Pedir Conta e
Cartão de Crédito

em menos de 1 minuto
e grátis

Precisamos seu nome completo. Precisamos seu nome completo.
Precisamos do seu CPF Precisamos de um CPF válido
Precisamos do seu e-mail. Aqui precisamos de um email válido.
Ops. Está diferente do campo acima.
Para prosseguir, você deve concordar com as políticas de privacidade.

Início Empreender Margem de contribuição: ...

Margem de contribuição: o que é, como calcular e melhorar os resultados

Aprenda como funciona essa conta relativamente simples que ajuda a entender como (e em que) a empresa está perdendo dinheiro.



Uma métrica bastante utilizada como medidor de sucesso no mundo dos negócios é o faturamento. Afinal, quanto mais dinheiro entrando, mais saudável a empresa é, certo? Nem sempre. Dependendo de quanto for a margem de contribuição, o negócio pode estar no prejuízo mesmo gerando muitas vendas. Por isso é tão importante entender esse conceito.

O que é margem de contribuição?

Margem de contribuição é o valor que sobra das vendas ao descontar os custos e as despesas variáveis, geralmente usado para pagar custos e despesas fixas do negócio e gerar lucro. Por isso, também pode ser chamado de lucro bruto ou ganho bruto sobre as vendas.

Ganhe controle sobre suas finanças: assine nossa newsletter para receber conteúdo exclusivo.

Mas por que o nome margem de contribuição?

Margem porque diz respeito à diferença entre o preço de venda e os custos e despesas envolvidos nesta operação (os custos e despesas variáveis). Já contribuição porque mostra quanto de cada venda contribui para pagar custos e despesas fixas e também gerar lucro.

Por exemplo: um cabeleireiro gasta R$ 1 mil por mês com custos e despesas fixas, como o aluguel do salão – que não muda independentemente da quantidade de clientes que ele tiver. Para o negócio ser sustentável, portanto, o valor gerado pelas vendas deve ser maior do que o valor gasto com as despesas fixas, gerando lucro. Caso contrário, a empresa pode estar no prejuízo.

Para entender, entretanto, é necessário lembrar de outros conceitos usados no cálculo da margem de contribuição:

  • Valor total das vendas: o faturamento total de uma empresa, incluindo as vendas à vista e a prazo;
  • Custos variáveis: tudo o que a empresa paga para adquirir o que é vendido aos clientes (só tem esse custo se houver a venda). No comércio, pode ser o valor das mercadorias e os impostos pagos na compra. Para serviços, podem ser gastos com materiais e peças usados no trabalho. Na indústria, podem ser gastos envolvidos na produção, como matéria-prima, insumos e embalagens;
  • Despesas variáveis: os valores pagos pelas vendas, como impostos sobre cada nota fiscal emitida e a comissão de vendas dos funcionários.

Com esses conceitos em mente, entenda abaixo como calcular esse valor e como tirar o máximo proveito desse número.

Para que serve a margem de contribuição?

Basicamente, a margem de contribuição serve para dizer quanto dinheiro uma empresa consegue gerar, a partir de suas vendas, para pagar os custos e despesas fixas e ainda gerar lucro. 

Quando o valor da margem de contribuição é maior do que o valor total dos custos e despesas fixas, significa que a empresa está tendo lucro. Por outro lado, se o valor é menor, o negócio está tendo prejuízo. 

Algumas vantagens de conhecer a margem de contribuição

  • Identificar o volume mínimo necessário de vendas para pagar os custos e despesas fixas – chamado de ponto de equilíbrio;
  • Identificar o volume mínimo de vendas para pagar os custos e despesas fixas e ainda gerar lucro;
  • Estipular descontos de acordo com o volume vendido para um único cliente;
  • Entender qual produto ou serviço é mais lucrativo para a empresa e qual traz prejuízo – e que, portanto, pode deixar de ser oferecido.

O que é margem de contribuição unitária e total?

A margem de contribuição pode ser calculada considerando o valor total das vendas de um negócio (margem de contribuição total) ou o preço de venda de um único produto (margem de contribuição unitária).

E pode parecer uma diferença pequena, mas não é. Às vezes, mesmo que a margem de contribuição total seja positiva, a margem de contribuição unitária de um produto pode ser negativa – ou vice-versa.

Por isso, é importante fazer os dois cálculos para descobrir se e onde a empresa está perdendo dinheiro e corrigir o que for necessário. 

Qual a fórmula da margem de contribuição?

A fórmula da margem de contribuição total é:

Margem de contribuição total = Valor total das vendas – (custos variáveis + despesas variáveis totais).

Já no caso da margem de contribuição unitária, a fórmula fica assim:

Margem de contribuição unitária = Preço de venda de um produto – (custos variáveis + despesas variáveis envolvidas na venda).

O que é o Índice de margem de contribuição?

Já o índice de margem de contribuição, que também pode ser total ou unitário, nada mais é do que o resultado do cálculo acima dividido pelo valor das vendas e multiplicado por 100. O cálculo fica assim:

Índice de margem de contribuição = (Margem de contribuição / Valor das vendas) x 100

O resultado será uma porcentagem. Assim, é possível dizer que, do valor das vendas (total ou unitário), um percentual X é de margem de contribuição. 

Usando o exemplo do cabeleireiro: caso as vendas somem R$ 5 mil no mês e os custos e despesas variáveis totalizem R$ 2 mil, sua margem de contribuição total será de R$ 3 mil. Já o índice de margem de contribuição será de 60%.

Isso significa que, de R$ 5 mil que ele ganha com as vendas, 60% vai para pagar os custos e despesas fixas e gerar lucro para o negócio.  

Por que calcular a margem de contribuição?

Calcular a margem de contribuição é importante para saber se o negócio está saudável financeiramente ou não.

Ao analisar a margem de contribuição unitária de um produto ou serviço específico, por exemplo, é muito importante que ela não seja menor do que os custos e despesas variáveis. 

Se for menor, significa que a empresa está perdendo dinheiro ao vender esse item – e é necessário tomar alguma ação para reverter esse cenário, ou deixar de oferecer esse item. 

Mas, atenção: é possível, sim, que um determinado produto tenha uma margem que não contribua para pagar as despesas fixas e gerar lucro, desde que essa seja uma decisão consciente do empreendedor (em uma ação promocional para atrair clientes, por exemplo), e que a margem de contribuição total continue sendo positiva – ou seja, que a empresa continue tendo dinheiro para pagar os custos e despesas fixas e ainda gerar lucro.

Como melhorar a margem de contribuição?

De acordo com o SEBRAE, é muito importante ajustar os valores dos preços de venda para que eles tenham uma boa margem de contribuição e ainda sejam competitivos com os valores da concorrência. Para isso, eles dão algumas dicas:

  • Negocie com fornecedores para conseguir reduzir os custos variáveis dos produtos ou serviços oferecidos; 
  • Veja se a empresa está enquadrada no regime tributário mais vantajoso para ela. Talvez seja possível diminuir as despesas variáveis com impostos;
  • Remunere as vendas com comissões ou outros benefícios, se tiver vendedores. Apesar disso aumentar as despesas variáveis, essa é uma ótima prática para motivar os funcionários e elevar as vendas;
  • Revise os custos e despesas fixas regularmente para ver onde é possível cortar gastos. Assim, mais da margem de contribuição vai para gerar lucro.

Este texto faz parte da missão do Nubank de lutar contra a complexidade do sistema financeiro para empoderar as pessoas – físicas e jurídicas. Com a conta PJ queremos ajudar donos de pequenos negócios, empreendedores e autônomos a focarem no que realmente importa. Saiba mais e peça sua conta PJ do Nubank.

3.53

Esse artigo foi útil? Avalie

Obrigado pela avaliação

Você já votou neste post