Pedir Conta e
Cartão de Crédito

em menos de 1 minuto
e grátis

Precisamos seu nome completo. Precisamos seu nome completo.
Precisamos do seu CPF Precisamos de um CPF válido
Precisamos do seu e-mail. Aqui precisamos de um email válido.
Ops. Está diferente do campo acima.
Para prosseguir, você deve concordar com as políticas de privacidade.

Complete os campos ao lado para pedir sua Conta e Cartão de crédito

Agora complete abaixo para pedir sua conta e cartão de crédito

Precisamos de um CPF válido
Precisamos seu nome completo. Precisamos seu nome completo.
Precisamos do seu e-mail. Precisamos de um email válido.
Ops. Está diferente do campo acima.
Para prosseguir, você deve concordar com as políticas de privacidade.

Início Investimentos Curva de Phillips, infla...

Curva de Phillips, inflação e os impactos no seu dinheiro

Ela mostra a relação entre desemprego e inflação e ajuda investidores a tomarem decisões. Entenda esse conceito.



A economia não precisa (nem deve) ser algo distante – afinal, conceitos dela fazem parte do nosso dia a dia. Entender conceitos como inflação e Curva de Phillips pode te ajudar a cuidar do seu dinheiro e dos seus investimentos.

Esse conteúdo foi originalmente postado no blog da Easynvest. Em 17 de agosto de 2021, a Easynvest virou Nu invest e esse conteúdo foi transferido para o blog do Nubank.

O que é a Curva de Phillips

A Curva de Phillips é uma teoria que mostra a relação entre a inflação e o desemprego. Na prática, ela serve para calcular como o desemprego afeta a inflação e vice-versa. 

Em outras palavras, ela mostra o impacto da população empregada nos preços de tudo aquilo que precisamos comprar no dia a dia.

Entender a Curva de Phillips é importante, por exemplo, na hora de decidir se é uma boa ideia investir em títulos que usam a inflação como indexador, por exemplo o Tesouro Direto IPCA.

Quando surgiu a Curva de Phillips?

A Curva de Phillips foi criada há mais de 60 anos e leva o nome do seu criador, o economista neozelandês A. W. Phillips (1914-1975). De acordo com essa teoria, a inflação e a taxa de desemprego têm uma relação inversa. Ou seja, quando um aumenta, o outro diminui.

Quando há mais empregos, os preços costumam subir. Isso quer dizer que a queda do desemprego pode influenciar no aumento da inflação. O inverso também acontece: caso o desemprego aumente, a tendência é que seja necessário reduzir preços para que as pessoas comprem.

Imagine que, em uma crise, o índice de desemprego tende a aumentar,  já que alguns empresários podem ver a redução de pessoal como uma ferramenta de redução de custos. 

Como consequência do desemprego, a renda da população diminui, a as pessoas passam a consumir menos.

Em um efeito cascata, com menos procura em todos os mercados, os empresários precisam baixar os preços. Esse também é um dos princípios da lei da oferta e demanda.

Atualmente, a maioria dos economistas concorda que esta relação só é real no curto prazo, mas não acontece no longo prazo. Por isso, a Curva de Phillips passou por revisões ao longo do tempo. 

Um bom exemplo da mudança de pensamento é a incorporação das expectativas do mercado em relação à inflação e ao desemprego. Com a incorporação dessa expectativa, a teoria passa a ser conhecida como Curva de Phillips aceleracionista.

Curva de Phillips aceleracionista: entenda

A Curva de Phillips Aceleracionista pode ser considerada uma evolução da Curva de Phillips original. Com a globalização e evolução do comércio internacional, já não era possível fazer a relação entre a inflação e o desemprego interno. Então, na Curva de Phillips aceleracionista foram incluídas as expectativas do mercado. 

Assim, a teoria passou a desenhar uma curva na qual é possível que inflação e desemprego caminhem em conjunto, podendo auxiliar economistas e governantes no desenvolvimento de metas e políticas realistas.

Afinal, o que é a inflação?

A inflação é o fenômeno econômico da alta generalizada nos preços. Embora ela seja vista como uma grande vilã, é importante saber que a inflação acontece em qualquer economia e que os preços oscilam de acordo com os movimentos do mercado.

Ou seja: uma inflação controlada, dentro de sua meta, não significa necessariamente algo ruim. É um movimento natural da economia.

Na prática, a inflação corrói o valor do dinheiro ao longo do tempo, causando sua desvalorização. Com isso, uma mesma nota de R$ 100 compra menos itens do que há 15 anos. 

A economia possui um ritmo próprio e as oscilações dos preços podem acontecer por vários fatores. Por exemplo, existe uma relação entre inflação e decisões políticas, situações sociais e financeiras, crises, bem como desastres climáticos e muitos outros.

Saiba mais sobre a inflação e como ela afeta sua vida

Podemos imprimir mais dinheiro segundo a Curva de Phillips?

A resposta é não. Muita gente pensa que, para resolver a desigualdade, basta imprimir mais dinheiro e distribuir à população. Imprimir mais cédulas não faz com que a produção e o Produto Interno Bruto (PIB) do país cresçam. Pelo contrário, o resultado será apenas a desvalorização do dinheiro.

Isso acontece em razão da lei de oferta de demanda. Afinal, quanto maior for a oferta, mais o valor cai, ou seja, o dinheiro passa a valer menos.

Por isso, na prática, a inflação vai acontecer e os preços vão subir. Assim, você vai perder poder de compra mesmo com um maior número de cédulas e moedas circulando pelo mercado.

Como a inflação afeta seus investimentos?

No Brasil, o indicador oficial da inflação é o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). Ele mostra quanto aumentou ou diminuiu o preço de diversos produtos consumidos no país, em um determinado período. E existem diversos investimentos que usam o IPCA como referência para seus rendimentos.

Quando a inflação está em alta (e com previsões de aumentar mais), por exemplo, investidores buscam aplicações que sejam capazes de sobreviver à escalada de preços. 

Isso significa que, na hora de investir, é importante buscar a rentabilidade real – ou seja, uma rentabilidade que esteja acima da inflação.

Tesouro Direto

Quando você aplica no Tesouro Direto, é como se estivesse emprestando dinheiro ao governo.

Na prática, como existe uma variedade de títulos do Tesouro Direto, é importante conhecer e saber como cada um deles faz o dinheiro crescer. O Tesouro Selic (LFT) e o Tesouro IPCA+ (NTN-B Principal) são dois dos mais populares da modalidade.

O Tesouro Selic tem seus rendimentos balizados pela variação da taxa básica de juros da economia, enquanto o Tesouro IPCA+ paga o IPCA (inflação) do período mais uma taxa pré-definida no momento de investir.

LCIs e LCAs

As Letras de Crédito Imobiliário (LCIs) e Letras de Crédito do Agronegócio (LCAs) são parecidas com os Certificados de Depósitos Bancários (CDBs). No entanto, as LCs têm como objetivo dar crédito a segmentos específicos, o imobiliário e o agronegócio. 

Dependendo do título, o rendimento pode estar atrelado ao CDI ou ao IPCA. Quando a inflação e os juros estão em alta, as Letras de Crédito tendem a oferecer melhores rendimentos.

Além disso, trata-se de um investimento protegido pelo Fundo Garantidor de Crédito (FGC), que garante o montante investido em caso de quebra da instituição que ofereceu o título. Por meio dele, é possível resgatar até R$ 250 mil por CPF e por instituição.

Fundos de investimento

Alguns fundos de investimento em renda fixa também têm seus rendimentos atrelados ao IPCA. Contudo, é fundamental verificar como funciona o fundo e quais são os índices que determinam a remuneração de cada cotista.

Desse modo, é possível ter uma ideia real de ganho em relação ao investimento.Este conteúdo faz parte da missão do Nubank de devolver às pessoas o controle sobre a sua vida financeira. Ainda não conhece o Nubank? Saiba mais sobre nossos produtos e a nossa história.

5

Esse artigo foi útil? Avalie

Obrigado pela avaliação

Você já votou neste post