Pedir Conta e
Cartão de Crédito

em menos de 1 minuto
e grátis

Precisamos seu nome completo. Precisamos seu nome completo.
Precisamos do seu CPF Precisamos de um CPF válido
Precisamos do seu e-mail. Aqui precisamos de um email válido.
Ops. Está diferente do campo acima.
Para prosseguir, você deve concordar com as políticas de privacidade.

Início Seu Dinheiro Custo de vida ao redor d...

Custo de vida ao redor do mundo – o que mudou em 2020?

Estudo da The Economist mostra que, no geral, houve uma queda no custo de vida ao redor do mundo.

Em 2020, as três cidades mais caras para se viver no mundo foram Zurique, na Suíça, Paris, na França, e Hong Kong, segundo o estudo Cost of Living, desenvolvido anualmente pela revista The Economist e que avalia o quanto custa viver em 133 cidades diferentes do mundo, avaliando o custo de 138 serviços e bens.

E, diferentemente dos anos anteriores, 2020 foi atípico também nesse quesito – os preços foram afetados pela pandemia do novo Coronavírus e levaram a variações nos custos de alimentação, moradia, hospedagem, etc. 

Duas cidades brasileiras, por exemplo, estão entre as que tiveram maior queda no custo de vida neste ano: São Paulo e Rio de Janeiro.

Abaixo, veja os principais destaques do estudo. 

Quais as cidades com o maior custo de vida do mundo?

Segundo a The Economist, são, em 2020, as cidades com maior custo de vida do mundo:

  • Zurique, Suíça
  • Paris, França
  • Hong Kong
  • Singapura
  • Tel Aviv, Israel
  • Osaka, Japão
  • Genebra, Suíça
  • Nova Iorque, Estados Unidos
  • Copenhaguem, Dinamarca
  • Los Angeles, Estados Unidos

Como o Coronavírus afetou os preços em 2020?

No geral, analisando todas as cidades estudadas pela The Economist, o efeito no geral foi de uma alta de 0,3% nos custos em relação a 2019. Três categorias tiveram aumento nos preços, muito relacionados ao contexto de quarentena e isolamento social: tabaco, cuidados pessoais e recreação, que inclui eletrônicos; eles tiveram os maiores aumentos de preços, enquanto vestuário foi a única categoria analisada que viu uma queda nos seus preços.

E o que causou esse aumento? Segundo a publicação:

  • A volatilidade de moedas em relação ao dólar;
  • Problemas de abastecimento – a demanda pelos itens era maior do que a oferta e, no início da pandemia, houve uma tendência de “estocamento” de alguns desses itens;
  • Mudanças nas preferências dos consumidores, que, também por conta da quarentena e isolamento, passaram a dar preferência aos itens que consideram indispensáveis e essenciais, deixando de consumir outros;
  • E o impacto de taxas e subsídios sobre esses itens, que em alguns casos foram alterados por governos.

Vale reforçar que esse foi o reflexo geral e médio da pandemia nos preços de todas as cidades estudadas, de todos os continentes.

De todas as dez cidades com maior custo de vida, houve um aumento do preço de um quilo de pão entre 2019 e 2020, tomando como exemplo o custo de 1 kg de pão. Ou seja: nas cidades que já têm maiores custos de vida, eles ficaram ainda mais altos com a pandemia.

  • Em Zurique, ele custava US$ 4,69 e, neste ano, passou a custar US$ 5,03.
  • Paris foi a cidade que viu o maior aumento, de US$ 5,2 para US$ 6,1.
  • Osaka, no Japão, foi a única que apresentou queda, de US$ 5,63 para US$ 4,89.

Nas Américas, uma queda nos preços

Na América Latina e América do Norte, entretanto, houve forte queda nos preços. Das 10 cidades que mais tiveram queda no custo de vida nos últimos 12 meses, 4 estão nas Américas – e duas no Brasil: Lima, no Peru; Cidade do México, no México; e São Paulo e Rio de Janeiro.

… E na Europa, alta nos preços

Por conta a alta das moedas europeias frente ao dólar, na Europa ocidental o reflexo da pandemia foi de um aumento nos preços. Roma, Bruxelas, Amsterdam e Dusseldorf, todas cidades europeias, estão entre as dez cidades que mais tiveram aumento nos custos de vida.

E 2021?

Tudo depende de como anda a pandemia ao longo do próximo ano, mas, segundo a publicacão, é esperado que as tendências desse ano sigam em 2021 – ou seja: os gastos continuarão contidos e os preços pressionados para não subirem. 

Devem continuar em alta gastos com itens essenciais, entretenimento para a casa, e maior acesso a internet; outros itens, como vestuário e recração ao ar livre, devem continuar em baixa.

Este conteúdo faz parte da missão do Nubank de devolver às pessoas o controle sobre a sua vida financeira Saiba mais sobre nossos produtos e a nossa história.

3.82

Esse artigo foi útil? Avalie

Obrigado pela avaliação

Você já votou neste post