Pedir Conta e
Cartão de Crédito

em menos de 1 minuto
e grátis

Precisamos seu nome completo. Precisamos seu nome completo.
Precisamos do seu CPF Precisamos de um CPF válido
Precisamos do seu e-mail. Aqui precisamos de um email válido.
Ops. Está diferente do campo acima.
Para prosseguir, você deve concordar com as políticas de privacidade.

Início Seu Dinheiro Dicionário Financeiro Como funciona um código...

Como funciona um código de barras?

Entenda o que está por trás das listras pretas e brancas que aparecem em boletos, etiquetas de lojas e embalagens de produtos.

Na hora de pagar uma compra no caixa da loja, de escolher comida do supermercado, ou quando chega aquele boleto prestes a vencer… Os códigos de barra estão presentes em praticamente todas as interações que envolvem alguma forma de pagamento. 

Mas não é só isso: essa tecnologia também está presente em fábricas, hospitais, empresas ou qualquer estabelecimento que precise registrar eventos e catalogar itens. 

Mas, o que é um código de barra? E por que ele é tão popular?

Os códigos de barra são, como o nome diz, códigos em linhas verticais usados para guardar informações. A grande vantagem é que eles podem ser lidos de forma muito rápida, facilitando a identificação de itens. 

Essa agilidade tornou os códigos de barras parte fundamental do processo de pagamento de lojas, organização de linhas de produção em fábricas e até mesmo em hospitais – com etiquetas que ajudam a identificar pacientes e medicamentos, por exemplo. 

Como funciona um código de barras?

O código é lido de forma mecânica por um sensor que emite laser, como aqueles com uma luzinha vermelha no caixa do supermercado. 

A luz reflete na área branca entre as barras e é captada; cabe ao computador do terminal, conectado ao leitor do código de barras (sensor) saber quais padrões de luz refletidos correspondem a quais números. 

É importante ressaltar que, para funcionar, o código de barras precisa de um leitor e um sistema que combine os números armazenados nele com a informação associada a cada um deles. 

Por exemplo: determinada sequência de números equivale a determinado produto. 

Todo esse processo de decodificação acontece de forma muito rápida, e um dos motivos é que as diferentes partes do código de barras correspondem a diferentes conjuntos de informações. 

No caso de grande parte das etiquetas usadas em produtos, por exemplo: 

  • O primeiro grupo de barras, à esquerda, diz ao sistema que aquele é o início do código – e que ele pode continuar lendo. Ele, de certa forma, espelha os últimos blocos, que marcam o final do código. Como existe uma relação entre os números nessas duas sequências, o sensor consegue saber a ordem correta de leitura – mesmo que a etiqueta esteja de ponta cabeça, por exemplo. 
  • Depois, vem uma sequência que geralmente inclui o código de quem produziu aquele item (o fabricante). 
  • No meio, geralmente está a sequência que indica o código do produto em si (um item de vestuário, por exemplo). 

Os códigos usados em boletos seguem a mesma lógica. Cada conjunto de barras corresponde a uma informação, como o valor do boleto. 

Como surgiu o código de barras? 

A ideia do código de barras foi patenteada nos Estados Unidos em 1949 por Joe Woodland e Bernard Silver. A dupla se inspirou no código Morse para desenvolver a teoria de um sistema que leria informações a partir de padrões de barras verticais e números. 

O objetivo era justamente  agilizar as filas dos caixas e acelerar o processo de checagem e cobrança dos produtos – não à toa, a primeira vez que o código foi utilizado comercialmente foi em 1974 em um supermercado. 

Desde então, o código passou a ser amplamente utilizado, ganhou padrões internacionais para catalogar a informação e até evoluiu para novas formas – como o QR Code. 

Sua essência, no entanto, continua a mesma: ser uma forma simples e eficiente de ler informações.

3.33

Esse artigo foi útil? Avalie

Obrigado pela avaliação

Você já votou neste post