Pedir Conta e
Cartão de Crédito

em menos de 1 minuto
e grátis

Precisamos seu nome completo. Precisamos seu nome completo.
Precisamos do seu CPF Precisamos de um CPF válido
Precisamos do seu e-mail. Aqui precisamos de um email válido.
Ops. Está diferente do campo acima.
Para prosseguir, você deve concordar com as políticas de privacidade.

Início Dinheiro no mundo 7 fatos que marcaram as ...

7 fatos que marcaram as finanças em 2020

Da queda da Selic ao Pix, confira os assuntos que repercutiram no bolso dos brasileiros este ano.



7 fatos que marcaram as finanças em 2020: no fundo roxo, fotografia de um megafone roxo

2020 definitivamente não foi um ano normal. Entre a pandemia do novo coronavírus e suas consequências na vida de milhões de pessoas, teve o auxílio emergencial, a queda histórica da Taxa Selic, a alta dos alimentos e outros acontecimentos que impactaram o bolso dos brasileiros.

Enquanto 2021 não chega com a esperança de um ano melhor, confira abaixo uma retrospectiva com 7 fatos que marcaram as finanças em 2020.

Ganhe controle sobre suas finanças: assine nossa newsletter para receber conteúdo exclusivo.

1. Auxílio emergencial

Um dos fatos mais importantes deste ano é o auxílio emergencial. Ele foi aprovado no final de março como uma ajuda financeira aos trabalhadores informais, MEIs e autônomos impactados pela pandemia do novo coronavírus.

Ao todo, vão ser pagas cinco parcelas de R$ 600 e até quatro parcelas de R$ 300 – a quantidade varia de acordo com a data em que a pessoa recebeu a primeira parcela de R$ 600. (Para alguns grupos, as parcelas têm valor de R$1200 e R$600, respectivamente.) 

Entre mudanças de calendários e novos aprovados, o pagamento do auxílio emergencial começou em abril e vai terminar em janeiro de 2021, totalizando mais de R$ 275 bilhões de reais pagos a mais de 66 milhões de pessoas.

Veja tudo sobre o auxílio emergencial

2. A famosa nota de R$ 200

Outro fato que marcou 2020 foi o lançamento da nota de R$ 200. Ela foi anunciada em julho pelo Banco Central e entrou em circulação em setembro.

E não, ela não é estampada pelo famoso vira-lata caramelo. O animal escolhido para ilustrar a cédula de R$ 200 foi o lobo-guará. 

Segundo o Banco Central, um dos motivos para a criação da nota de 200 foi a maior demanda por dinheiro físico durante a pandemia. Dessa forma, é possível ter mais reais circulando, mas com menos gastos de impressão, logística e distribuição.

Entenda como identificar uma nota falsa de R$ 200

3. O lançamento do Pix, novo meio de pagamentos instantâneos

Não tem como falar de 2020 sem falar do Pix, o novo meio de pagamentos instantâneos do Banco Central.

Anunciado em fevereiro deste ano, o Pix entrou em pleno funcionamento no dia 16 de novembro como uma nova forma de enviar e receber dinheiro em tempo real.

As transações acontecem em até dez segundos, podem ser feitas em qualquer dia e horário e para qualquer instituição financeira e geralmente são gratuitas para pessoas físicas.

Ou seja: com o Pix, pessoas e empresas ganharam mais uma opção para fazer e receber transferências e pagamentos além de TED, DOC e boleto, por exemplo.

Vale dizer que, no Nubank, tanto transferir quanto receber via Pix é gratuito para todo mundo, incluindo os clientes PJ.

Saiba tudo sobre o Pix

4. O preço salgado dos alimentos

Falando em dinheiro, 2020 não poupou o bolso dos brasileiros. Enquanto milhões de pessoas perderam seus empregos ou tiveram seus salários reduzidos por causa da pandemia, o preço dos alimentos disparou. 

De janeiro a outubro, o preço do óleo de soja cresceu mais de 65%, por exemplo, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O valor do tomate, do arroz e da abobrinha cresceu mais de 50%. Já o feijão preto e o leite longa vida aumentaram mais de 30%, e a carne ficou 11% mais cara.

E o que explica essa alta no preço da comida? Diversos fatores, mas é possível resumir da seguinte forma: com mais pessoas em casa por causa da pandemia, o consumo de alimentos aumentou. Por outro lado, o real desvalorizado com a alta do dólar tornou os produtos brasileiros mais atrativos lá fora, aumentando a exportação e diminuindo a oferta de alimentos no mercado interno.

Com os brasileiros comprando mais e a oferta menor, o preço dos alimentos disparou. E a previsão é que essa alta continue em 2021.

Entenda melhor por que o preço dos alimentos disparou

5. A alta do dólar

Outro item que disparou em 2020 foi o dólar. A moeda americana começou este ano valendo pouco mais de R$ 4, quase bateu R$ 6 em maio e chegou em 21 de dezembro custando R$ 5,16.

O dólar é uma moeda tão importante para economia global que não dá para resumir em poucas linhas o que causou essa alta. São diversos fatores internos e externos que, juntos, fizeram o valor do dólar disparar e impactar, inclusive, o preço dos alimentos no Brasil.

Confira tudo sobre a variação do dólar

6. A queda histórica da Taxa Selic

Por outro lado, enquanto o dólar subia, a Selic chegava a sua menor taxa histórica.

A Selic é a taxa básica de juros da economia brasileira, definida a cada 45 dias pelo Comite de Política Monetária do Banco Central, o Copom, e que impacta diretamente a economia e os bolsos dos brasileiros.

Em janeiro, a Selic estava em 4,5% ao ano. Mas, com o passar dos meses, ela foi diminuindo até chegar em 2% ao ano em agosto – e permanecer assim até a última reunião de 2020, em dezembro.

Segundo o Banco Central, a redução da Selic foi uma resposta aos impactos da pandemia, já que uma taxa baixa pode estimular o consumo e aquecer a economia.

Conheça tudo sobe a Taxa Selic

7. O desce e sobe da Bolsa de Valores – com direito a Circuit Breaker

Outro destaque de 2020 foi a Bolsa de Valores brasileira, a B3.

No começo do ano, as consequências da pandemia no Brasil e no mundo fizeram a bolsa despencar. Até março, o Ibovespa, principal índice da B3, registrava uma queda de 42%.

Em março, inclusive, a bolsa acionou o Circuit Breaker seis vezes em menos de dez dias. Circuit Breaker é um mecanismo usado para interromper as negociações na bolsa, por um certo período, quando existe uma queda ou alta muito grande.

Com o passar do tempo, entretanto, o jogo virou. A bolsa começou a se recuperar e atrair mais investidores. No final de outubro, o número de pessoas físicas na B3 ficou perto dos 3,2 milhões – mais que o dobro em comparação com o final de 2019. 

Um dos motivos para isso é a Taxa Selic baixa, que tornou os investimentos de renda fixa menos atrativos. Com isso, investidores buscaram outras opções mais rentáveis, como a bolsa de valores.

Este conteúdo faz parte da missão do Nubank de devolver às pessoas o controle sobre a sua vida financeira. Ainda não conhece o Nubank? Saiba mais sobre nossos produtos e a nossa história.

4.91

Esse artigo foi útil? Avalie

Obrigado pela avaliação

Você já votou neste post