Pedir Conta e
Cartão de Crédito

em menos de 1 minuto
e grátis

Precisamos seu nome completo. Precisamos seu nome completo.
Precisamos do seu CPF Precisamos de um CPF válido
Precisamos do seu e-mail. Aqui precisamos de um email válido.
Ops. Está diferente do campo acima.
Para prosseguir, você deve concordar com as políticas de privacidade.

Início Seu Dinheiro Organizar as Finanças Por que casais brigam so...

Por que casais brigam sobre dinheiro. E o que é possível fazer a respeito?

Pesquisas revelam os principais motivos de brigas financeiras de quem mora junto. Aqui, você encontra um guia prático para tentar evitá-las estruturando melhor as finanças com a sua cara metade.

Morar com alguém costuma ser sinônimo de união – de juntar as escovas de dente; compartilhar os lençóis; amarrar os trapos; completar as panelas sem tampa… O que muitas vezes fica esquecido ao dar este importante passo em um relacionamento é a parte da divisão: dos boletos, das dívidas passadas, dos planos para o futuro. 

E aí vem a pergunta: você teve essa tal conversa sobre dinheiro antes de decidir morar junto?

Se a resposta foi “não” – bem, você não está sozinho. Falar de dinheiro no Brasil é um tabu tão grande que menos da metade das pessoas têm esse tipo de conversa em casa – 44%, segundo uma pesquisa do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL). 

Por outro lado, a vergonha ou falta de hábito para falar sobre finanças não diminui a importância do tema em um relacionamento.

Na verdade, 48% dos brasileiros casados brigam justamente por causa de dinheiro, segundo a mesma pesquisa.

Afinal, por que casais brigam sobre dinheiro?

Os dados da CNDL e do SPC mostram cinco principais motivos para as discussões financeiras entre casais: 

  • Alguém gasta além das suas condições (46%);
  • O casal não concorda sobre as prioridades de gastos em casa (32%);
  • Atrasos no pagamento das contas (28%);
  • Dificuldade de formar reserva financeira por gastar tudo o que ganha (28%);
  • Rigidez da outra pessoa no controle dos gastos (21%).

Não existe fórmula para acertar as finanças pessoais, que dirá as de um casal. Mas existem, sim, perguntas e temas importantes na hora de decidir dividir a casa (e a vida) com alguma companhia.

Falar sobre eles pode ajudar a diminuir os conflitos pelos temas acima. Veja cinco questões que devem ser abordadas entre o casal para ter uma relação financeira mais saudável.

1. Entender qual é a renda da casa

Falar sobre salário e renda, ou sobre a falta deles, pode ser delicado. Mas é fundamental entender qual é o teto de gastos do mês e com o que cada um pode contribuir.

Não é preciso necessariamente ter uma conta conjunta (e muito menos que uma só pessoa controle todo o dinheiro da casa), mas entender a expectativa de renda a dois é o primeiro passo para conseguir se planejar.

2. Definir quanto será gastos por mês com os custos básicos

Colocar em uma planilha (ou caderno) o valor do aluguel, prestações, alimentação e outros custos fixos é importante para priorizar.

No Brasil, poder guardar dinheiro no fim do mês é um privilégio – ainda assim, ter clareza de quais são os boletos mais importantes é um passo importante. 

3. Concordar na divisão das contas

Dividir todas as contas de forma igual? Concentrar todos os pagamentos em uma pessoa? Contribuir de forma proporcional à renda? Cada um fica responsável por boletos específicos? De novo, não existe fórmula mágica, mas conversar sobre as opções é o melhor caminho. 

4. Criar metas – e lembrar que as conjuntas não significam abrir mão da individualidade`

Pagar uma dívida, juntar para uma viagem, comprar um carro… ter uma meta financeira é um dos melhores incentivos para conseguir começar a guardar. No entanto, não é preciso e nem recomendado abrir mão da liberdade financeira em nome das metas conjuntas.

Conversar sobre as prioridades ajuda, justamente, a priorizar algumas escolhas. 

5. Reconhecer todas as contribuições como parte da vida a dois

Afazeres domésticos, como cozinhar, limpar e passar a roupa, muitas vezes acabam esquecidos na hora de listar as contribuições de cada um. Uma pesquisa do Instituto Locomotiva mostrou o quanto este “trabalho invisível” é valioso: se fosse remunerado, geraria mais de R$1 trilhão por ano em renda.

No caso, a maior parte desses afazeres de casa é feita por mulheres – seja em forma de dedicação integral ou como a chamada dupla jornada (cuidar de tudo isso depois do expediente).  Na hora de conversar sobre as contribuições de cada um, lembre-se: é preciso levar em conta como é feita a divisão desse trabalho não remunerado.

Este conteúdo faz parte da missão do Nubank de devolver às pessoas o controle sobre a sua vida financeira. Ainda não conhece o Nubank? Saiba mais sobre nossos produtos e a nossa história aqui.

3.44

Esse artigo foi útil? Avalie

Obrigado pela avaliação

Você já votou neste post