Pedir Conta e
Cartão de Crédito

em menos de 1 minuto
e grátis

Precisamos seu nome completo. Precisamos seu nome completo.
Precisamos do seu CPF Precisamos de um CPF válido
Precisamos do seu e-mail. Aqui precisamos de um email válido.
Ops. Está diferente do campo acima.
Para prosseguir, você deve concordar com as políticas de privacidade.

Complete os campos ao lado para pedir sua Conta e Cartão de crédito

Agora complete abaixo para pedir sua conta e cartão de crédito

Precisamos de um CPF válido
Precisamos seu nome completo. Precisamos seu nome completo.
Precisamos do seu e-mail. Precisamos de um email válido.
Ops. Está diferente do campo acima.
Para prosseguir, você deve concordar com as políticas de privacidade.

Início Seu Dinheiro Organizar as Finanças Joguinho não: o que o me...

Joguinho não: o que o mercado de games tem a ver com seu dinheiro

Em 2020, ele movimentou US$ 120 bilhões em todo o mundo e foi um dos poucos setores a crescer no país na pandemia. Veja como funciona e quais são as oportunidades de quem leva jogo a sério.



Arquibancadas lotadas, perfomances de artistas famosos, dançarinos, animações em grandes telões que interagem com o show, luzes e torcedores enlouquecidos… Essa poderia ser a descrição de uma final de copa do mundo, mas é da final do mundial de 2019 de League of Legends – o maior game para PC atualmente, segundo um estudo do site The Esports Oberserver.

O evento aconteceu em novembro do ano passado em Paris, na França, e foi transmitido em 16 idiomas para 44 milhões de espectadores do mundo todo. Ao longo do mundial, foram 120 partidas realizadas entre a capital francesa e as cidades de Berlim, na Alemanha, e Madri, na Espanha.

No fim, a equipe chinesa FunPlus Phoenix (FPX) levou a taça de campeã e o prêmio de cerca de US$ 835 mil – mais de R$ 3,4 milhões, na época.

Isso mostra que, para quem pensava que games são brincadeira, a realidade é justamente o contrário. Só no ano passado, este mercado movimentou US$ 120,1 bilhões em todo o mundo, segundo a empresa de inteligência de mercado SuperData – um crescimento de 4% em relação a 2018. 

Seja quem joga no celular para aliviar o estresse, seja quem joga profissionalmente ou trabalha na indústria, os games impactam a vida de bilhões de pessoas no mundo e no Brasil – movimentando economias, bolsos e empregos.

Talvez, você seja um gamer e nem saiba.

Fase 1: Games na economia brasileira

Quem usa metrô ou pega ônibus no Brasil provavelmente já deve ter visto esta cena: uma pessoa com os olhos pregados no joguinho de celular e os dedos correndo rápido na tela para fazer o maior número de pontos possível. A verdade é que os games estão no dia a dia de milhões de brasileiros, fazendo pontos expressivos na economia.

O Brasil é o 13º maior mercado de jogos eletrônicos do mundo, segundo um estudo da consultoria Newzoo. Em cifras, isso se traduz em US$ 1,5 bilhão movimentados por ano – em consoles, jogos para diferentes plataformas, compras dentro dos games….

A expectativa de crescimento também é animadora. Até 2021, esse mercado deve crescer 17% ao ano por aqui, de acordo com relatório da PwC – impulsionado, principalmente, pelos famosos joguinhos de celular.

Durante a pandemia do novo coronavírus, inclusive, esse foi um dos poucos mercados que cresceu por aqui. Afinal, muita gente encontrou nos jogos uma forma de passar o tempo em casa, aliviar o estresse, manter a sanidade mental e viver, nem que por apenas alguns instantes, uma outra realidade.

No primeiro semestre de 2020, por exemplo, a receita paga aos desenvolvedores brasileiros de jogos e apps foi duas vezes maior do que no mesmo período do ano passado, segundo o Google – que mantêm o sistema operacional Android e sua loja de apps.

Para quem nunca se perguntou: sim, os joguinhos do seu celular são considerados games! E as lojas de aplicativos são plataformas de distribuição que sustentam um enorme ecossistema. Quanto mais downloads, mais chances de lucrar com seu game – e a lógica de remuneração varia conforme o app. 

Fase 2: Como se ganha dinheiro com jogos?

Uma situação comum de quem joga no celular é ser interrompido constantemente por propagandas ou ter um limite de uso – cinco vidas por dia, por exemplo. Para ter mais vidas ou deixar de ver anúncios, é necessário pagar.

Esse modelo, chamado de freemium (junção das palavras em inglês free, gratuito, e premium), é uma forma das empresas de games gerarem receita. Caso contrário, elas teriam os custos para desenvolver e manter os jogos, mas não o dinheiro para arcar com esses gastos.

De vida em vida, essas compras dentro dos jogos movimentam milhões. Chamadas de microtransações, elas representaram 43% dos gastos com games no Brasil em 2016, segundo a PwC – e, com um crescimento médio anual de 13%, devem chegar a US$498 milhões em 2021.

Em julho, uma história sobre isso correu o mundo. Uma menina britânica de 11 anos gastou £4.642 (mais de R$ 30 mil na época) no cartão do pai com compras no Roblox – um game em que mais de 100 milhões de usuários criam seus próprios mundos virtuais.

O pai, que tinha permitido apenas uma compra de £4,99, soube do rombo na conta um mês depois, quando já estava no cheque especial por causa de centenas de compras de valores entre £0,99 e £9,99. A história ficou famosa e a empresa devolveu o dinheiro ao pai.

No Brasil, o que não falta é público consumidor para esses jogos: são mais de 75 milhões de jogadores, segundo a Newzoo. E jogadores dispostos a gastar: entre os entrevistados, cerca de 83% tinha comprado algum item virtual nos jogos nos últimos seis meses.

Além dessas microtransações, ainda têm os gastos com consoles, jogos para PC e videogames, eventos para fãs e… por que não, roupas. No ano passado, a marca de luxo Louis Vuitton lançou, em parceria com o jogo League of Legends, uma coleção de roupas e acessórios que custavam entre R$ 935 e R$ 24.600. 

Peças da coleção da Louis Vuitton em parceria com o jogo League of Legends (Crédito: Louis Vuitton/Divulgação)

Ou seja, os games impactam diretamente o bolso das pessoas – e, dependendo do valor da compra, podem dar um game over no orçamento.

Fase 3: Jogo é, sim, trabalho sério

Para quem gosta de jogar e se pergunta se dá para viver disso, o mercado gigantesco de games abre muitas oportunidades de trabalho.

Uma carreira mais óbvia é a de jogador profissional de e-sports (esportes eletrônicos). Não é fácil: além de jogar muito bem, jogadores profissionais passam por um treinamento tão rigoroso quanto de outros atletas profissionais.

Mas pode valer a pena: o salário de um jogador profissional de League of Legends no Brasil, por exemplo, pode chegar a R$ 15 mil por mês, segundo um levantamento do GloboEsporte – além dos prêmios volumosos dos campeonatos nacionais e mundiais, que podem chegar a milhões de reais.

Outra possibilidade de carreira é trabalhar em uma empresa que desenvolve jogos. As oportunidades vão desde cargos mais tradicionais, como no marketing ou na administração, até no desenvolvimento dos games em si: programação, design, animação, narrativa… 

De 2014  a 2018, o número de desenvolvedoras de jogos no Brasil cresceu 164%, de acordo com o 2º Censo da Indústria Brasileira de Jogos Digitais (IBJD) – indo de 142 para 375 empresas. Ao todo, elas empregavam 2,7 mil pessoas.

Em outras palavras, esse é um mercado que está crescendo e movimentando muito dinheiro no Brasil e no mundo. Por isso, dá próxima vez que alguém disser que jogar não dá dinheiro, responda que dá sim – e muito!

Este conteúdo faz parte da missão do Nubank de devolver às pessoas o controle sobre a sua vida financeira. Ainda não conhece o Nubank? Saiba mais sobre nossos produtos e a nossa história.

4.04

Esse artigo foi útil? Avalie

Obrigado pela avaliação

Você já votou neste post