Pedir Conta e
Cartão de Crédito

em menos de 1 minuto
e grátis

Precisamos seu nome completo. Precisamos seu nome completo.
Precisamos do seu CPF Precisamos de um CPF válido
Precisamos do seu e-mail. Aqui precisamos de um email válido.
Ops. Está diferente do campo acima.
Para prosseguir, você deve concordar com as políticas de privacidade.

Complete os campos ao lado para pedir sua Conta e Cartão de crédito

Agora complete abaixo para pedir sua conta e cartão de crédito

Precisamos de um CPF válido
Precisamos seu nome completo. Precisamos seu nome completo.
Precisamos do seu e-mail. Precisamos de um email válido.
Ops. Está diferente do campo acima.
Para prosseguir, você deve concordar com as políticas de privacidade.

Início O que é DRE e o que isso...

O que é DRE e o que isso tem a ver com a sua empresa?

Uma gestão financeira bem feita é essencial para o sucesso de um negócio, por isso a Demonstração do Resultado do Exercício é tão importante.



Se você está pensando em se tornar uma pessoa jurídica ou já tem uma empresa aberta, com certeza já ouviu falar sobre DRE. Mas você conseguiu entender o que é DRE e o que isso significa para a sua empresa? 

Todo negócio precisa fazer demonstrações contábeis regularmente para verificar sua saúde financeira. É aí que entra a DRE, sigla para Demonstração do Resultado do Exercício: uma das principais formas de demonstrar a situação financeira e contábil das empresas. 

Com ela, é possível saber se uma organização deu lucro ou prejuízo em um determinado período – e, consequentemente, tomar decisões mais estratégicas relacionadas ao negócio. Além disso, a DRE pode ajudar a atrair investidores ao mostrar a situação da companhia.

Por isso, é importante entender as características desse documento: o que é uma DRE, como deve ser estruturada, qual é o modelo do documento, quais são as principais informações presentes na Demonstração do Resultado do Exercício e qual é a importância desse relatório. 

O que é uma DRE?

Na contabilidade, DRE é a sigla para Demonstração (ou demonstrativo) do Resultado do Exercício: uma ferramenta contábil que apresenta um resumo dos resultados das atividades operacionais e não operacionais de um negócio durante um período, indicando se houve lucro ou prejuízo.

Segundo a lei nº 11.638/07, a demonstração do resultado do exercício é obrigatória para todas as empresas brasileiras (mesmo para as enquadradas no regime do Simples Nacional), exceto para quem é MEI.

Para fins legais, a DRE deve corresponder ao ciclo anual da empresa – ou seja, 12 meses. Muitas, entretanto, fazem a atualização simplificada da demonstração mensalmente (ou trimestralmente) para ter um acompanhamento maior das finanças. 

Sua principal função é fazer o confronto, ou comparativo, de todas as receitas e despesas de uma organização. Com isso, é possível verificar o resultado líquido da empresa, analisando se ela deu lucro ou prejuízo.

Por que a DRE é importante?

Uma gestão financeira bem feita é essencial para o sucesso de uma empresa, por isso a Demonstração do Resultado do Exercício é tão importante.

Com ela, é possível visualizar com clareza onde o negócio está ganhando e perdendo dinheiro – algo necessário para tomadas de decisões estratégicas e correções de rumo, se preciso.

Por meio da DRE, por exemplo, um empreendedor pode perceber que as despesas fixas estão muito altas – o que impacta no lucro final do negócio – e buscar formas de reverter isso.

A demonstração também pode ser necessária para pedir um empréstimo ou atrair investidores ou sócios para a empresa.

Como esse é um documento obrigatório para grande parte das companhias, é importante contar com a ajuda de um contador para elaborá-lo.

O que deve ser detalhado no relatório?

De forma resumida, a DRE deve conter os seguintes valores:

  • Receita Bruta: gerada, por exemplo, pela venda de produtos ou mercadorias, prestação de serviços ou recebimento de royalties;
  • (-) Deduções e abatimentos: como devoluções de vendas, descontos e abatimento de impostos que incidem sobre a venda, como ICMS e ISS;
  • (=) Receita Líquida: resultado da receita bruta menos as deduções;
  • (-) CPV (Custo de Produtos Vendidos), CMV (Custos de Mercadorias Vendidas) ou CSP (Custo dos Serviços Prestados): gastos referentes à fabricação de um produto ou prestação de um serviço, por exemplo (como custos com matéria-prima, distribuição ou logística);
  • (=) Lucro Bruto: a diferença entre a receita líquida e os custos de produção;
  • (-) Despesas com Vendas: gastos com comissões, por exemplo;
  • (-) Despesas Administrativas: custos fixos para manter o negócio funcionando, como aluguel, energia e internet;
  • (-) Despesas Financeiras: gastos com juros e multas (para quem trabalha com importação e exportação, variações cambiais também entram aqui);
  • (=) Resultado antes do IRPJ e CSLL: resultado das contas até aqui;
  • (-) Provisões de IRPJ e CSLL: tributos cobrados sobre o faturamento da empresa;
  • (=) Resultado Líquido: lucro bruto menos despesas e tributos. É o resultado financeiro da empresa.

A Demonstração do Resultado do Exercício apresenta uma série de valores começando pela Receita Bruta. A partir disso, vem uma série de cálculos que devem ser feitos na ordem apresentada acima.

Ao final, chegamos ao Resultado Líquido do Exercício – que pode ser lucro ou prejuízo. Esse saldo, então, será transferido para o Patrimônio Líquido no balanço patrimonial.

Qual é o modelo da DRE?

A Lei das Sociedades por Ações ou Lei das S/As (Lei nº 6.407/1976), no artigo 187, determina como as empresas devem discriminar a Demonstração do Resultado do Exercício:

  • a receita bruta das vendas e serviços, as deduções das vendas, os abatimentos e os impostos;
  • a receita líquida das vendas e serviços, o custo das mercadorias e serviços vendidos e o lucro bruto;
  • as despesas com as vendas, as despesas financeiras deduzidas das receitas, as despesas gerais e administrativas e outras despesas operacionais;
  • o lucro ou prejuízo operacional, as outras receitas e as outras despesas;
  • o resultado do exercício antes do Imposto de Renda e a provisão para o imposto;
  • as participações de debêntures, empregados, administradores e partes beneficiárias, mesmo na forma de instrumentos financeiros, e de instituições ou fundos de assistência ou previdência de empregados que não se caracterizem como despesa;
  • o lucro ou prejuízo líquido do exercício e o seu montante por ação do capital social.

Entendeu o que é DRE? Clique aqui para acessar outros conteúdos que podem te ajudar a cuidar de seu negócio.

5

Esse artigo foi útil? Avalie

Obrigado pela avaliação

Você já votou neste post