Pedir Conta e
Cartão de Crédito

em menos de 1 minuto
e grátis

Precisamos seu nome completo. Precisamos seu nome completo.
Precisamos do seu CPF Precisamos de um CPF válido
Precisamos do seu e-mail. Aqui precisamos de um email válido.
Ops. Está diferente do campo acima.
Para prosseguir, você deve concordar com as políticas de privacidade.

Início Seu Dinheiro Organizar as Finanças O preço dos alimentos va...

O preço dos alimentos vai subir por causa do frio?

A queda nas temperaturas afetou a produção de diversos itens do dia a dia e pode impactar o bolso de milhões de brasileiros. Saiba mais.



Julho foi um mês difícil para quem não gosta de frio – e para algumas culturas agrícolas cultivadas no Sul, no Sudeste e até no Centro-Oeste do país também.

Com a queda brusca nas temperaturas, plantações de diversos itens comuns no dia a dia de milhões de brasileiros foram afetadas, como milho, café e cana-de-açúcar. A pergunta que fica é: o preço dos alimentos vai subir? Entenda abaixo.

Primeiro, como a temperatura impacta a agricultura?

Cada tipo de plantação exige uma condição climática para se desenvolver: temperatura, quantidade de água, horas de sol, entre outros fatores. Quando uma variável foge do ideal, a planta corre o risco de não crescer tão bem – ou, nos piores casos, até morrer.

É por isso que, quando a temperatura cai de forma brusca, plantações que não se dão bem com o frio são diretamente afetadas. A planta não se desenvolve como deveria, a colheita fica menor, e a quantidade de produto disponível também diminui.

Em São Paulo, por exemplo, cerca de 20% da área de plantação de café foi afetada pela onda de frio em julho, de acordo com a Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de São Paulo (Faesp). Com isso, o rendimento e a qualidade dos grãos deve ser menor nesta safra.

Outros itens bastante afetados pelo frio foram o milho e a cana-de-açúcar, segundo a Faesp.

Com isso, o preço dos alimentos vai subir?

Ainda é cedo para dizer exatamente quanto o preço dos alimentos vai subir, mas já dá para afirmar que o consumidor vai sentir no bolso os impactos do frio.

É aquela velha regra da oferta e da demanda. Com a queda na temperatura, a oferta de itens como milho, café e cana-de-açúcar vai diminuir. Com a oferta menor, mas a demanda igual, o preço desses itens deve subir e impactar o orçamento dos brasileiros. 

E não é só o valor desses itens que deve aumentar. O milho, por exemplo, é usado para alimentar bovinos, suínos e aves. Com o aumento no preço, o custo para os produtores também aumenta e deve ser repassado no valor final da carne.

A cana-de-açúcar, por outro lado, é usada para produzir etanol. Com isso, o preço do combustível aumenta e eleva também o preço do transporte, impactando o valor dos fretes e deixando itens transportados mais caros.

Quais itens devem ficar mais caros?

  • Milho;
  • Cana-de-açúcar;
  • Café;
  • Etanol;
  • Carne;
  • Soja;
  • Trigo.

Ou seja: além dos pés gelados, você também vai sentir o bolso mais pesado com essa onda de frio.

E o que fazer para fugir da alta dos preços?

Quando o preço de algum item sobe, o segredo é pesquisar: seja estabelecimentos com valores mais baixos, seja outras alternativas para substituir determinado produto caso ele não caiba nas suas finanças com o preço mais alto. 

Se não for possível substituir, é importante acompanhar as contas com atenção para não perder o controle do orçamento e, se necessário, fazer ajustes. 

Este conteúdo faz parte da missão do Nubank de devolver às pessoas o controle sobre a sua vida financeira. Ainda não conhece o Nubank? Saiba mais sobre nossos produtos e a nossa história.

4.43

Esse artigo foi útil? Avalie

Obrigado pela avaliação

Você já votou neste post