pedir Conta e
Cartão de Crédito

em menos de 1 minuto
e grátis

Precisamos seu nome completo. Precisamos seu nome completo.
Precisamos do seu CPF Precisamos de um CPF válido
Precisamos do seu e-mail. Aqui precisamos de um email válido.
Ops. Está diferente do campo acima.
Para prosseguir, você deve concordar com as políticas de privacidade.

Complete os campos ao lado para pedir sua Conta e Cartão de crédito

Agora complete abaixo para pedir sua conta e cartão de crédito

Precisamos de um CPF válido
Precisamos seu nome completo. Precisamos seu nome completo.
Precisamos do seu e-mail. Precisamos de um email válido.
Ops. Está diferente do campo acima.
Para prosseguir, você deve concordar com as políticas de privacidade.

Início Seu Dinheiro Dicionário Financeiro Por que o ouro é um inve...

Por que o ouro é um investimento?

Entenda por que, quando o dólar não vai bem, o ouro acaba sendo uma opção para os investidores.



Apesar do ouro ser ensinado nas aulas de química (tabela periódica, lembra?), é nas páginas de economia que ele está aparecendo nos últimos meses. Só em julho de 2020, o preço do ouro teve uma alta de 10%  – o que pode ter levantado algumas dúvidas. O que essa alta significa? Tem a ver com a pandemia do novo coronavírus? Por que o ouro é tão valioso?

Por que o preço do ouro está aumentando?

Seja na piscina de moedas do Tio Patinhas ou nos desejos luxuosos da personagem Khadija, da novela O Clone, o ouro está historicamente associado com fortuna, riqueza e dinheiro – muito dinheiro.

Mas o ouro também tem outro significado: segurança. Em tempos de crise, esse ativo é visto como um porto seguro para os investidores – não importa o que aconteça, o ouro continuará sendo um bem limitado e valioso.

Em 2008, por exemplo, ano da crise do mercado financeiro americano que impactou economias do mundo todo, o ouro foi o investimento com maior retorno no Brasil – a cotação na antiga BM&F Bovespa (atual B3) registrou alta de 32,13% no ano.

Passados 12 anos, a história está se repetindo em 2020 com a pandemia do novo coronavírus e uma crise global pior do que a de 2008, contribuindo para que o valor do ouro atinja patamares históricos.

No dia 4 de agosto, a cotação do ouro nos índices futuros chegou a US$ 2.021,00 a onça troy (medida internacional de negociação que equivale a 31,1035 gramas) – a máxima histórica deste ativo.

Mas não dá para atribuir a alta do ouro apenas à pandemia. É preciso lembrar também do dólar, outro ativo para o qual investidores costumam correr em tempos de crise.

A queda do dólar e a alta do ouro

Antes do dólar se tornar a principal moeda do mundo, quem ocupava essa posição era o ouro. Mas, com os Estados Unidos despontando como a maior economia do mundo, o dólar tomou o lugar do ouro e hoje é responsável por 80% de todas as transações mundiais. 

Em tempos em que a economia e a moeda americanas não vão bem, entretanto, o ouro acaba sendo uma opção para os investidores.

E por que o dólar anda mal?

A pandemia é tão séria que até mesmo as maiores economias do mundo, como os Estados Unidos, foram afetadas.

Para tentar diminuir o desemprego no país, manter a renda das pessoas e impedir que empresas fechem suas portas, o banco central dos EUA (o FED) imprimiu e injetou trilhões de dólares na economia.

Mas, como toda ação tem uma reação, mais moedas circulando significa maior oferta, fazendo com que o dólar perca seu valor. Outra consequência no médio prazo pode ser o aumento da inflação nos Estados Unidos.

Para piorar a situação, a expectativa é que o governo americano injete mais alguns trilhões na economia, desvalorizando ainda mais o dólar.

Além disso, o déficit fiscal americano já está em US$ 2,74 trilhões – número 267% maior do que o mesmo período de 2019.

Outro fator que entra nessa conta é a taxa básica de juros americana. Atualmente com juros próximos a zero e tendência de se manterem baixos, a preocupação do mercado é que, no longo prazo, a inflação americana supere os juros – fazendo com que o dólar valha menos e menos com o passar dos anos.

Esse cenário incerto gera insegurança e afasta os investidores do dólar, que recorrem a outros ativos, como o ouro – que fica mais barato conforme o dólar se desvaloriza, já que é negociado no mundo todo na moeda americana.

E por que o ouro é tão valioso?

Sabe aquela velha história da oferta e da demana? Pois ela se aplica no caso do ouro também.

O ouro, diferentemente de outros ativos financeiros, não pode ser criado – pelo menos não de um jeito que valha a pena o custo de produção. Ele é um metal escasso e limitado, que precisa ser minerado e sua oferta é constante ao longo do tempo.

Entre 2018 e 2019, por exemplo, a produção de ouro praticamente não mudou, aumentando apenas 1%. A oferta, por outro lado, aumentou um pouco mais, 3%, por causa da reciclagem de materiais que contêm ouro.

Isso significa que, não importa quanto a demanda por ouro aumente, a oferta permanece praticamente estável ao longo do tempo.

Além de ser um ativo financeiro, o ouro também é usado em diversas aplicações por ser um metal maleável (ele se torna líquido a 1.064 graus Celsius) e inoxidável. Segundo o Conselho Mundial do Ouro, o ouro é usado na fabricação de:

  • Testes rápidos de diagnósticos;
  • Medicamentos;
  • Placas de energia solar;
  • Telescópios;
  • Eletrônicos;
  • Joias;
  • Entre outros produtos.

Ou seja, além de atrair investidores, o ouro também é necessário em diversas indústrias de diferentes setores, o que impacta a demanda do metal.

Este conteúdo faz parte da missão do Nubank de devolver às pessoas o controle sobre a sua vida financeira. Ainda não conhece o Nubank? Saiba mais sobre nossos produtos e a nossa história.

4.79

Esse artigo foi útil? Avalie

Obrigado pela avaliação

Você já votou neste post