Pedir Conta e
Cartão de Crédito

em menos de 1 minuto
e grátis

Precisamos seu nome completo. Precisamos seu nome completo.
Precisamos do seu CPF Precisamos de um CPF válido
Precisamos do seu e-mail. Aqui precisamos de um email válido.
Ops. Está diferente do campo acima.
Para prosseguir, você deve concordar com as políticas de privacidade.

Início Seu Dinheiro Como uma greve de caminh...

Como uma greve de caminhoneiros impacta seu dia a dia?

No dia 1o de fevereiro, estava prevista uma manifestação de caminhoneiros, tal como a ocorrida em 2018. Entenda como essa greve pode te impactar, a depender do seu tamanho e dimensão.

Greve dos caminhoneiros: ilustração mostra uma pista de carros roxa com veículos

Estava prevista para começar nesta segunda-feira, 1o de fevereiro de 2021, uma paralisação de caminhoneiros em todo o Brasil. 

As principais motivações para a paralisação são a falta de um marco regulatório do transporte, de uma jornada de trabalho para esses profissionais, da aplicação do piso mínimo para o frete (valor cobrado pelo transporte), do preço do óleo diesel — que, em 2021, acumula alta de 4,4% — e de regras claras para a aposentadoria desses motoristas.

Independentemente dos motivos, uma greve de caminhoneiros afeta bastante o dia a dia das cidades e das pessoas. Dependendo da proporção dela, vários serviços podem ser interrompidos. Vale relembrar o que aconteceu em 2018, última grande paralisação desse setor.

Por que essa greve pode impactar tanto?

É simples: o transporte de cargas, feito por caminhões pelas rodovias brasileiras, hoje representa mais de 60% da circulação. Toda a logística brasileira se baseia no transporte rodoviário: estima-se que o Brasil possua uma frota de 2 milhões de caminhões de carga e mais de 10 mil empresas de transporte rodoviário de carga.

Com as rodovias bloqueadas, impedindo o vai e vem de caminhões de carga, deixa de existir circulação de mercadorias, bens e produtos. É importante lembrar que muitas dessas mercadorias são essenciais, como os alimentos e combustíveis, o que cria certo pânico na população e aumenta as proporções da paralisação.

Como foi a greve dos caminhoneiros de 2018?

A paralisação de 2018 aconteceu entre os dias 21 e 31 de maio de 2018, durando onze dias. Foram mais de 350 mil caminhoneiros paralisados no Distrito Federal e outros 21 estados brasileiros.

O motivo da paralisação também foi o preço do diesel, que na época passava por um período de alta e muitas flutuações — tanto que uma das reivindicações era para que o governo estabelecesse uma regra para reajustes no combustível. 

Os principais impactos                                  

Os principais impactos foram na logística brasileira — a partir deles, os demais reflexos da paralisação surgiram no dia a dia do brasileiro. Dito isso, o principal problema enfrentado foi a falta de abastecimento dos mais diversos itens, em especial alimentos e combustível. 

Esses são itens que deixam a prateleira mais rapidamente e dependem do transporte de cargas, feito pelos caminhoneiros, para serem reabastecidos; na ausência deles, prateleiras chegaram a ficar vazias e, em outros casos, o preço subiu muito. É a clássica lei da oferta e da procura: quando a demanda é alta e a oferta diminui, os preços ficam mais caros.

Em relação ao combustível, o impacto foi drástico. Quando alguns postos específicos começaram a apresentar falta de abastecimento, a população correu para outros postos para garantir a gasolina antes que ela se “esgotasse”, levando a filas gigantescas de carros nos postos e, também, ao aumento dos preços.

Aeroportos e companhias aéreas também sofreram

Voos chegaram a ser cancelados na época, já que o combustível que abastece os aviões também é transportado por caminhões e não chegava aos aeroportos.

Atrasos nas entregas dos Correios

Parte da logística dos Correios brasileiros também é de frota terrestre — cerca de 1.500 linhas em 2018. Com os bloqueios em rodovias, os prazos inicialmente estipulados para entregas de Sedex e PAC sofreram atrasos.

E agora? O que esperar?

Por hora, não dá pra dizer qual será a dimensão dessa paralisação, já que ela ainda não tomou fôlego.. É importante, no entanto, controlar o pânico e o impulso de sair correndo para os mercados ou postos: essa atitude só piora a situação e estimula uma crise que sequer existe ainda.

Este conteúdo faz parte da missão do Nubank de devolver às pessoas o controle sobre a sua vida financeira. Ainda não conhece o Nubank? Saiba mais sobre nossos produtos e a nossa história aqui.

5

Esse artigo foi útil? Avalie

Obrigado pela avaliação

Você já votou neste post